Jump to content
Brasil Abaixo de Zero

Mudanças Climáticas - Discussões Gerais


Carlos Dias
 Share

Recommended Posts

Em 12/01/2022 em 00:24, LeoP disse:

 

Em 1963, com a Amazônia bem mais intacta que hoje, choveu quase 5x menos que em 2020 em BH, época de avanço da fronteira agrícola.

 

Vários recordes históricos de chuva foram nos últimos 13 anos na capital mineira:

 

Janeiro mais chuvoso (2020)

Abril mais chuvoso (2014)

Junho mais chuvoso (2016)

Outubro mais chuvoso (2009)

Dezembro mais chuvoso (2011)

Dia mais chuvoso (23 de janeiro/2020)

Mês mais chuvoso (janeiro/2020)

 

Nesse período, ainda tivemos alguns recordes de meses secos, de baixa URA e todos aqueles recordes de calor. 

 

Parece que outras variáveis são mais importantes que a amazônia na quantidade e distribuição da chuva pelo Brasil e foi a confluência delas que deve ter causado toda a seca de 1963, mesmo com toda a evapotranspiração da época.

 

O que parece é que os cientistas do AG estão acertando quando dizem que os extremos estão se acentuando. 

 

Tu tá indo pelo caminho correto ! Existe uma Variabilidade Natural da Circulação Atmosférica. (1945/1975 período de escoamento Meridional). (1975/2005 período de escoamento Zonal). George Vangeingeim a partir de dados fidedignos (100 anos) lançou a tese do ACI (índice de circulação atmosférica). 

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

Em 12/01/2022 em 00:24, LeoP disse:

 

Em 1963, com a Amazônia bem mais intacta que hoje, choveu quase 5x menos que em 2020 em BH, época de avanço da fronteira agrícola.

 

Vários recordes históricos de chuva foram nos últimos 13 anos na capital mineira:

 

Janeiro mais chuvoso (2020)

Abril mais chuvoso (2014)

Junho mais chuvoso (2016)

Outubro mais chuvoso (2009)

Dezembro mais chuvoso (2011)

Dia mais chuvoso (23 de janeiro/2020)

Mês mais chuvoso (janeiro/2020)

 

Nesse período, ainda tivemos alguns recordes de meses secos, de baixa URA e todos aqueles recordes de calor. 

 

Parece que outras variáveis são mais importantes que a amazônia na quantidade e distribuição da chuva pelo Brasil e foi a confluência delas que deve ter causado toda a seca de 1963, mesmo com toda a evapotranspiração da época.

 

O que parece é que os cientistas do AG estão acertando quando dizem que os extremos estão se acentuando. 

 

Não só BH mas SP tbm, todos os recordes de chuva tanto mensais quanto diários já são quase todos deste século.

Há um vídeo do coutinho no canal dele que ele toca neste assunto, que já houve secas piores do que as de agora no sul, sp teve 15 anos de chuvas abaixo do normal entre os anos 30 e 40, toda hora vejo matéria falando de seca no nordeste, mas não é só lá que acontece estas coisas, o problema é que não tinhamos a população que temos hoje então uma situação dessas hoje seria catastrófica para a agricultura, geração de energia, abastecimento, etc....

 

E eu diria que estas chuvas em MG é o que vai segurar a onda este ano pq a seca na bacia do rio Paraná contínua, matéria fresca, deste ano.

 

https://g1.globo.com/pr/oeste-sudoeste/noticia/2022/01/03/nivel-do-rio-parana-esta-quase-10-metros-abaixo-do-normal-na-regiao-de-foz-do-iguacu.ghtml

 

Já na questão temperaturas aí é outra história é uma chuva de recordes e não é urbanização, sp e em especial o Mirante não mudou tanto assim dos anos 80/90 para cá, mas as temperaturas sim.

E mesmo pelo interior de sp é quente, mas quarentar não era coisa corriqueira, agora estamos vendo um festival de 41, 42, teve os 43 de Lins (que não lembro se alguém aqui contestou ou confirmou) e foi um milagre o Mirante ter escapado do recorde de 38° de 2014. Mas não dou 5 anos para isto ser batido.

