Jump to content
Brasil Abaixo de Zero

Vegetação, Botânica e Jardinagem


Rafael Angelo
 Share

Recommended Posts

Em 02/07/2020 em 21:22, Alexandre Pereira disse:

Depois do “ciclone bomba” dessa semana no Sul a mídia divulgou diversas imagens de árvores que teriam sido arrancadas pela raiz, como as seguintes: 

102E10AA-2308-4C33-B0A3-AA683A0CF210.jpeg.b282208df5a51a879a7f2056d56d8654.jpeg

12E3942D-7977-42BD-B382-9C83710A4DBF.thumb.jpeg.c52f51f99de39ddb1c57550a8bfdb070.jpeg

D03367CD-BF33-4893-85BD-32E03351A615.jpeg.b4aa3c455d5eccc55134884ae9c05e33.jpeg
Essa informação procede? Se sim estou surpreso, as raizes dessas árvores parecem tão superficiais e a certo modo frágeis...
Alguém também sabe se essas espécies das imagens são nativas da região Sul ou se foram introduzidas? 
 

Links de reportagens que incluem duas dessas fotos:

https://www.nsctotal.com.br/noticias/tempestade-em-joinville-provoca-destelhamentos-e-quedas-de-arvore?amp=1

https://gauchazh.clicrbs.com.br/porto-alegre/amp/2020/07/viamao-tem-55-mil-pontos-sem-luz-galhos-nas-ruas-e-muro-de-escola-derrubado-por-arvore-ckc3av4jb0006013i0z9wlv90.html

 

Assim é a vida. 

Eu lembro de uma reportagem no Fantástico uns 20 anos atrás - não lembro exatamente o conteúdo - que falava sobre um sistema (lembro que usaram o termo "tempestade tropical") que teria derrubado 1 bilhão de árvores na Amazônia. Um esboço apenas do que foi a matéria e eu não duvido, é muito possível.

  • Like 3
Link to comment
Share on other sites

Em 08/07/2020 em 21:13, Tavares disse:

Assim é a vida. 

Eu lembro de uma reportagem no Fantástico uns 20 anos atrás - não lembro exatamente o conteúdo - que falava sobre um sistema (lembro que usaram o termo "tempestade tropical") que teria derrubado 1 bilhão de árvores na Amazônia. Um esboço apenas do que foi a matéria e eu não duvido, é muito possível.

 

Tem um artigo que fala sobre um derecho que varreu a Amazônia em 2005 causando vasta mortandade de árvores:

image.thumb.png.947532c6d7f0795395f2800985938c59.png

 

https://agupubs.onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1029/2010GL043733

  • Like 2
  • Thanks 4
Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

@Carlos Campos vc acha que essa arvore no fundo da foto é uma araucária? Na foto não da pra ver mas é bem o formato, parecendo uma taça sem galhos na parte de baixo do tronco, tive que sair hj e tinha essa e outra igual no caminho q infelizmente não consegui tirar foto. Algum especialista ou qualquer outro membro q quiser comentar sinta-se a vontade, só marquei o Carlos pq acho q araucária é a marca dele

Tadinha se for deve sofrer um bocadinho, não chove faz mais de 2 meses aqui e daqui um mês chega o tórrido SET/OUT; e tem tantas outras especies de pinheiros introduzidos aqui e até em GYN que é mais quente

1432209894_WhatsAppImage2020-07-27at19_17_13.thumb.jpeg.1d2f2f398a70a2506d13aec638545300.jpeg

 

Enquanto isso o ipê que fica alguns lotes acima de minha casa finalmente floriu, todo ano fico encantado e torço pra que não construam nada no lote pra não terem q cortar:

1713725317_WhatsAppImage2020-07-27at19_17.13(1).thumb.jpeg.e1a73d621b2e7bc531ab9a4e393a4eed.jpeg

  • Like 4
  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

@Alexandre Pereira, com toda certeza é uma araucária 😍

E as daki também estão sofrendo com a estiagem, mas esses pinheiros resistem até q bem à um período seco (não tão longo).

As imagens ficaram lindas. É um belo lugar esse q vc mora.  Até as palmeiras são belas ..

Abraço

  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

Ontem, dando uma volta pela cidade, registrei as paisagens tipicamente invernais de Belo Horizonte e região, motivadas pelo tempo mais frio e, principalmente, pela redução dos níveis de umidade do ar e do solo nessa época. Não é neve (que não ocorre), nem geada (raríssima) e nem nevoeiro (que também não é comum), mas a característica caducifólia das plantas.

 

Vejam, não há uma sincronização tão perfeita como acontece com as árvores de climas temperados (outono), mas há sim uma visível concentração de queda de folhas entre junho e setembro, nas espécies de folhagem caduca ou semi-permanentes, como os ipês, as amendoeiras e as paineiras. O aspecto de muitas folhas no chão sendo levadas pelo vento constante, vários galhos pelados ou ralos e os gramados secos trazem o aspecto outonal ou invernal bem característico, que contrasta com a exuberância verde e úmida do verão.

 

As paineiras, em especial, deixam seu manto branco no chão, as painas (onde podemos encontrar suas sementes, que aproveitam o vento desse período para se dispersarem). O céu nublado da manhã de ontem ajudou um pouco mais a deixar o cenário invernal:

 

491265612_20200801_0743502.thumb.jpg.8b6251f10361fbe3eba036fd3afd2bca.jpg

 

Quando olhamos as painas de perto, parece que as árvores estão crescendo sobre as nuvens:

 

1260374726_20200801_0744322.thumb.jpg.55e87826f83529c148fdc80a0d978f5a.jpg

 

A temperatura era de 15°C no momento que fiz os registros e ventava, de forma que foi uma típica manhã de agosto, invlusive na sensação térmica.

Edited by LeoP
  • Like 6
  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

2 hours ago, LeoP said:

Ontem, dando uma volta pela cidade, registrei as paisagens tipicamente invernais de Belo Horizonte e região, motivadas pelo tempo mais frio e, principalmente, pela redução dos níveis de umidade do ar e do solo nessa época. Não é neve (que não ocorre), nem geada (raríssima) e nem nevoeiro (que também não é comum), mas a característica caducifólia das plantas.

 

Vejam, não há uma sincronização tão perfeita como acontece com as árvores de climas temperados (outono), mas há sim uma visível concentração de queda de folhas entre junho e setembro, nas espécies de folhagem caduca ou semi-permanentes, como os ipês, as amendoeiras e as paineiras. O aspecto de muitas folhas no chão sendo levadas pelo vento constante, vários galhos pelados ou ralos e os gramados secos trazem o aspecto outonal ou invernal bem característico, que contrasta com a exuberância verde e úmida do verão.

 

As paineiras, em especial, deixam seu manto branco no chão, as painas (onde podemos encontrar suas sementes, que aproveitam o vento desse período para se dispersarem). O céu nublado da manhã de ontem ajudou um pouco mais a deixar o cenário invernal:

 

491265612_20200801_0743502.thumb.jpg.8b6251f10361fbe3eba036fd3afd2bca.jpg

 

Quando olhamos as painas de perto, parece que as árvores estão crescendo sobre as nuvens:

 

1260374726_20200801_0744322.thumb.jpg.55e87826f83529c148fdc80a0d978f5a.jpg

 

A temperatura era de 15°C no momento que fiz os registros e ventava, de forma que foi uma típica manhã de agosto, invlusive na sensação térmica.

 

Hermosa arborizacion; me encanta este hilo.

  • Like 1
  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

ex.thumb.jpg.b73ed5799fa2b6a51919a5e2e5fa91f1.jpg

image.png.622baeed767c98e39951185d5cbe0159.png

Si bien en Montevideo es notorio que lo que predomina si hablamos de arboles de alineacion en sus calles, son los arboles caducos (fresnos, paraisos, platanos, arces, nogales, olmos, robles etc.), y en la rambla palmeras (canarias y butia fundamentalmente), en sus principales parques lo que predomina son los arboles perennes y eso es debido a que fueron diseñados por paisajistas franceses (Charles Thays fundamentalmente pero tambien otros) que fomentaban en ese tiempo una idea estetica de parques de apariencia masiva e incambiada a lo largo del año; inspirados por el exotismo de lo que podia ser una selva tropical, un paradigma que estaba de moda en aquellas epocas, (una "vogue" plasmada en lo que fue el Art Nouveau).

 

Eso genero que nuestros parques no presentaran la explosion de colores en otoño que se ve por ejemplo en el Central Park, hubiese sido muy facil lograrlo plantando las mismas especies que vemos en nuestras calles.

