Jump to content
Brasil Abaixo de Zero
Carlos Dias

Astronomia e astrofotografia

Recommended Posts

Belas imagens, hoje teremos a super lua novamente?? Ontem a neblina me deixou ver a mesma só após subir 45°.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Belas imagens, hoje teremos a super lua novamente?? Ontem a neblina me deixou ver a mesma só após subir 45°.
Perdão pela demora.

Sim, porém já estará um pouco menor e menos brilhante que ontem.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Um meteorito caiu na Nicarágua abrindo uma cratera de cerca de 10 metros.

nY2-sQjXPBY

 

Um meteorito também foi visto hoje na região da Catalunha, Espanha.

ZRzihnVez4U

Share this post


Link to post
Share on other sites

Possível meteorito em Recife

 

rX8H5h74TmA

 

FsWPoX0umdI

 

9wyxJzwyTOY

Share this post


Link to post
Share on other sites

Jan. 7, 2015: Although NASA’s Hubble Space Telescope has taken many breathtaking images of the universe, one snapshot stands out from the rest: the iconic view of the so-called “Pillars of Creation.” The jaw-dropping photo, taken in 1995, revealed never-before-seen details of three giant columns of cold gas bathed in the scorching ultraviolet light from a cluster of young, massive stars in a small region of the Eagle Nebula, or M16.

In celebration of its upcoming 25th anniversary in April, Hubble has revisited the famous pillars, providing astronomers with a sharper and wider view. Although the original image was dubbed the Pillars of Creation, the new image hints that they are also "pillars of destruction."

splash

Astronomers using NASA's Hubble Space Telescope have assembled a bigger and sharper photograph of the iconic Eagle Nebula's "Pillars of Creation". Credit: NASA/ESA/Hubble Heritage Team (STScI/AURA)/J. Hester, P. Scowen (Arizona State U.)

“I’m impressed by how transitory these structures are," explains Paul Scowen of Arizona State University in Tempe. "They are actively being ablated away before our very eyes. The ghostly bluish haze around the dense edges of the pillars is material getting heated up and evaporating away into space. We have caught these pillars at a very unique and short-lived moment in their evolution.” Scowen and astronomer Jeff Hester, formerly of Arizona State University, led the original Hubble observations of the Eagle Nebula.

The original 1995 images were taken in visible light. The new image includes near-infrared light as well. The infrared view transforms the pillars into eerie, wispy silhouettes seen against a background of myriad stars. That’s because the infrared light penetrates much of the gas and dust, except for the densest regions of the pillars. Newborn stars can be seen hidden away inside the pillars.

Auroras Underfoot (signup)

The infrared image shows that the very ends of the pillars are dense knots of dust and gas. They shadow the gas below them, keeping the gas cool and creating the long, column-like structures. The material in between the pillars has long since been evaporated away by the ionizing radiation from the central star cluster located above the pillars.

At the top edge of the left-hand pillar, a gaseous fragment has been heated up and is flying away from the structure, underscoring the violent nature of star-forming regions. “These pillars represent a very dynamic, active process,” Scowen said. “The gas is not being passively heated up and gently wafting away into space. The gaseous pillars are actually getting ionized, a process by which electrons are stripped off of atoms, and heated up by radiation from the massive stars. And then they are being eroded by the stars’ strong winds and barrage of charged particles, which are literally sandblasting away the tops of these pillars.”

When Scowen and Hester used Hubble to make the initial observations of the Eagle Nebula in 1995, astronomers had seen the pillar-like structures in ground-based images, but not in detail. They knew that the physical processes are not unique to the Eagle Nebula because star birth takes place across the universe. But at a distance of just 6,500 light-years, M16 is the most dramatic nearby example – as the team soon realized.

image

The original 1995 image was beautiful. Compare this view to the 2014 image in a side-by-side montage

As Scowen was piecing together the Hubble exposures of the Eagle, he was amazed at what he saw. “I called Jeff Hester on his phone and said, ‘You need to get here now,’” Scowen recalled. “We laid the pictures out on the table, and we were just gushing because of all the incredible detail that we were seeing for the very first time.”