  • Like 3
Link to comment
Share on other sites

A cidade de São Paulo teve várias secas no passado.

O posto pluviométrico da Jardim da Luz, centro da cidade de São Paulo, que tem dados desde 1887, registrou apenas 899,1 mm no longínquo ano de 1893.

 

Nos anos de 1923/1924 houve outra grande seca em Sampa.

Relatos da época dizem que o rio Tietê (Que ainda não era retificado) baixou a 1/4 da vazão normal.

As pessoas podiam atravessá-lo de uma margem a outra com água nos joelhos em alguns trechos.

 

1933 foi outro ano seco.

O IAG somou apenas 849,8 mm em todo aquele ano.

O Jardim da Luz somou 844,2 mm.

Interessante que 4 anos antes, em fevereiro de 1929, ocorreu a maior enchente de que se tem registro na cidade de São Paulo.

E que ficou conhecida como a grande cheia de 1929.

 

Aliás, enchentes não são coisa recente em Sampa.

Além das inundações normais, que já ocorriam todos os anos desde aquela época, existem registros de grandes enchentes em 1906, 1919...

A diferença é que a cidade era muito menor e não havia tanta ocupação indiscriminada de várzeas e áreas de risco.

 

Registros do IAG mostram que o volume de chuva vem aumentando (Como ocorre também no Mirante).

Mas o número de dias de chuva vem diminuindo.

Isto é, tem chovido mais em menos dias.

Ou seja, estamos tendo cada vez mais chuvas curtas e intensas e cada vez menos aquelas chuvas fracas a moderadas porém prolongadas.

 

 

Volume de chuva.png

 

 

Número de dias de chuva.png

Edited by Aldo Santos
  • Like 2
  • Thanks 3
Link to comment
Share on other sites

Em 12/01/2022 em 00:24, LeoP disse:

 

Em 1963, com a Amazônia bem mais intacta que hoje, choveu quase 5x menos que em 2020 em BH, época de avanço da fronteira agrícola.

 

Vários recordes históricos de chuva foram nos últimos 13 anos na capital mineira:

 

Janeiro mais chuvoso (2020)

Abril mais chuvoso (2014)

Junho mais chuvoso (2016)

Outubro mais chuvoso (2009)

Dezembro mais chuvoso (2011)

Dia mais chuvoso (23 de janeiro/2020)

Mês mais chuvoso (janeiro/2020)

 

Nesse período, ainda tivemos alguns recordes de meses secos, de baixa URA e todos aqueles recordes de calor. 

 

Parece que outras variáveis são mais importantes que a amazônia na quantidade e distribuição da chuva pelo Brasil e foi a confluência delas que deve ter causado toda a seca de 1963, mesmo com toda a evapotranspiração da época.

 

O que parece é que os cientistas do AG estão acertando quando dizem que os extremos estão se acentuando. 

 

LeoP,

existe ou pode ter sido extinta, uma estação pluviométrica instalada no ano de 1855 na mina de Morro Velho/Nova Lima(uma CIA.Inglesa de mineração, que instalou), representa bem o clima de BH e arredores.

Fiquei numa noite uns 10 anos atrás, pesquisando os meses mais chuvosos de nov a março, registrou grandes volumes em alguns anos, outros de pouca chuva na primavera/verão. Teve anos secos e bem chuvosos.

 

Os de muita chuva me lembro de 1896, 1906, 1916, 1924,1926, nos mais recentes, foram 1961, 1979, 1985, 1992, 1997.

 

Os trimestres de jan a março dos anos de 1896, 1906, 1916 e 1924, registraram grandes volumes de chuva, com valores acima de 1000 mm.

 

De 1855 a 1900 ou seja século XIX, teve muitos anos bem secos.

Desde janeiro de 2019, não consigo mais pesquisar dados dessas estações Pluviométricas da ANA( agencia nacional de águas), eles mudaram o acesso a pesquisa das estações, já tentei várias vezes em 2019 e 2020, aí desisti. Era fácil acessar os dados, bem abertos.

 

 

 

Edited by marinhonani
  • Like 2
  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

Em 12/01/2022 em 16:34, Aldo Santos disse:

A cidade de São Paulo teve várias secas no passado.