 

A pesar de que se plantaron posteriormente especies caducas hoy en dia siguen predominando los arboles perennes, lo que da sobre todo en invierno, una apariencia fria y sombria a nuestros parques. donde predomina el follaje oscuro de coniferas, ligustros, casuarinas, magnolias, tipas; especies mediterraneas y otras generos perennes o tardiamente caducos.eso genera que en invierno  la gente no busca estar bajo los arboles, si no que prefiera lugares mas abiertos y soleados:

 

parque-del-prado.thumb.jpg.4793f8c8d3f4424eec96b054d996fc68.jpg

 

17359059_10212487139756226_8510544773078200456_o.jpg.0f34564c688f529f241b113e5cc55759.jpg17218691_10212487173157061_1438857455395354940_o.thumb.jpg.1173f02019c1ce31b069266c23151090.jpg

52594413_10218492580008479_133069945234784256_o.thumb.jpg.ae230c7d61549805218094191c6b3d4d.jpg52890011_10218492579728472_168569855685951488_o.thumb.jpg.cc319f0cecf9d34012b0f935d4588c9a.jpg

image.thumb.png.c4695893382b631d6d7037ebdec3621d.png

 

 

 

Edited by Pablo MQL
  • Like 3
Link to comment
Share on other sites

Picea Abies

Picea_abies1.thumb.jpeg.dd3d719a4992031d16a8e62ad0579d59.jpeg

Alguém conhece o Picea Abies, conhecido também como Norway Spruce e Abeto da Norway?

Acho essa coníferas um espetáculo!

Não sei UM lugar onde eu possa encontrar essa árvore aqui no Brasil! 

Também nunca vi um Abeto no Brasil!

Tem uma conífera muito comum em Gramado-RS que chama-se Cunninghamia Lanceolata. Essa conífera muito parecida com um Abeto mas ela não é um Abeto. A Cunninghamia Lanceolata é conhecida erroneamente, no Brasil, como Pinheiro Alemão é e muito usada como árvore de natal em Gramado-RS. Cunninghamia Lanceolata é uma Conífera de origem chinesa e, por parecer muito com um Abeto, no hemisfério norte é apelidada de Abeto Chinês.

Alguém sabe se existem Abetos no Brasil?

Alguém sabe se o Picea Abies se adapta aos climas do Sul e Sudeste do Brasil? 

Se o Picea Abies não se adapta ao Brasil, alguém sabe se existe alguma outra(s) espécie(s) de abeto(s) que se adapta(m) aos climas do Sul e Sudeste do Brasil?

 

Conífera Cunninghamia Lanceolata do lado de uma Igreja em Gramado-RS:

images.jpeg.fa76de3945fae77444d396a8f040563b.jpeg2092610617_images(1).jpeg.ec11e2547cec06688979e4b5c9cf6775.jpeg

 

Fotos do Cunninghamia lanceolata:

 

972387878_images(3).jpeg.5ec05eb281980ad10cd2cd1fb18f2b6f.jpeg1797045763_images(11).jpeg.024c565c010662581a3b6095480361d1.jpeg134652410_images(14).jpeg.1af81fd7819140a5937bee35c6ddaaaf.jpeg1172945538_images(10).jpeg.dc39a60b71b980dc8e3adb73d3c40e6c.jpeg958102002_images(8).jpeg.efb80b1c274901bd83036495fcda424a.jpeg1651891073_images(9).jpeg.ece1de882979e6e53c4e3a241dad0376.jpeg865818462_images(19).jpeg.fc69e2bb6ef3d04f0d93857ac994b66d.jpeg805520662_images(18).jpeg.f755dcaa2c3c58748c05f59ea16a9495.jpeg

 

 

Fotos de Abetos:

unnamed.jpg.c00232df0ce79ab271884a4537bbbf72.jpgs468003859194629765_p46_i4_w433.jpeg.d1e510bf5fd33dbcf04a4687dd1c8997.jpegbaby-blue-spruce-1.jpg.0484f825469f4bdd7f48ce5835e0ba02.jpg997231804_images(17).jpeg.78848583a499ac148d213657f271604e.jpeg588880369_images(15).jpeg.ab815954e7ba5f48bff075712dab833a.jpeg936889507_images(5).jpeg.d030a1a7da69a4558d10254aeeeb9cf1.jpegMtRanier_GettyImages-668374584.thumb.jpg.166943c1de9ce8603e53e129d61b5305.jpgac62167a556f2cae8cfa66a128b1f83e.thumb.jpg.a3574ecee49f86362b08213be94473e3.jpgMount-Rainier-Fall-Colors-Photo-Credit-Mike-Peters.thumb.jpg.8f1d9dc3af65d490e53c52cf51d07eff.jpg1539079079_images(6).jpeg.3ef3e0dc9810c0e7ac049d1672b5e1f2.jpeg

 

 

 

Edited by Victor92
  • Like 3
Link to comment
Share on other sites

Não conheço quase nada sobre as arvores acima infelizmente...

Nessa quarentena to aprendendo a fazer jardinagem com as plantas e árvores aqui de casa mesmo. Por exemplo fiquei empolgado com esses videos aqui:

 

Pelos vídeos e comentários essa calda de mamona é sucesso pra diversas frutíferas e hortaliças, mas queria aplicar na minha Renda Portuguesa pois acho que ela está com fungo, to com medo de fazer mal pois é uma planta mais sensível né, alguém aqui já ouviu falar ou usou a calda de mamona em plantas ornamentais?  

  • Like 5
Link to comment
Share on other sites

51 minutos atrás, LeoP disse:

Pessoal, muitas coníferas vivem bem em climas mais quentes, pois compensam a falta de frio com a chuva farta. Aqui em Belo Horizonte, temos muitas coníferas bem bonitas e saudáveis, mesmo com as temperaturas muito pouco baixando de 10ºC, os 1600mm anuais compensam. Creio que apenas as regiões áridas do Brasil são impeditivas pra essas árvores. Claro que isso é de forma geral, especificidades devem ser vistas caso a caso. Caso queiram saber sobre  alguma espécie "em específico", consultem os livros do mestre Harri Lorenzi.

 

Aqui na capital, segue o aquecimento (principalmente nas mínimas), porém o dia seguiu ameno, entre 17 e 24ºC em média. Durante a tarde, predomínio de nebulosidade que representa a essência do que podemos chamar de nuvens inúteis:

 

221192471_Screenshot_2020-08-10-17-46-592.png.32531951fd5eeaa40b65b66e41bf2894.png

 

A partir de agora, entraremos num período mais quente, com máximas superiores a 27ºC a partir de quinta. E a longa sequência de meses abaixo dos 30ºC está muito seriamente ameaçada na semana que vem. Também aparece na grade grande resfriamento a partir do dia 20. Tá ficando interessante.

 

Boa noite a todos e parabéns atrasado aos pais.

Você já viu algum Abeto em Belo Horizonte?

  • Haha 1
Link to comment
Share on other sites

Sobre os Manacás...

Desde o começo do Inverno(até antes disso) eu os vejo floridos aqui. Acredito que aqui em São Paulo eles não tem época para florir.

Eu conhecia por Manacá da Serra, mas não sabia que vinham da serra do mar.

Se eu conhecesse esse fórum a mais tempo, todos os dias eu postaria aqui por que na época que eu trabalhava próximo ao Aeroporto eu tirava fotos no horário do serviço das flores nas ruas.

Quando dava Dezembro eu achava lindo aquelas árvores Resedá na rua.

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

12 hours ago, Elieder said:

Alguém que conhece essa plantinha chamada "Baby Blue Eyes" poderia me dizer se ela poderia se adaptar ao clima do sul/sudeste brasileiro?

 

SFFIV111-1_medium.jpg

Nome científico: Nemophila Menziesii 

Até onde pesquisei ela é nativa da Califórnia.

 

 

No creo que haya problema por ser una planta de clima mediterraneo, deben de haber muchas especies mediterraneas en el sur/sureste del Brasil; al ser de ese tipo de clima es muy resistente a la sequia y al calor; ademas de soportar sin problemas las heladas.

 

Quizas que tengas que tener cuidado con no regarla demasiado.

 

 

 

Edited by Pablo MQL
  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

On 8/10/2020 at 10:23 AM, Victor92 said:

Larix Decidua 

822417058_images(20).jpeg.44f342d037dd7856ea7807d6cc6fb961.jpeg

 

Alguém cconhece o Larix Decidua?

Alguém já viu algum Larix Decidua no Brasil?

Alguém sabe se o Larix Decidua se adapta aos climas do Sul e Sudeste do Brasil?