The first features that jumped out at the team in 1995 were the streamers of gas seemingly floating away from the columns. Astronomers had previously debated what effect nearby massive stars would have on the surrounding gas in stellar nurseries. “There is the only one thing that can light up a neighborhood like this: massive stars kicking out enough horsepower in ultraviolet light to ionize the gas clouds and make them glow,” Scowen said. “Nebulous star-forming regions like M16 are the interstellar neon signs that say, ‘We just made a bunch of massive stars here.’ This was the first time we had directly seen observational evidence that the erosionary process, not only the radiation but the mechanical stripping away of the gas from the columns, was actually being seen.”

By comparing the 1995 and 2014 pictures, astronomers also noticed a lengthening of a narrow jet-like feature that may have been ejected from a newly forming star. The jet looks like a stream of water from a garden hose. Over the intervening 19 years, this jet has stretched farther into space, across an additional 60 billion miles, at an estimated speed of about 450,000 miles per hour.

Our sun probably formed in a similar turbulent star-forming region. There is evidence that the forming solar system was seasoned with radioactive shrapnel from a nearby supernova. That means that our sun was formed as part of a cluster that included stars massive enough to produce powerful ionizing radiation, such as is seen in the Eagle Nebula. “That’s the only way the nebula from which the sun was born could have been exposed to a supernova that quickly, in the short period of time that represents, because supernovae only come from massive stars, and those stars only live a few tens of millions of years,” Scowen explained. “What that means is when you look at the environment of the Eagle Nebula or other star-forming regions, you’re looking at exactly the kind of nascent environment that our sun formed in.”

Credits:

Production editor: Dr. Tony Phillips | Credit: Science@NASA

 

p1501ay.jpg

 

splash1.jpg

Share this post


Link to post
Share on other sites

Gostei da postura do Obama em aumentar a verba para a NASA....e a mesma comemorou..!! Temo duas prioridades...a primeira é a Missão tripulada para Marte...e a segunda é enviar uma sonda para Europa...que é uma lua de Júpiter....que se trata do local com mais chance de vida em nosso sistema solar..!!!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Seguem algumas fotos tiradas durante a semana no PNI e Itamonte. O céu mais lindo que já vi!

 

A2K6XbI.jpg

 

1EPcUGs.jpg

 

uzUx8dn.jpg

 

OInTbya.jpg

 

JWajGsY.jpg

 

HtdwMAN.jpg

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Muito bonito o céu, principalmente a da faixa da Via Láctea :heart:

Aqui em casa, só consigo ver "uma fumaçinha" quando o céu fica completamente limpo, e sem vento :negative:

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Muito bonito o céu, principalmente a da faixa da Via Láctea :heart:

Aqui em casa, só consigo ver "uma fumaçinha" quando o céu fica completamente limpo, e sem vento :negative:

 

Não reclamem! Aqui quando limpa malemá vejo as 3 marias e o cruzeiro do sul e umas 3 ou 4 estrelas kkkk claro que isso é umas 10 noites por ano kkkkk

Share this post


Link to post
Share on other sites

Aqui em casa, na zona norte de Sampa, idem. :mosking:

 

Já é raro uma noite de céu limpo em Sampa.

 

Quando acontece, a poluição luminosa (E, às vezes, a poluição química mesmo) atrapalham tudo.

Como disse o Artur, aqui vejo o Cruzeiro do Sul, as Três Marias e mais "meia dúzia" de estrelas. :laugh:

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Muito bonito o céu, principalmente a da faixa da Via Láctea :heart:

Aqui em casa, só consigo ver "uma fumaçinha" quando o céu fica completamente limpo, e sem vento :negative:

 

Não reclamem! Aqui quando limpa malemá vejo as 3 marias e o cruzeiro do sul e umas 3 ou 4 estrelas kkkk claro que isso é umas 10 noites por ano kkkkk

 

Hahahhahah, sei bem como é Artur. Quando estou no Planalto, em São Bernardo, não vejo quase nada. Em Paranapiacaba, então... rsrsrs. Sem chance! Mas até que já peguei uns dias de céu sem nuvens por lá, mas é coisa rara, muuuuito rara!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Para quem gosta de Astronomia, vale a pena a ver Venus e Jupiter que estão juntinhas no céu nesses últimos dias... Hoje depois do Por do Sol, estava observando os dois planetas que estão nitidamente visíveis! Um espetáculo!

 

O Horário de Visualização é sempre em torno do por do sol, e indo até umas 20h00 aproximadamente, quando os dois planetas irão se "por" no horizonte.