O posto pluviométrico da Jardim da Luz, centro da cidade de São Paulo, que tem dados desde 1887, registrou apenas 899,1 mm no longínquo ano de 1893.

 

Nos anos de 1923/1924 houve outra grande seca em Sampa.

Relatos da época dizem que o rio Tietê (Que ainda não era retificado) baixou a 1/4 da vazão normal.

As pessoas podiam atravessá-lo de uma margem a outra com água nos joelhos em alguns trechos.

 

1933 foi outro ano seco.

O IAG somou apenas 849,8 mm em todo aquele ano.

O Jardim da Luz somou 844,2 mm.

Interessante que 4 anos antes, em fevereiro de 1929, ocorreu a maior enchente de que se tem registro na cidade de São Paulo.

E que ficou conhecida como a grande cheia de 1929.

 

Aliás, enchentes não são coisa recente em Sampa.

Além das inundações normais, que já ocorriam todos os anos desde aquela época, existem registros de grandes enchentes em 1906, 1919...

A diferença é que a cidade era muito menor e não havia tanta ocupação indiscriminada de várzeas e áreas de risco.

 

Registros do IAG mostram que o volume de chuva vem aumentando (Como ocorre também no Mirante).

Mas o número de dias de chuva vem diminuindo.

Isto é, tem chovido mais em menos dias.

Ou seja, estamos tendo cada vez mais chuvas curtas e intensas e cada vez menos aquelas chuvas fracas a moderadas porém prolongadas.

 

 

Volume de chuva.png

 

 

Número de dias de chuva.png

Excelentes esses gráficos !

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

  • 4 weeks later...
Em 08/02/2022 em 10:28, Augusto Göelzer disse:

 

 

Esse gif é a coisa mais didática possível para o assunto de mudanças climáticas.

 

Tenho três comentários, primeiro que esses recordes diários - bastante usados nos EUA e Canadá - para mim são algo não tão importantes, tanto que nesse caso achei que apenas poluiu o GIF, podia ser só mensal e absoluto mesmo.

 

Segundo, imagina se o Brasil fosse melhor monitorado e essa análise fosse de 2020, o tanto de recorde all time quebrado em setembro-outubro.

 

Por fim, muito interessante a América do Norte com vastas áreas que tiveram recordes absolutos de calor e frio no mesmo ano.

 

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

  • 5 months later...
  • 2 weeks later...

Para entender se o aquecimento global tem ou não influencia humana, vai muito da própria confiança nos dados. Faz pouquíssimo tempo que temos uma considerável rede de estações meteorológicas espalhadas pelo globo. Há uma minúscula seleção de estações centenárias, para ter um panorama de um período um pouco mais prolongado. E só. O que sabemos do clima do planeta desde o início até "ontem" é baseado em estudos, simulações, e não em dados oficialmente registrados de estações meteorológicas, assim os resultados podem não ser tão precisos. 

 

Agora, considerando que os dados sobre o comportamento do clima nos últimos séculos sejam próximos de verdadeiros, realmente algo estranho vem acontecendo. O planeta teve períodos mais quentes, mais frios, mas as oscilações entre estes períodos parecem ser mais suaves. Já no decorrer do século XX e início do XXI, todo e qualquer gráfico sobre clima mostra que a oscilação deixou de ser suave e bem espaçada no tempo, para se tornar uma rápida e constante escalada. A diferença é absurda. Resta saber se o clima nos séculos anteriores realmente foi tão "comportado" assim ou se podemos estar enganados e o que estamos vivenciando hoje é algo absolutamente natural. Afinal, me parece muito difícil estimar como era o clima terrestre nos séculos passados com uma precisão de décimos.

 

images.jpeg-5.jpg.442322627b24d0bca07af2f5406ee1b1.jpg

  • Like 2
  • Thanks 2
Link to comment
Share on other sites

Em 26/07/2022 em 12:13, EduardoFinatto disse:

Afinal, me parece muito difícil estimar como era o clima terrestre nos séculos passados com uma precisão de décimos.images.jpeg-5.jpg.442322627b24d0bca07af2f5406ee1b1.jpg

https://arstechnica.com/science/2021/11/scientists-extend-and-straighten-iconic-climate-hockey-stick/

 

Link sobre a reconstrução do clima para até 24000 anos antes de cristo.

