Jump to content
Brasil Abaixo de Zero
Felipe F

Monitoramento e Previsão América do Norte - 2019

Recommended Posts

Em 03/08/2019 em 12:27, Wallace Rezende disse:

Esta onda de frio de fevereiro de 2016 foi realmente curtíssima, mas bem forte.  O Central Park quebrou o maior jejum de anos sem baixar dos 0ºF (-17,8ºC) da história com mínima de -1ºF (-18,3ºC) no dia 14; por lá a última sub-zero Fahrenheit datava de janeiro de 1994.  Em Boston foi ainda mais notável: a mínima de -22,8ºC em 14/02/2016 foi a mais baixa desde 15/01/1957, quando fez -24,4ºC. 

 

Logo depois desta onda frio a temperatura subiu e fevereiro de 2016 fechou acima da média; bem diferente de fevereiro de 2015, quando o frio foi persistente e muitas cidades registraram a menor média desde 1934 (também no norte da fronteira, caso de Toronto).  Além do frio relâmpago de fevereiro, em 2016 houve uma nevada histórica (mas que não foi acompanhada por frio forte) em janeiro de 2016 na cidade de Nova York, com recorde no Central Park (69 cm de neve no dia 23/01, recorde diário para toda a série).  Mas o inverno com como um todo foi fraco mesmo.

1957 e 1994 tiveram muita neve nas serras do Sul do Brasil? Tem alguma correlação? 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Posted (edited)
Em 03/08/2019 em 12:27, Wallace Rezende disse:

Esta onda de frio de fevereiro de 2016 foi realmente curtíssima, mas bem forte.  O Central Park quebrou o maior jejum de anos sem baixar dos 0ºF (-17,8ºC) da história com mínima de -1ºF (-18,3ºC) no dia 14; por lá a última sub-zero Fahrenheit datava de janeiro de 1994.  Em Boston foi ainda mais notável: a mínima de -22,8ºC em 14/02/2016 foi a mais baixa desde 15/01/1957, quando fez -24,4ºC. 

 

Logo depois desta onda frio a temperatura subiu e fevereiro de 2016 fechou acima da média; bem diferente de fevereiro de 2015, quando o frio foi persistente e muitas cidades registraram a menor média desde 1934 (também no norte da fronteira, caso de Toronto).  Além do frio relâmpago de fevereiro, em 2016 houve uma nevada histórica (mas que não foi acompanhada por frio forte) em janeiro de 2016 na cidade de Nova York, com recorde no Central Park (69 cm de neve no dia 23/01, recorde diário para toda a série).  Mas o inverno com como um todo foi fraco mesmo.

Comparável ao Sul do Brasil em julho de 2017, que teve uma onda de frio muito forte, porém curta, pois logo esquentou e o mês fechou acima da média, e voltando para 1994, também naquele ano a quente Goiânia teve sua mínima absoluta do período 61-90, de 2,6 C em 10 de julho ❄️

Edited by Leandro Leite
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Posted (edited)
13 horas atrás, Leandro Leite disse:

1957 e 1994 tiveram muita neve nas serras do Sul do Brasil? Tem alguma correlação? 

Muitas vezes invernos com boas invasões de ar frio no leste dos EUA são seguidos (ou precedidos) por uma situação semelhante no centro-sul do Brasil, agora nunca fiz um acompanhamento mais aprofundado para ver se  são apenas algumas coincidências ou se há alguma tendência.

 

Algumas curiosidades:

Duas super-erupções polares (das mais fortes jamais vistas) no leste dos EUA ocorreram em janeiro de 1985 e janeiro de 1994, e os invernos de 1985 e 1994 despertam ótimas lembranças em muita gente por aqui.

 

O inverno 1933/1934 trouxe fortíssimas ondas de frio para o sudeste do Canadá e nordeste dos EUA (com recorde absoluto de frio em NY e Boston, entre várias outras cidades), e pouco antes o inverno brasileiro de 1933 quebrou recordes de frio (nunca mais alcançados) em lugares como Cuiabá, Juiz de Fora e Região Serrana do RJ.

 

O período de dezembro de 1917 até o início de fevereiro de 1918 foi um dos mais frios do século XX no centro-leste do EUA, enquanto no Brasil o inverno de 1918 trouxe eventos históricos de frio para o Sul e Sudeste e o inverno de 1917 foi bem frio em média.  São muitos casos interessantes, mas um estudo mais aprofundado seria necessário para podermos afirmar alguma coisa.

Edited by Wallace Rezende
  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Hoje trago o resumo de agosto de 2019 em duas cidades do Oeste dos Estados Unidos com clima muito distinto; Phoenix (a mais tórrida grande cidade do país nos meses quentes) e San Diego (conhecida pelo clima agradável em todas as estações).

 

Agosto de 2019 fechou com temperatura exatamente na média em San Diego (em 2018 a cidade registrou o agosto mais quente desde o início dos registros em 1873, e o Pacífico mais fresco é o principal responsável pelo retorno à média em 2019).  Em Phoenix, agosto de 2019 foi o segundo mais quente desde o início dos registros em 1895 (perdendo para 2011), e a temporada de monções mais fraca este ano foi a principal responsável pela temperatura mais alta (nebulosidade e umidade abaixo da média, trazendo máximas mais altas, enquanto a ilha de calor garantiu mínimas acima da média).  Nas duas cidades, a estação fica no aeroporto internacional.

 

Phoenix (08/2019):

Temperatura média simples: 36ºc (+1,8ºc) (segunda maior, recorde 36,8ºc em 2011)

Média máximas: 42,3ºc (+2,1ºc) (idem, recorde 42,8ºc em 2011)

Média mínimas: 29,7ºc (+1,5ºc) (quarta maior)

Máxima absoluta: 46,1ºc (05/08)

Mínima absoluta: 26,1ºc (28/08, durante pancada de chuva)

Precipitação: 6 mm (-19 mm)

 

San Diego (08/2019):

Temperatura média simples: 22ºc (0,0ºc)

Média máximas: 24,7ºc (0,0ºc)

Média mínimas: 19,2ºc (-0,1ºc)

Máxima absoluta: 28,9ºc (26/08)

Mínima absoluta: 17,8ºc (12,15,16,17e 22/08)

Precipitação: 0 mm (-0,5 mm)

Edited by Wallace Rezende
  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.