 

Fotos do Larix Decidua:704898139_images(23).jpeg.5cd2ff28ca39b940ac8658725d5d926d.jpeg2003687935_images(21).jpeg.b164999e3f6cf5554292a23e7a9fa198.jpeg1778143211_images(24).jpeg.36bc0f1a94961e1643173730e44fc425.jpeg1814120285_images(27).jpeg.ef73f1b53710ae82db516c05ec0be005.jpeg2061862411_images(26).jpeg.f49365c72d06621892ef1b5ba85a4d5d.jpeg

images (28).jpeg

 

Las coniferas son muy resistentes,yo creo que se pueden cultivar en cualquier parte, el abeto en particular sufre mucho con los veranos calurosos, asi que cuando no llueve en verano  deberias de pulverizarle con agua.

El Alerce (Larix decidua) me parece mas delicado, necesita sol pero no tolera el calor excesivo; ademas es caduco y los arboles caducos necesitan una epoca de dormencia, si no sufren stress.

Lo que probeblemante ocurra es que si bien lo arboles se desarrollen, si  el clima es muy diferente de donde provienen ,no lo hagan como deberian y no se vean como en esas fotos; tal vez se vean mas pequeños, quizas enfermizos; se le puede quemar el follaje y si hablamos de arboles caducos, en climas sin invierno y variacion solar bien definida, pueden no perder las hojas.

 

Yo te recomendaria de en vez de buscar forzar la naturaleza que busques coniferas de clima tropical o subtropical, hay cientos, algunas de clima muy calido como el pinus caribea o juniperus lucayana o barbadensis (parientes de los enebros europeos y norteamericanos con follaje tipo cipres), todas especies del clima  calido provenientes del Caribe:

 

image.png.549ae579b0d5f5b30e68c9dc5b12089b.pngimage.png.0a014b88ac9738fe2c097b3d44097aa1.png

 

image.png.da47e2ae655fd55f1be57fa85e6f9975.pngimage.png.77b42d7e1f1cc0d3e1332c8bfaad4e6b.png

image.png.de899bd0761de34dcff49e5ca2c8615e.pngimage.png.1331c74769d4e45954686a103efbab7d.png

 

Si se trata de coniferas subtropicales, la variedad es infinita, pero como referencia cualquier pino que se de en la peninsula de la  Florida probabklemente se de sin problemas en el estado de Rio de Janeiro; como el pinus eliotti:

 

image.png.24e8830084fe023cf60f25a3be8f94fe.png

 

Si buscas apariencia conica de pino navideño araucaria columnaris y excelsa son arboles que prefieren climas templado calidos a calidos; se deben de dar muy bien en el estado de Rio:

image.png.1c4744d91ec8054a4b2e94f158bbf9e9.png

 

image.thumb.png.eb8abe71ca9567d24d9213804abd350d.png

 

 

 

Edited by Pablo MQL
  • Like 1
  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

Coniferas caducas hay pocas y menos de clima calido; sin embargo el cipres calvo proveniente del sur de Estados Unidos y la Florida es un arbol que gusta de climas templado calidos a tropicales.

Las desventajas son que es un arbol que necesita mucha humedad. desarrolla grandes raices y que incluso puede vivir con los pies en el agua.

En Montevideo se usa como arbol de alineacion en las calles asi que lo de las raices no debe de ser tan grave.

El tema es que donde  no hay grandes variaciones de temperatura y de radiacion solar se comporta como arbol perenne, es decir no se colorea ni pierde las hojas.

 

image.png.2f6be51327711b9176c3101c026cfdbe.pngimage.png.c2727db67cf862228b25b087b362c7c1.png

image.png.cfbd8c6cb4e0001ce4a5922169481f08.pngimage.png.9176841095cfece2f98bbd95d06d3ff5.png

Edited by Pablo MQL
  • Like 1
  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

7 horas atrás, Pablo MQL disse:

No se si se conseguiran en Brasil todas estas especie; pero por E-Bay se consiguen semillas de lo que quieras.

Olá, Pablo! Obrigado pela atenção! 😀

Moro no município de Resende -RJ no estado do Rio de Janeiro!

O clima aqui de Resende é Tropical de Altitude.

As temperaturas mínima média e máxima média do mês mais quente são de 19,5°C  de 30°C respectivamente. As temperaturas mínima média e máxima média do mês mais frio são de 11°C e de 24,5°C respectivamente.

Essas médias são dentro da área urbana a uma altitude de 400 m , na área rural com certeza as médias são menores.

Algumas médias de Resende em 2020 para você ter noção do clima. Junho de 2020 em Resende foi um dos mais quentes da história, a média mínima de 14°C em Junho e a média máxima de 26,7°C não são comuns, a média mínima comum de Junho é de 11C° a 12°C e a média máxima comum é de 23°C a 25°C.

 

903583321_Resendejan-jun2020.png.5d90f77dcc666a3ede0b98d056da89bc.png.9110857d6d6b6135237cb7024fbbb498.png

 

Uma árvore caducifólia que se adaptou bem aqui é o Liquidambar.

Liquidambar em Resende em Maio de 2020:

97999220_844109756111216_8046270879983730688_o.thumb.jpg.bdfe92b9885da0d65f73071947b983e7.jpg98312707_844098926112299_7382774702780973056_o.thumb.jpg.253f1847b5e75e7eb6c3e19995442a68.jpg

 

O Cipreste Calvo também consigo achar no Brasil! 

Acha que Resende é muito quente para o Larix Decidua e para o Abeto? Acha que é possível cultivar Acers (Maple) em Resende?

Edited by Victor92
  • Like 3
  • Haha 1
Link to comment
Share on other sites

3 hours ago, Victor92 said:

Olá, Pablo! Obrigado pela atenção! 😀

Moro no município de Resende -RJ no estado do Rio de Janeiro!

O clima aqui de Resende é Tropical de Altitude.

As temperaturas mínima média e máxima média do mês mais quente são de 19,5°C  de 30°C respectivamente. As temperaturas mínima média e máxima média do mês mais frio são de 11°C e de 24,5°C respectivamente.

Essas médias são dentro da área urbana a uma altitude de 400 m , na área rural com certeza as médias são menores.

Algumas médias de Resende em 2020 para você ter noção do clima. Junho de 2020 em Resende foi um dos mais quentes da história, a média mínima de 14°C em Junho e a média máxima de 26,7°C não são comuns, a média mínima comum de Junho é de 11C° a 12°C e a média máxima comum é de 23°C a 25°C.

 

903583321_Resendejan-jun2020.png.5d90f77dcc666a3ede0b98d056da89bc.png.9110857d6d6b6135237cb7024fbbb498.png

 

Uma árvore caducifólia que se adaptou bem aqui é o Liquidambar.

Liquidambar em Resende em Maio de 2020:

97999220_844109756111216_8046270879983730688_o.thumb.jpg.bdfe92b9885da0d65f73071947b983e7.jpg98312707_844098926112299_7382774702780973056_o.thumb.jpg.253f1847b5e75e7eb6c3e19995442a68.jpg

 

O Cipreste Calvo também consigo achar no Brasil! 

Acha que Resende é muito quente para o Larix Decidua e para o Abeto? Acha que é possível cultivar Acers (Maple) em Resende?

 

Yo creo que abeto se podria desarrollar, con cuidado y atencion mientras crece, Larix Decidua me parece mas complicado por que es un arbol restringido de forma natural a zonas muy frias; que necesita estar en un lugar soleado... pero a su vez sufre mucho con el calor.

Aqui en Montevideo hay abetos, pero nunca vi un alerce (larix decidua).

 

Acer no creo que existe problema, para asegurarse que se desarrolle bien habria que recurrir a alguna especie que se de naturalmente en el sur de Estados Unidos; de clima subtropical, como ocurre con el Liquidambar,  hay arces que llegan hasta la peninsula de la Florida; asi que en Rezende se sentirian a gusto.

 

Como por ejemplo esta:

https://es.wikipedia.org/wiki/Acer_saccharum_subsp._floridanum

 

Yo poseo un arce japones (arcer palmatum); es un arbol que crece en las montañas de Japon en clima mas frio que en mi ciudad; pero a la misma latitud.

Es un arbol que plantado en lugares de verano calido se le queman las hojas, pero a su vez le gusta el sol para crecer, por suerte los veranos en mi ciudad son bastante frescos y yo lo puedo tener en un lugar soleado sin problemas.

 

 

 

Edited by Pablo MQL
  • Like 1
  • Thanks 2
Link to comment
Share on other sites

1 hour ago, Pablo MQL said:

 

Yo creo que abeto se podria desarrollar, con cuidado y atencion mientras crece, Larix Decidua me parece mas complicado por que es un arbol restringido de forma natural a zonas muy frias; que necesita estar en un lugar soleado... pero a su vez sufre mucho con el calor.

Aqui en Montevideo hay abetos, pero nunca vi un alerce (larix decidua).

 

Acer no creo que existe problema, para asegurarse que se desarrolle bien habria que recurrir a alguna especie que se de naturalmente en el sur de Estados Unidos; de clima subtropical, como el Liquidambar,  hay especies que llegan hasta la peninsula de la Florida; asi que en Rezende se sentirian a gusto.