 

Abaixo uma simulação do programa Stellarium para esta terça-feira as 18h54 em São Paulo, mostrando os dois planetas no céu:

 

KPZYcTU.png

Share this post


Link to post
Share on other sites

New Horizons: novas imagens revelam detalhes da cara de Plutão

 

À medida que a sonda interplanetária New Horizons se aproxima do planeta-anão Plutão, novos detalhes da superfície começam a ser revelados, como um suposto trio de crateras que à longa distância se assemelha a um rosto humano.

 

plutao_caronte_20150622-110233.jpg

 

A nova imagem foi captada pelo instrumento LORRI (Long-Range Reconnaissance Imager), um dos sete experimentos a bordo da New Horizons e mostra um trio de áreas escurecidas que podem ser indícios de uma paisagem craterada. Além disso, a nova cena também mostra que a superfície de Plutão pode não ser tão lisa, mas ser formada por áreas bastante irregulares, repletas de relevos.

 

Neste momento, a sonda está a 25 milhões de km de Plutão e a 4.74 bilhões de km da Terra, uma distância tão grande que os sinais enviados pela sonda levam 04h30 minutos para chegar até as antenas da Rede do Espaço Profundo, localizadas na Austrália, África do Sul e Argentina.

 

new_horizons_orbita_20150622-110258_big.jpg

 

Ainda é cedo para afirmar se as feições escuras observadas pelo instrumento LORRI são de fato crateras. A nave ainda tem muito chão pela frente até atingir a maior aproximação com o planeta-anão, em 14 de julho.

 

O encontro será muito rápido, já que a nave não entrará na orbita de Plutão. No entanto, a quantidade de dados coletados será suficiente para décadas de estudos e novas descobertas. Até lá, novas imagens serão captadas e cada vez com maior riqueza de detalhes.

 

APOLLO11

Share this post


Link to post
Share on other sites

Plutão: faltam poucas horas para a aproximação máxima

 

Restando apenas algumas horas para o rasante, os instrumentos a bordo da nave New Horizons continuam enviando imagens cada vez mais detalhadas da superfície do planeta anão, cada vez mais surpreendente.

 

plutao_lorri_11jul2015_20150713-094637_big.jpg

 

Na terça-feira de manhã a sonda interplanetária New Horizons atingirá o ápice de sua missão e às 08:49:57 deverá chegar a apenas 12500 km de distância de Plutão. Essa será a primeira visita ao mais distante dos planetas do Sistema Solar e marcará o início dos estudos locais do planeta.

 

AO VIVO 07h15 DE TERÇA-FEIRA!

 

Durante a aproximação, Plutão será sondado por nada menos que sete instrumentos científicos, entre eles as duas câmeras de alta resolução LORRI e RALPH, o espectrômetro ultravioleta ALICE, o espectrômetro de íons PEPSSI e o experimento de análise de interação solar SWAP. Além desses, o experimento REX (Radio Science Experiment) terá a importante tarefa de sondar a temperatura e pressão da atmosfera de Plutão e medir a densidade de sua ionosfera.

 

Além desses instrumentos, a sonda carrega um interessante experimento chamado VBSDC - Venetia Burney Student Dust Counter - que consiste em um medidor de poeira interestelar construído por estudantes da Universidade do Colorado. O nome do experimento é uma homenagem à britânica Venetia Burney, que em 1930, aos 11 anos de idade, sugeriu o nome do planeta.

 

Imagem Histórica

A cena no topo do artigo revela o disco plutoniano visto a 3.9 milhões de km. Ela foi feita em 11 de julho de 2015 e provavelmente é a última foto mais aproximada deste hemisfério, já que esta face não estará visível no momento do encontro. É uma imagem histórica e que provavelmente ilustrará os livros de ciências pelas próximas décadas.

 

Não se sabe exatamente o que são as quatro áreas escuras vista na região equatorial de Plutão (parte inferior da imagem) e nem porque parecem tão perfeitamente espaçadas. De acordo com pesquisadores do Ames Research Center, da Nasa, ainda não é possível nem saber se são planaltos ou planícies ou apenas variações de brilho em uma superfície lisa.

 

Considerando-se o tamanho de Plutão, pode-se especular que a maior área escura vista na cena tem cerca de 480 km de largura. "Comparando com imagens anteriores, vemos que essas regiões são bem mais complexas do imaginamos anteriormente, com as bordas muito irregulares e fortemente definidas", disse o cientista Curt Niebur, do AMES.

 

http://www.apolo11.com/

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.