  • Thanks 4
Link to comment
Share on other sites

Em 26/07/2022 em 12:13, EduardoFinatto disse:

Para entender se o aquecimento global tem ou não influencia humana, vai muito da própria confiança nos dados. Faz pouquíssimo tempo que temos uma considerável rede de estações meteorológicas espalhadas pelo globo. Há uma minúscula seleção de estações centenárias, para ter um panorama de um período um pouco mais prolongado. E só. O que sabemos do clima do planeta desde o início até "ontem" é baseado em estudos, simulações, e não em dados oficialmente registrados de estações meteorológicas, assim os resultados podem não ser tão precisos. 

 

Agora, considerando que os dados sobre o comportamento do clima nos últimos séculos sejam próximos de verdadeiros, realmente algo estranho vem acontecendo. O planeta teve períodos mais quentes, mais frios, mas as oscilações entre estes períodos parecem ser mais suaves. Já no decorrer do século XX e início do XXI, todo e qualquer gráfico sobre clima mostra que a oscilação deixou de ser suave e bem espaçada no tempo, para se tornar uma rápida e constante escalada. A diferença é absurda. Resta saber se o clima nos séculos anteriores realmente foi tão "comportado" assim ou se podemos estar enganados e o que estamos vivenciando hoje é algo absolutamente natural. Afinal, me parece muito difícil estimar como era o clima terrestre nos séculos passados com uma precisão de décimos.

 

images.jpeg-5.jpg.442322627b24d0bca07af2f5406ee1b1.jpg


Exatamente ! Mas, o que eu acredito hoje em dia é que o ser humano tem potencializado a tendência de subida da temperatura média planetária. O aquecimento global potencializado pelo ser humano, e talvez não totalmente causado pelo ser humano. 

Link to comment
Share on other sites

Não temos como saber como era o clima dos séculos passados, mas nós sabemos da drástica redução da cobertura vegetal. Somente esse fator altera de diversas formas os padrões climáticos, e dessa forma, a partir de métodos numéricos e por estatística, é possível fazer retroanálise dos padrões climáticos. Além da análise da ecologia, impressão em plantas e diversos outros fatores. Se a paleoclimatologia consegue com bom previsão identificar as características atmosféricas em eras geológicas diferentes, eu acredito que os dados de retroanálise e métodos numéricos é possível determinar, muito fielmente, dados climáticos no decorrer da história humana recente.

 

Uma imagem como essa (oeste da região sul) deixa mais do que evidente o tamanho da destruição da cobertura vegetal. Alguém ainda acredita que somente isso não tem um efeito enorme no clima do planeta? Isso altera vários índices, como evapotranspiração e etc. E se somar com vários outros fatores, fica ainda mais evidente. A cor verde escura são as áreas preservadas, em contraste com as outras áreas completamente desmatadas que, outrora eram cobertas pela Floresta Atlântica e estariam com o mesmo tom verde escuro na imagem.

 

553830353_ScreenShot2022-07-26at15_31_31.png.09555b0babec7f8e714b4dd080e378fc.png

 

 

Edited by Nestor Antonio Bresolin Junior
  • Like 1
  • Thanks 3
Link to comment
Share on other sites

On 7/26/2022 at 3:15 PM, Renan said:


Exatamente ! Mas, o que eu acredito hoje em dia é que o ser humano tem potencializado a tendência de subida da temperatura média planetária. O aquecimento global potencializado pelo ser humano, e talvez não totalmente causado pelo ser humano. 

 

Me llama la atención, durante el Optimo climático romano aparentemente el clima Mediterraneo avanzo hacia el norte de Europa, no es lo que sucede ahora, la produccion de vino britanico era una fuerte competencia del vino romano.

 

https://www.meteorologiaenred.com/optimo-climatico-romano.html

 

optimo climatico romano

  • Like 2
  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

  • 4 weeks later...

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.