 

Como por ejemplo esta:

https://es.wikipedia.org/wiki/Acer_saccharum_subsp._floridanum

 

Yo poseo un arce japones (arcer palmatum); es un arbol que crece en las montañas de Japon en clima mas frio que en mi ciudad; pero a la misma latitud.

Es un arbol que plantado en lugares de verano calido se le queman las hojas, pero a su vez le gusta el sol para crecer, por suerte los veranos en mi ciudad son frescos y yo lo puedo tener en un lugar soleado sin problemas.

 

 

 

 

Pra acrescentar ao post do Pablo:

 

https://travel.thefuntimesguide.com/fall-foliage-florida/

 

Screenshot_20200811-193948.png

 

Muito interessante o assunto. Tenho vontade de um dia ter um sitio pra "brincar" com essas árvores. Queria ver o quão ao norte elas pegariam.

 

https://www.ufseeds.com/learning/planting-schedules/Zone-9-Planting-Calendar

 

 

why_leaves_change_color_508_20170808.pdf

Edited by Samihr Hermes
  • Like 1
  • Thanks 2
Link to comment
Share on other sites

Em 10/08/2020 em 23:06, Pablo MQL disse:

 

No creo que haya problema por ser una planta de clima mediterraneo, deben de haber muchas especies mediterraneas en el sur/sureste del Brasil; al ser de ese tipo de clima es muy resistente a la sequia y al calor; ademas de soportar sin problemas las heladas.

 

Quizas que tengas que tener cuidado con no regarla demasiado.

 

 

A algum tempo atrás estava a procura de sementes desta espécie, porém não encontrei facilmente. E fiquei com esta dúvida se seria uma boa ideia tentar plantá-las em solo brasileiro.

Gracias Pablo!

 

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

Este é a minha primeira publicação neste fórum, já conhecido por mim há bastante tempo. Sou do Rio Grande do Sul e sempre tive certo interesse tanto pela meteorologia quanto pelos estudos da vegetação.

 

Eu particularmente gosto bastante de árvores decíduas, caducifólias, ou simplesmente “caducas”. Gosto de como nas regiões temperadas elas marcam as estações do ano, dando, em cada uma delas, uma aparência diferente às árvores e ao ambiente como um todo.

 

Aqui no meu estado, o Rio Grande do Sul, mas também no Sul como um todo, elas estão bem presentes. Há as mais comuns, como as extremosas, os plátanos, as cerejeiras e os cinamomos (estes bastante invasores), e as mais peculiares, como os áceres, os liquidâmbares e os álamos. No caso destes últimos, é mais comum vê-los nas regiões serranas, muito embora também sejam vistos em praticamente todas as cidades em maior ou menor grau. Temos também as árvores nativas que perdem as folhas para florir, como as paineiras, os ipês e os jacarandás, mas estas não nos geram o espetáculo de cores outonal, já que não são espécies propriamente de clima temperado. 

 

Além disso, há algo interessante a respeito dessa sazonalidade da vegetação. À medida que avançamos na direção sul a partir da região Sul do Brasil, percebemos que a própria vegetação nativa vai adquirindo um caráter de clima temperado. Nos pampas do Rio Grande do Sul, se analisamos as imagens das estradas no Google Maps em diferentes estações do ano, percebemos que há sim uma diferença nos próprios arbustos nativos. Muitos arbustos ficam avermelhados e perdem as folhas com a chegada do frio, ao passo que no verão estão num verde vivíssimo. A primeira foto que deixo é de uma estrada no interior do Rio Grande do Sul em março; a segunda, da mesma estrada em maio.

 

dezembro.thumb.png.d58030d4ca6ffa4856fcc975784d91b2.png

junho.thumb.png.c08a2aa610897dd2c9e28f4281b41fdf.png

 

A propósito, já li uma discussão a respeito daquela disputa entre altitude e latitude. Deixando de lado o frio, digo uma coisa: a latitude faz toda a diferença do ponto de vista da sazonalidade. A altitude pode até proporcionar frio, mas a latitude é que proporciona a visão bonita que temos no outono. Em outras palavras, apesar de o trópico de capricórnio passar por São Paulo, é só no Rio Grande do Sul que a aparência da natureza começa a ficar semelhante à dos climas temperados. Isso pode ser provado analisando a faixa litorânea de cada estado: até Santa Catarina (na verdade até o extremo norte do Rio Grande do Sul), o litoral tem uma características bastante tropical. Vemos uma mata de tipo tropical, com um verde escuro bem característico. A partir do Rio Grande do Sul, isso acaba, e a praia já está bem fora do padrão dos trópicos. O Rio Grande do Sul é o único estado brasileiro onde em todo o território, mesmo a nível do mar, a natureza não é tropical. Pensem: Curitiba tem uma aparência e um clima de lugar temperado, mas isso é por altitude. Paranaguá, do lado, na mesma latitude, já é totalmente tropicalizada.

 

Por fim, uma coisa que eu queria dizer aqui, também acerca das árvores caducifólias, é que elas sofrem certo preconceito por parte das prefeituras aqui no Brasil. O preconceito é baseado na ideia de que só as árvores nativas devem ser plantadas, e quaisquer árvores exóticas devem ser limitadas ao máximo. O resultado disso é que há uma espécie de reforço da tropicalidade das cidades, mesmo em relação às sulistas, onde seria possível fazer um misto entre espécies. Os únicos lugares que exploram de fato essa sazonalidade no paisagismo de forma forte são certas cidades serranas da serra gaúcha. Por sorte, temos a iniciativa das pessoas comuns que tomam iniciativa e por si próprias contribuem para o embelezamento das nossas cidades, plantando extremosas, plátanos e até mesmo áceres, álamos e outras. Tenho a impressão de que antigamente essa rejeição às caducas não existia, porque, se pegarmos fotos das cidades sulistas nos anos 40, veremos que era muito forte a arborização com plátanos e álamos, e é assim até hoje no Uruguai e na Argentina. A famosa avenida Farrapos, em Porto Alegre, antigamente era ornada por álamos; hoje, são vários jerivás (há até gente que implica com elas na cidade, devido ao fato de serem sem graça). Por uma questão estética e paisagística, acho que deveríamos tentar ao máximo plantar árvores desse tipo nas cidades sulistas. São lindas. Vai que isso gere até um turismo? Na costa leste dos Estados Unidos existe um turismo do tipo. Pergunto ao uruguaio @Pablo MQL: como é que essa questão é vista aí no Uruguai? As cidades uruguaias são recheadas de árvores caducifólias, e não parece haver nenhum tipo de rechaço a elas. É só cruzar a fronteira, no entanto, que o cenário já não é o mesmo.


É isso. Escrevi bastante, mas é que acho que neste fórum há muita gente legal para opinar.

Edited by floricambara
  • Like 3
  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

On 8/16/2020 at 5:42 AM, floricambara said:

Este é a minha primeira publicação neste fórum, já conhecido por mim há bastante tempo. Sou do Rio Grande do Sul e sempre tive certo interesse tanto pela meteorologia quanto pelos estudos da vegetação.

 

Eu particularmente gosto bastante de árvores decíduas, caducifólias, ou simplesmente “caducas”. Gosto de como nas regiões temperadas elas marcam as estações do ano, dando, em cada uma delas, uma aparência diferente às árvores e ao ambiente como um todo.

 

Aqui no meu estado, o Rio Grande do Sul, mas também no Sul como um todo, elas estão bem presentes. Há as mais comuns, como as extremosas, os plátanos, as cerejeiras e os cinamomos (estes bastante invasores), e as mais peculiares, como os áceres, os liquidâmbares e os álamos. No caso destes últimos, é mais comum vê-los nas regiões serranas, muito embora também sejam vistos em praticamente todas as cidades em maior ou menor grau. Temos também as árvores nativas que perdem as folhas para florir, como as paineiras, os ipês e os jacarandás, mas estas não nos geram o espetáculo de cores outonal, já que não são espécies propriamente de clima temperado. 

 

Além disso, há algo interessante a respeito dessa sazonalidade da vegetação. À medida que avançamos na direção sul a partir da região Sul do Brasil, percebemos que a própria vegetação nativa vai adquirindo um caráter de clima temperado. Nos pampas do Rio Grande do Sul, se analisamos as imagens das estradas no Google Maps em diferentes estações do ano, percebemos que há sim uma diferença nos próprios arbustos nativos. Muitos arbustos ficam avermelhados e perdem as folhas com a chegada do frio, ao passo que no verão estão num verde vivíssimo. A primeira foto que deixo é de uma estrada no interior do Rio Grande do Sul em março; a segunda, da mesma estrada em maio.

 

dezembro.thumb.png.d58030d4ca6ffa4856fcc975784d91b2.png

junho.thumb.png.c08a2aa610897dd2c9e28f4281b41fdf.png

 

A propósito, já li uma discussão a respeito daquela disputa entre altitude e latitude. Deixando de lado o frio, digo uma coisa: a latitude faz toda a diferença do ponto de vista da sazonalidade. A altitude pode até proporcionar frio, mas a latitude é que proporciona a visão bonita que temos no outono. Em outras palavras, apesar de o trópico de capricórnio passar por São Paulo, é só no Rio Grande do Sul que a aparência da natureza começa a ficar semelhante à dos climas temperados. Isso pode ser provado analisando a faixa litorânea de cada estado: até Santa Catarina (na verdade até o extremo norte do Rio Grande do Sul), o litoral tem uma características bastante tropical. Vemos uma mata de tipo tropical, com um verde escuro bem característico. A partir do Rio Grande do Sul, isso acaba, e a praia já está bem fora do padrão dos trópicos. O Rio Grande do Sul é o único estado brasileiro onde em todo o território, mesmo a nível do mar, a natureza não é tropical. Pensem: Curitiba tem uma aparência e um clima de lugar temperado, mas isso é por altitude. Paranaguá, do lado, na mesma latitude, já é totalmente tropicalizada.

 

Por fim, uma coisa que eu queria dizer aqui, também acerca das árvores caducifólias, é que elas sofrem certo preconceito por parte das prefeituras aqui no Brasil. O preconceito é baseado na ideia de que só as árvores nativas devem ser plantadas, e quaisquer árvores exóticas devem ser limitadas ao máximo. O resultado disso é que há uma espécie de reforço da tropicalidade das cidades, mesmo em relação às sulistas, onde seria possível fazer um misto entre espécies. Os únicos lugares que exploram de fato essa sazonalidade no paisagismo de forma forte são certas cidades serranas da serra gaúcha. Por sorte, temos a iniciativa das pessoas comuns que tomam iniciativa e por si próprias contribuem para o embelezamento das nossas cidades, plantando extremosas, plátanos e até mesmo áceres, álamos e outras. Tenho a impressão de que antigamente essa rejeição às caducas não existia, porque, se pegarmos fotos das cidades sulistas nos anos 40, veremos que era muito forte a arborização com plátanos e álamos, e é assim até hoje no Uruguai e na Argentina. A famosa avenida Farrapos, em Porto Alegre, antigamente era ornada por álamos; hoje, são vários jerivás (há até gente que implica com elas na cidade, devido ao fato de serem sem graça). Por uma questão estética e paisagística, acho que deveríamos tentar ao máximo plantar árvores desse tipo nas cidades sulistas. São lindas. Vai que isso gere até um turismo? Na costa leste dos Estados Unidos existe um turismo do tipo. Pergunto ao uruguaio @Pablo MQL: como é que essa questão é vista aí no Uruguai? As cidades uruguaias são recheadas de árvores caducifólias, e não parece haver nenhum tipo de rechaço a elas. É só cruzar a fronteira, no entanto, que o cenário já não é o mesmo.


É isso. Escrevi bastante, mas é que acho que neste fórum há muita gente legal para opinar.

 

Hola que tal; aqui en Uruguay no es tan claro como parece , hay movimientos en pos de plantar nativas desde hace años; pero lo hacen de forma bastante equivocada por que por ejemplo en el sur del pais se plantan arboles den norte del pais y siempre se plantan los mismos (anacahuita, palmera pindo, butia, ibirapita ,timbo y casi que ninguno mas ...) ; el tema es que ninguno de esos arboles forman parte de la flora del sur del pais y entonces se estan suplantando exoticos por exoticos...

 

Por ejemplo el ibirapita se planta por todas partes,, un arbol,que crece torcido y adquiere dimensiones gigantezcas; es un arbol que en su  momento se lo llamo "Arbol de Artigas" , por que nuestro heroe nacional tomaba mate bajo un ejemplar durante su exilio en Paraguay...

Es decir se le dio tintes "patrioticos" a un arbol que en Uruguay solo crece y de forma muy escasa en una pequeña zona del extremo norte en las margenes del rio Cuareim,  siendo tan exotico como un abeto canadiense en el 99 por ciento restante del pais.

Arboles verdaderamente  autoctonos del sur del pais casi que no se plantan y hay caducos (que muchas veces toman coloraciones otoñales como ocurre con el ceibo o el sauce criollo); el ceibo quizas sea el unico arbol del sur del pais que se planta con cierta regularidad en arborizacion urbana y hay otros perennes como el canelon.

 

Tambien se ven los "falsos autoctonos" que se plantan por todo el pais como si lo fueran y ocurre que no crecen de forma natural en ninguna parte del territorio, he visto jacarandaes, palo borrachos y tipas en supuestos "parques de autoctonos", y no lo son.

 

Mi posicion es intermedia, si hablamos de parques y plazas yo estoy a favor de plantar nativos, pero los nativos verdaderos de mi ciudad , del sur del pais; espinillos, talas; sauces, canelones, esas especies deberian de ser prioritarias; por que son las que alimentan a la fauna local,

Tambien considero plantar exoticos ya que hay especies muy interesantes y que forman parte de la personalidad de nuestras ciudades.

Sean exoticos de otras regiones del pais o del resto del mundo.

Una plaza o parque que explore la posibilidad de disfrutar la exposion de colores otoñales que nos pueden dar las especies de latitudes similares del hemisferio norte seria muy interesante.

Eso mientras no sean especies invasivas en los montes autoctonos, hay que tener cuidado con eso.

 

Aqui en Montevideo en plazas y parques lo que se planta es bastante diverso, los parques mas grandes por lo general predominan los arboles perennes; y eso debido al paisajismo con el que se los diseño, que priorizaba ese tipo de vegetacion.

Se encuentra de todo , aunque las especies propias de la region sur del pais son bastante escasas.

Un elemento que atenta contra el uso de especies del monte local es que muchas de ellas son espinosas, como el espinillo o tala y por eso "no gustan".

Hay pajaros autoctonos que solo anidan en ese tipo de arboles con espinas....

 

El bosque autoctono de la costa montevideana se llama "bosque pasmofilo" y esas especies deberian de ser prioritariamente plantadas en la costa, para darle refugio a la fauna local; sin embargo en la costa existe el "cliche" de plantar solo palmeras (pareciera que es el unico tipo de arbol que puede haber al lado de una playa... ) siendo que en la costa montevideana nunca crecieron palmeras de ningun tipo de forma autoctona (si en el este del pais donde crece la palmera butia).

 

Ya si hablamos de los arboles de alineacion un hecho que favorece la utilizacion de arboles caducos es que por simples razones climaticas no es conveniente plantar arboles perennifolios ya que en invierno transfroman las calles en una cueva fria, por eso los arboles caducos se priorizan y son mayoria.

 

Practicamente no hay arboles autoctonos que cumplan las condiciones necesarias para arbolado de alineacion (caduco, que crezca recto, sin raices muy invasivas), de todas formas existe un movimiento bastante extremista que lleva adelante plantaciones de nativos y ese mismo preconcepto que poseen en Brasil existe aqui, hay gente que esta en contra de que se plante cualquier arbol exotico y hoy en dia los arboles supuestamente autoctonos ganana cada vez mas lugar, pero infelizmente lo que se planta es todo del norte del pais y muchas veces son especies que no estan adaptadas para el arbolado de alineacion.

 

Aqui en mi barrio ensancharon una avenida con platanos de mas de 100 años que era un vergel en verano y un espectaculo en otoño, se suplanto por palmera pindo que ni crece aqui, por lo menos hubiesen plantado espinillos que hasta flores tienen y esos si son locales.

 

Mas alla de hechos puntuales existe cierto rechazo hacia el uso de platanos en el arbolado de alineacion por las molestias devenidas de la pelusa que sueltan en primavera, pero hasta donde se se siguen plantando donde ya existen alineaciones, supuestamente es una variedad que no suelta tanta "pelusa".

 

Un caso muy interesante de arborizacion con arboles autoctonos fue el parquizado del Nuevo Centro Shopping y sus alrededores, sinceramente no lo veo de apariencia tropical, de todas formas es un simple arboretum donde predominan especies de otras partes del pais y las especies verdaderamente autoctonas del sur del pais son minoria. Hasta donde se tambien en Buenos Aires existe la tendencia de priorizar lo autoctono, hace un tiempo un parque se planto totalmente con talas que es el arbol oficial de la ciudad y la especie mas abundante de forma natural antes que se construyera la ciudad.

 

Edited by Pablo MQL
  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

Em 11/08/2020 em 10:57, Pablo MQL disse:

Coniferas caducas hay pocas y menos de clima calido; sin embargo el cipres calvo proveniente del sur de Estados Unidos y la Florida es un arbol que gusta de climas templado calidos a tropicales.

Las desventajas son que es un arbol que necesita mucha humedad. desarrolla grandes raices y que incluso puede vivir con los pies en el agua.

En Montevideo se usa como arbol de alineacion en las calles asi que lo de las raices no debe de ser tan grave.

El tema es que donde  no hay grandes variaciones de temperatura y de radiacion solar se comporta como arbol perenne, es decir no se colorea ni pierde las hojas.

 

image.png.2f6be51327711b9176c3101c026cfdbe.pngimage.png.c2727db67cf862228b25b087b362c7c1.png

image.png.cfbd8c6cb4e0001ce4a5922169481f08.pngimage.png.9176841095cfece2f98bbd95d06d3ff5.png

AQUI TENHO +-40/50 TIPOS DE ÁRVORES CADUCAS, INCLUSIVE O PINHEIRO DO BREJO E A METASSEQUOIA.

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

23 minutes ago, coutinho said:

AQUI TENHO +-40/50 TIPOS DE ÁRVORES CADUCAS, INCLUSIVE O PINHEIRO DO BREJO E A METASSEQUOIA.

 

Todos esos los tiene en su terreno?

Tiene un arboretum.

Comparta fotografias.

 

Yo en mi terreno tengo arboles y arbustos caducos:

Arce japones, Liquidambar, Duraznero (crecio espontaneo), Ciruelo, Lapachillo, Ligustrina

 

Perennes:

Ligustrum lucidum, Enebro, Celtis tala, Cervispino,

 

Trepadoras;

Hedera Helix, Parra virgen.

 

Plantas:

Dama de la noche (desaparece en invierno, renace en verano), Aloe

Edited by Pablo MQL
  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

4 horas atrás, Pablo MQL disse:

 

Hola que tal; aqui en Uruguay no es tan claro como parece , hay movimientos en pos de plantar nativas desde hace años; pero lo hacen de forma bastante equivocada por que por ejemplo en el sur del pais se plantan arboles den norte del pais y siempre se plantan los mismos (anacahuita, palmera pindo, butia, ibirapita ,timbo y casi que ninguno mas ...) ; el tema es que ninguno de esos arboles forman parte de la flora del sur del pais y entonces se estan suplantando exoticos por exoticos...

 

Por ejemplo el ibirapita se planta por todas partes,, un arbol,que crece torcido y adquiere dimensiones gigantezcas; es un arbol que en su  momento se lo llamo "Arbol de Artigas" , por que nuestro heroe nacional tomaba mate bajo un ejemplar durante su exilio en Paraguay...

 Es decir se le dio tintes "patrioticos" a un arbol que en Uruguay solo crece y de forma muy escasa en una pequeña zona del extremo norte en las margenes del rio Cuareim,  siendo tan exotico como un abeto canadiense en el 99 por ciento restante del pais.

 Arboles verdaderamente  autoctonos del sur del pais casi que no se plantan y hay caducos (que muchas veces toman coloraciones otoñales como ocurre con el ceibo o el sauce criollo); el ceibo quizas sea el unico arbol del sur del pais que se planta con cierta regularidad en arborizacion urbana y hay otros perennes como el canelon.

  

 Tambien se ven los "falsos autoctonos" que se plantan por todo el pais como si lo fueran y ocurre que no crecen de forma natural en ninguna parte del territorio, he visto jacarandaes, palo borrachos y tipas en supuestos "parques de autoctonos", y no lo son.

  

Mi posicion es intermedia, si hablamos de parques y plazas yo estoy a favor de plantar nativos, pero los nativos verdaderos de mi ciudad , del sur del pais; espinillos, talas; sauces, canelones, esas especies deberian de ser prioritarias; por que son las que alimentan a la fauna local,

 Tambien considero plantar exoticos ya que hay especies muy interesantes y que forman parte de la personalidad de nuestras ciudades.

 Sean exoticos de otras regiones del pais o del resto del mundo.

Una plaza o parque que explore la posibilidad de disfrutar la exposion de colores otoñales que nos pueden dar las especies de latitudes similares del hemisferio norte seria muy interesante.

 Eso mientras no sean especies invasivas en los montes autoctonos, hay que tener cuidado con eso.

 

Aqui en Montevideo en plazas y parques lo que se planta es bastante diverso, los parques mas grandes por lo general predominan los arboles perennes; y eso debido al paisajismo con el que se los diseño, que priorizaba ese tipo de vegetacion.

Se encuentra de todo , aunque las especies propias de la region sur del pais son bastante escasas.

Un elemento que atenta contra el uso de especies del monte local es que muchas de ellas son espinosas, como el espinillo o tala y por eso "no gustan".

Hay pajaros autoctonos que solo anidan en ese tipo de arboles con espinas....

 

El bosque autoctono de la costa montevideana se llama "bosque pasmofilo" y esas especies deberian de ser prioritariamente plantadas en la costa, para darle refugio a la fauna local; sin embargo en la costa existe el "cliche" de plantar solo palmeras (pareciera que es el unico tipo de arbol que puede haber al lado de una playa... ) siendo que en la costa montevideana nunca crecieron palmeras de ningun tipo de forma autoctona (si en el este del pais donde crece la palmera butia).

  

Ya si hablamos de los arboles de alineacion un hecho que favorece la utilizacion de arboles caducos es que por simples razones climaticas no es conveniente plantar arboles perennifolios ya que en invierno transfroman las calles en una cueva fria, por eso los arboles caducos se priorizan y son mayoria.

 

Practicamente no hay arboles autoctonos que cumplan las condiciones necesarias para arbolado de alineacion (caduco, que crezca recto, sin raices muy invasivas), de todas formas existe un movimiento bastante extremista que lleva adelante plantaciones de nativos y ese mismo preconcepto que poseen en Brasil existe aqui, hay gente que esta en contra de que se plante cualquier arbol exotico y hoy en dia los arboles supuestamente autoctonos ganana cada vez mas lugar, pero infelizmente lo que se planta es todo del norte del pais y muchas veces son especies que no estan adaptadas para el arbolado de alineacion.

 

Aqui en mi barrio ensancharon una avenida con platanos de mas de 100 años que era un vergel en verano y un espectaculo en otoño, se suplanto por palmera pindo que ni crece aqui, por lo menos hubiesen plantado espinillos que hasta flores tienen y esos si son locales.

 

Mas alla de hechos puntuales existe cierto rechazo hacia el uso de platanos en el arbolado de alineacion por las molestias devenidas de la pelusa que sueltan en primavera, pero hasta donde se se siguen plantando donde ya existen alineaciones, supuestamente es una variedad que no suelta tanta "pelusa".

  

Un caso muy interesante de arborizacion con arboles autoctonos fue el parquizado del Nuevo Centro Shopping y sus alrededores, sinceramente no lo veo de apariencia tropical, de todas formas es un simple arboretum donde predominan especies de otras partes del pais y las especies verdaderamente autoctonas del sur del pais son minoria. Hasta donde se tambien en Buenos Aires existe la tendencia de priorizar lo autoctono, hace un tiempo un parque se planto totalmente con talas que es el arbol oficial de la ciudad y la especie mas abundante de forma natural antes que se construyera la ciudad.

  

 

Muy interesantes las informaciones que nos diste. Es triste pensar que aquí en el sur de Brasil, en donde en otros tiempos los arboles caducos eran mucho más comunes, ahora hay um preconcepto con ellos. Si consideramos lo que se hace por parte del gobierno, ya no tendremos más plátanos ni nada parecido. Lo bueno es que hay las plantas antiguas y la gente a quien le gusta ver arboles caducos, y las plantan en parques, en sus casas, etc. Planeo plantar en esta primavera y en el verano plátanos, espumillas (así le llaman a la Lagerstroemia indica ahí?) y álamos en parques y espacios de mi ciudad. Ah, y en las ciudades turísticas de frío también todavía son bastante plantadas.

Edited by floricambara
  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

13 horas atrás, Pablo MQL disse:

 

Todos esos los tiene en su terreno?

Tiene un arboretum.

Comparta fotografias.

 

Yo en mi terreno tengo arboles y arbustos caducos:

Arce japones, Liquidambar, Duraznero (crecio espontaneo), Ciruelo, Lapachillo, Ligustrina

 

Perennes:

Ligustrum lucidum, Enebro, Celtis tala, Cervispino,

 

Trepadoras;

Hedera Helix, Parra virgen.

 

Plantas:

Dama de la noche (desaparece en invierno, renace en verano), Aloe

veja no começo do tópico, página 1 ou 2, tem fotos lá.

 

 

https://vejaomar.com/veja-a-serra

 

neste endereço mostra o terreno, agora sem folhas

 

Link to comment
Share on other sites

Hermoso jardin , la variacion de colores podria indicar un bosque norteamericano o asiatico (los colores rojizos junto a aùmarillos y narajas son correspondientes a ese tipo se bosques, en los bosques europeos el color casi exclusivo es el amarillo) , aqui un interesante articulo:

 

https://www.ngenespanol.com/naturaleza/porque-otono-hojas-son-amarillas-europa-y-rojas-america/

 

Otoño norteamericano y asiatico:

 

image.png.7f58d428396323bcf72a0c1cd508d4cd.png

 

Otoño europeo:

 

image.png.547d502e718aa2685ea79d47e52da7cc.png

 

De todas formas la zona de Sao Joaquim posee su propia floresta autoctona muy bonita, si tiene espacio seria importante plantar tambien especies locales (yo plante un Celtis Tala, dos uña de gato (se murio una) y una Dodonea Viscosa (que no sobrevivio), actualmente solo planto especies locales en mi jardin pero solo plantas y arbustos por que no tengo mas lugar para arboles.

 

Es necesario plantar local por que ayuda a la fauna local (no soy extremista, pueden convivir autoctonas y exoticas, siempre teniendo cuidado de no plantar exoticas invasivas).

Hay varias especies locales que toman coloracion en otoño si se buscan.

 

Un arbol que crece aqui en Uruguay y que es autoctono del planalto catarinense tambien, es la Goiabeira serrana, Acca Selowiana un arbol hermoso que se planta en Europa y en todo el mundo en regiones templadas.

Yo ya no,tengo espacio para plantarlo; pero estoy considerando cortar el ligustro (que es invasivo) y poner uno en su lugar.

 

Es perenne pero posee flores muy hermosas y da frutos sabrosos.

 

Este ejemplar esta plantado en una calle de Londres, Inglaterra; una ciudad donde se usa como arbol ,de alineacion:

 

image.png.c62bcbbc6fb865f78c10c4bf9dd7677b.pngimage.png.b6b0fa05f363f89b37557e747f310759.png

 

 

 

Edited by Pablo MQL
  • Like 2
  • Thanks 2
Link to comment
Share on other sites

Esses dias passeando com meu cachorro vi que alguns frutos de um pé de Baru da vizinhança começaram a cair e peguei uns pra comer, e resolvi trazer aqui pois acredito que nem todos ou poucos conheçam:

AnyConv.com__BrZBgVkR.thumb.jpg.fa96f435cc21fd9e78dcd8bf430b9505.jpgAnyConv.com__CpEDiyME.thumb.jpg.c06edeb62419be8eff36698dabaeec47.jpgAnyConv.com__rnZs0TSx.thumb.jpg.883bc69d4f97c8d805e2f82cff1b6274.jpgbaru-e-a-semente-670x447.jpg.63def06e7c194ba2960bdf1b63713087.jpg

 

O Baru é um árvore tipica do Cerrado e é MUITO gostoso. Os animais costumam comer a parte de fora do fruto, que tem uma castanha dura onde fica a semente que é a parte que a gente consome, dá um trabalho quebrar a castanha mas vale a pena demais, alem de ser muito bom é também bem nutritivo.

 

Os que peguei aqui perto estavam um pouco verdes mas fui ensinado que caiu no chão já da pra comer a semente, que alias é bom dar uma torrada antes de comer 

 

Enfim, sinto que o Baru é pouco conhecido comparado com outras castanhas/sementes brasileiras, como a Castanha do Pará, do Caju ou o Pinhão, até mesmo aqui tem amigo meu (goiano) que nem conhece... 

 

  • Like 8
Link to comment
Share on other sites

11 hours ago, floricambara said:

 

Muy interesantes las informaciones que nos diste. Es triste pensar que aquí en el sur de Brasil, en donde en otros tiempos los arboles caducos eran mucho más comunes, ahora hay um preconcepto con ellos. Si consideramos lo que se hace por parte del gobierno, ya no tendremos más plátanos ni nada parecido. Lo bueno es que hay las plantas antiguas y la gente a quien le gusta ver arboles caducos, y las plantan en parques, en sus casas, etc. Planeo plantar en esta primavera y en el verano plátanos, espumillas (así le llaman a la Lagerstroemia indica ahí?) y álamos en parques y espacios de mi ciudad. Ah, y en las ciudades turísticas de frío también todavía son bastante plantadas.

 

Si; espumilla hay aqui algunos en casas, parques y plazas, no he visto como arbol de alineacion.

 

Se pueden plantar tambien caducos autoctonos; que generalmente adquieren tonalidades amarillas antes de que caigan sus hojas, por ejemplo el Ceibo, palo amarillo (Terminalia Australis); Mandioca Brava (Manihot Grahami), Guindillo/Blanquillo (Sebastiania commersoniana) y hay otros.

Ahi se obtiene lo mejor de ambos mundos si se gusta de la "otoñada".

Todas son especies que se dan en la zona del plata y en el sur del Brasil.

 

Branquilho (Sebastania commersoniana), un arbol regional nativo del sur del Brasil; Argentina y Uruguay:

 

image.png.a0b2da4a56a44db695879581fe76d5d2.png

image.png.5352cdf4e90979513e6dedb252b08ae3.pngimage.png.eb1c18c6bcafab45354e8b37e36da0dd.png

 

Edited by Pablo MQL
  • Like 7
  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

9 minutes ago, Alexandre Pereira said:

Esses dias passeando com meu cachorro vi que alguns frutos de um pé de Baru da vizinhança começaram a cair e peguei uns pra comer, e resolvi trazer aqui pois acredito que nem todos ou poucos conheçam:

AnyConv.com__BrZBgVkR.thumb.jpg.fa96f435cc21fd9e78dcd8bf430b9505.jpgAnyConv.com__CpEDiyME.thumb.jpg.c06edeb62419be8eff36698dabaeec47.jpgAnyConv.com__rnZs0TSx.thumb.jpg.883bc69d4f97c8d805e2f82cff1b6274.jpgbaru-e-a-semente-670x447.jpg.63def06e7c194ba2960bdf1b63713087.jpg

 

O Baru é um árvore tipica do Cerrado e é MUITO gostoso. Os animais costumam comer a parte de fora do fruto, que tem uma castanha dura onde fica a semente que é a parte que a gente consome, dá um trabalho quebrar a castanha mas vale a pena demais, alem de ser muito bom é também bem nutritivo.

 

Os que peguei aqui perto estavam um pouco verdes mas fui ensinado que caiu no chão já da pra comer a semente, que alias é bom dar uma torrada antes de comer 

 

Enfim, sinto que o Baru é pouco conhecido comparado com outras castanhas/sementes brasileiras, como a Castanha do Pará, do Caju ou o Pinhão, até mesmo aqui tem amigo meu (goiano) que nem conhece... 

 

 

Se ve delicioso.

  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

On 8/23/2020 at 6:19 PM, coutinho said:

NÃO CONHECIA.

 

Tienes una hermosa coleccion de arboles exoticos, te recomiendo combinarla con plantas y arbustos locales.

 

Las especies exóticas no tienen gran interacción con la fauna local porque no se alimentan de ellas o no les sirve como nidos o refugios. A la vez, estas especies no tienen los controladores o depredadores naturales  de sus regiones por lo que en algunos casos pueden transformarse en plaga,  provocando todo un desequilibrio que se convierte en toda una amenaza para la flora y fauna local.

 

Pero quizas lo mas importante es que las plantas originarias ofrecen refugio y alimento para aves, colibrís, insectos y mariposas propios del lugar.

Hay estudios que comparan la biodiversidad en un boque autoctono y en un bosque exotico y la diferencia es enorme entre ambos.

 

Por ejemplo yo plante un Tala (Celtis tala), un arbol autoctono que le brinda refugio y hogar a aves autoctonas (hay especies que solo nidifican en su follaje o en el de otras especies locales que poseen su misma tipologia pero no nidifican en exoticas), Podría decirse que es la especie arbórea que más atrae a las aves autoctonas.
Esto se debe a varios factores: sus frutos carnosos y dulces son apetecidos por los pájaros frugívoros.
Sus ramitas en zigzag con espinas en los ángulos son buscadas por varias especies de aves para construir sus nidos, ya que quedan bien sujetas entre sí. a su vez da alimento a las orugas de  mariposas como Zafiro del talar (Doxocopa seraphina Hübne) o Libytheana carinenta (mariposa Pinocho) y otras, beneficiando a los pajaros insectivoros.

 

Mi posicion no es extremista, yo poseo arboles exoticos que me gustan mucho, pero trato de combinarlos siempre con especies locales, la biodiversidad local agradecida.

 

 

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

6 hours ago, coutinho said:

AQUI OS CARVALHOS, AMERICANO E EUROPEU, SERVEM DE ALIMENTOS A ALGUNS PAPAGAIOS. CALERIANO/PORTA ENXERTO DA PERA SERVEM DE ALIMENTO A PÁSSAROS E OUTROS. TEM ALGUMAS NATIVAS QUE TAMBÉM PRODUZEM FRUTOS/SEMENTES QUE AJUDAM A FAUNA LOCAL.

 

Si; los pajaros generalistas se pueden alimentar de frutos y semillas de algunas exoticas; pero hay pajaros e insectos que dependen solamente de determinadas especies nativas.

 

No es que un monte exotico no vaya a poseer ninguna biodiversidad, si no que los bosques con especies autoctonas poseen una diversidad mucho mayor.

 

Aqui  los montes de eucaliptus y pinos de la industria forestal poseen algunos animales, ( por ejemplo cotorras y comadrejas); pero no se compara con un monte autoctono.

 

Una de las especies mas invasivas que tenemos; el ligustro asiatico, se expande por que hay pajaros se alimentan de sus frutos,incluso pajaros nativos, sin embargo una vez establecido es un arbol que no permite que crezca ninguna otra especie a su sombra, por que posee sustancias alelopaticas que inhiben el crecimiento de otras especies.

 

Hay todo un ecosistema local de insectos (mariposas, orugas) que depende de esos arboles nativos....

 

Por eso es importante darle lugar a las especies locales en nuestros jardines.

 

 

Edited by Pablo MQL
  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

CONFUSSÃO TOTAL NOS IPÊS.

VEJA OS IPÊS ROSA.

COM FOLHAS E FLORES.

OS IPÊS ROSAS FLORESCEM ENTRE JUNHO E JULHO, E EM SETEMBRO AS FOLHAS APARECEM.

 

SÓ QUE DEPOIS DE UM JULHO QUENTE, AS FOLHAS COMEÇARAM A APARECER ANTES DO NORMAL (AGOSTO).

 

OCORRE QUE EM AGOSTO TIVEMOS A FRIACA RÁPIDA...SEGUIDA DE RÁPIDO AQUECIMENTO SECO.

 

DAI, IPÊ FLORIDO DENOVO.

 

CONFUSSÃO!!

 

NEM OS IPÊS ENTENDEM MAIS ESTE CLIMA LOUCO.

 

SÃO VÁRIOS ASSIM...

 

20200915_180300.thumb.jpg.1cac2cdb2111d2ebe994d4aab2c69dd6.jpg

 

20200915_180036.thumb.jpg.fb4d4287cb63b482601a6fad31354036.jpg

 

20200915_175718.thumb.jpg.75ad856db2c23aee6ee2e60a9608f748.jpg

 

20200915_175643.thumb.jpg.c74de1e4e510c1acb4165e8c56bb991d.jpg

Edited by Maicon
  • Like 15
Link to comment
Share on other sites

1 hora atrás, LeoP disse:

 

Na verdade, é o ipê roxo (Androanthus impetiginosus) que floresce em JJ, sendo este da foto o rosa (A. heptaphyllus), que floresce agora na primavera mesmo e não perde totalmente suas folhas. Fiz um esquema que ajuda a entender a diferença entre os ipês e os períodos de floração:

 

6ef0a055ce700f3485979a765b030297.thumb.jpg.6126dfaffe2ba53b4a53ffeaa6d9835a.jpg

 

Caso tenham interesse, eu compartilho algumas curiosidades e imagens da natureza (e do tempo associado) na plataforma pinterest. O link tá na minha assinatura.

 

Noite de tempo bom em BH, 21ºC. Previsão de muito calor no sábado, podendo ser o recorde anual (34C) e mudanças no tempo a partir de domingo a noite.

 

O ipês rosas aqui florescem antes.

E neste ano é segunda florada

Até mandei aqui a florada no meio do ano (E VC TAMBÉM, VIDE ABAIXO...RSRSRS).

 

Vou achar e já posto aqui novamente.

Tem várias espécies de ipe rosa...

 

a mais comum aqui floresce no meio do ano.

 

___________________________________________

 

Handroanthus heptaphyllus

 

O ipê-rosa é uma árvore nativa da América do Sul, distribuída bem entre o México e o Norte da Argentina, por conseguinte às regiões tropicais e subtropicais.

Suas flores duram de Maio a Agosto. 

 

FONTE WIKIPÉDIA.

___________________________________________

 

982126920_Screenshot_20200915-235914_SamsungInternet.thumb.jpg.f16f3963f809fb40efdf919cf1e99e95.jpg

 

 

____________________________________________

 

2106063567_Screenshot_20200916-000214_SamsungInternet.thumb.jpg.7adba89b2beb6ba3aa6acc66709a6697.jpg

 

____________________________________________

 

Aliás @LeoP tem uma postagem sua sobre ipês rosa este ano, no começo de julho.

 

1261309478_Screenshot_20200916-001722_SamsungInternet.thumb.jpg.b676e0c001088b0a1a955273c00c7f6d.jpg

 

Temos ainda postagens de outros colegas...

 

933416981_Screenshot_20200916-001748_SamsungInternet.thumb.jpg.d5aa63ac72c4fa03c569765de4fcf198.jpg

 

AQUI A FOLARADA FOI NO COMEÇO DE JULHO. ACREDITO QUE ESQUECI DE POSTAR FOTOS.

 

NUNCA TINHA VISTO DUAS FLORADAS NO ANO! E COM FOLHAS!

 

AQUI NO INTERIOR DE SP COSTUMA-SE FALAR QUE O IPÊ ROSA É O PRIMEIRO QUW FLORESCE NO ANO.

NÃO SEI POR AI.

ÀS VEZES ESTAMOS FALANDO DE ESPÉCIES DIFERENTES...

 

Edited by Maicon
  • Like 8
Link to comment
Share on other sites

Por causa de alguns daqui do fórum, comecei a gostar bastante de ipês. Como assim não gostava? Pois é, eu tinha um certo preconceito por certos tipos de "árvores brasileiras", enfim, a "bobiça". E vendo por outro lado, elas são lindas e se plantar em conjunto como na foto abaixo, ficam deslumbrantes, fica parecendo uma floresta temperada (parece exagero) mas lembra muito. Os ipês são o símbolo brasileiro, estou até pensando plantar por aqui. 

Uma das coisas que eu mais gosto é de plantar árvores, inclusive árvores de regiões temperadas que atrai bastante os turistas e a mim, principalmente pela minha obsessão por plátanos, estou plantando tanto plátanos que daqui um tempo vai virar uma floresta temperada aqui na minha região, uma floresta "plantinada" hehe De vez em quando estou fugindo pra FLORIPA plantar algumas, e naquela avenida mais famosa da ilha que é a beira mar norte, é uma região boa para encher de plátanos e acho que vão me massacrar por plantar ali, kk. O que mais dificulta é a imbecilidade de alguns, pois gostam de arrancar. 


Um exemplo de bosque de ipês, tem cerca de 500 ipês e foram plantadas por alunos em 1992. Lindo né?!

Florada de Ipês vira atração em bosque e diversos pontos de Marília -  Notícias sobre sustentável - Giro Marília Notícias

Edited by Guilherme Wawrzyniec
  • Like 5
  • Thanks 2
Link to comment
Share on other sites

Em 18/09/2020 em 12:22, Guilherme Wawrzyniec disse:

Por causa de alguns daqui do fórum, comecei a gostar bastante de ipês. Como assim não gostava? Pois é, eu tinha um certo preconceito por certos tipos de "árvores brasileiras", enfim, a "bobiça". E vendo por outro lado, elas são lindas e se plantar em conjunto como na foto abaixo, ficam deslumbrantes, fica parecendo uma floresta temperada (parece exagero) mas lembra muito. Os ipês são o símbolo brasileiro, estou até pensando plantar por aqui. 

Uma das coisas que eu mais gosto é de plantar árvores, inclusive árvores de regiões temperadas que atrai bastante os turistas e a mim, principalmente pela minha obsessão por plátanos, estou plantando tanto plátanos que daqui um tempo vai virar uma floresta temperada aqui na minha região, uma floresta "plantinada" hehe De vez em quando estou fugindo pra FLORIPA plantar algumas, e naquela avenida mais famosa da ilha que é a beira mar norte, é uma região boa para encher de plátanos e acho que vão me massacrar por plantar ali, kk. O que mais dificulta é a imbecilidade de alguns, pois gostam de arrancar. 


Um exemplo de bosque de ipês, tem cerca de 500 ipês e foram plantadas por alunos em 1992. Lindo né?!

Florada de Ipês vira atração em bosque e diversos pontos de Marília -  Notícias sobre sustentável - Giro Marília Notícias

Espetacular, e parece até q houve uma nevada, não é mesmo?

Parabéns pelo teu trabalho também...👏

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.