Jump to content
Brasil Abaixo de Zero
Sign in to follow this  
Luiz

ENSO, PDO, NAO, MJO... [acompanhamento]

Recommended Posts

Todo mundo aqui comenta sobre bloqueio às massas polares, que antes eram mais abrangentes e hoje a maioria fica retida na região Sul do país ou no máximo são continentais, excluindo o Sudeste.

 

Já pararam para observar o histórico da ASAS (vulgo Massa Tropical Atlântica), sua intensidade e frequência nos últimos anos? Mudou alguma coisa no Atlântico da década de 80 para cá?

 

Observem os dados da AMO (Atlantic Multi-decadal Oscillation) e entenderão onde quero chegar... vejam o que acontece a partir de 1996 ;)

 

http://www.esrl.noaa.gov/psd/data/correlation/amon.us.long.data

 

Aqui em Curitiba ar seco, 32% de umidade e temperatura de 19.4°C.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Todo mundo aqui comenta sobre bloqueio às massas polares, que antes eram mais abrangentes e hoje a maioria fica retida na região Sul do país ou no máximo são continentais, excluindo o Sudeste.

 

Já pararam para observar o histórico da ASAS (vulgo Massa Tropical Atlântica), sua intensidade e frequência nos últimos anos? Mudou alguma coisa no Atlântico da década de 80 para cá?

 

Observem os dados da AMO (Atlantic Multi-decadal Oscillation) e entenderão onde quero chegar... vejam o que acontece a partir de 1996 ;)

 

http://www.esrl.noaa.gov/psd/data/correlation/amon.us.long.data

 

Aqui em Curitiba ar seco, 32% de umidade e temperatura de 19.4°C.

 

 

Exatamente Flavio, a AMO entrou num ciclo positivo, ou "quente".

Pra piorar depois de 1995 veio o super El Nino 97/98, e não ocorreram erupções vulcânicas como no início dos anos 80, quando o el niño 82/83 não provocou grande elevação na temperatura global.

Percebe-se claramente uma elevação nas temperaturas em Curitiba a partir de 1995.

 

Nas décadas de 60/70 esse período negativo da AMO coincidiu com período negativo da PDO também.

A grande questão é: até quando vai durar esse ciclo positivo da AMO?

 

Sds.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Exatamente Flavio, a AMO entrou num ciclo positivo, ou "quente".

Pra piorar depois de 1995 veio o super El Nino 97/98, e não ocorreram erupções vulcânicas como no início dos anos 80, quando o el niño 82/83 não provocou grande elevação na temperatura global.

Percebe-se claramente uma elevação nas temperaturas em Curitiba a partir de 1995.

 

Nas décadas de 60/70 esse período negativo da AMO coincidiu com período negativo da PDO também.

A grande questão é: até quando vai durar esse ciclo positivo da AMO?

 

Sds.

 

Em minha humilde opinião, acho que a AMO muda de fase novamente entre 2025-2030, perfazendo os mesmos 30 anos que as fases anteriores tiveram. Ou seja, vai ficar negativa no final da atual fase fria da PDO, assim como estaremos saindo de um período de dois ciclos solares fracos seguidos (o atual e o próximo).

 

Aliás, para mim a atual fase quente da AMO é grande culpada pelo decréscimo significativo do gelo no Ártico!

 

Por todos esses motivos que acredito em chance de neve em Curitiba até 2030, ou seja, não ficaremos sem registrar o evento por mais 40 anos novamente. Penso que nos próximos 20 teremos pelo menos mais umas duas grandes oportunidades!

 

Fazendo uso das palavras do nobre amigo, tempos interessantes!

Share this post


Link to post
Share on other sites
Todo mundo aqui comenta sobre bloqueio às massas polares, que antes eram mais abrangentes e hoje a maioria fica retida na região Sul do país ou no máximo são continentais, excluindo o Sudeste.

 

Já pararam para observar o histórico da ASAS (vulgo Massa Tropical Atlântica), sua intensidade e frequência nos últimos anos? Mudou alguma coisa no Atlântico da década de 80 para cá?

 

Observem os dados da AMO (Atlantic Multi-decadal Oscillation) e entenderão onde quero chegar... vejam o que acontece a partir de 1996 ;)

 

http://www.esrl.noaa.gov/psd/data/correlation/amon.us.long.data

 

Aqui em Curitiba ar seco, 32% de umidade e temperatura de 19.4°C.

 

 

Interessante, na década de 30 também houve um prolongado período com valores positivos.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Todo mundo aqui comenta sobre bloqueio às massas polares, que antes eram mais abrangentes e hoje a maioria fica retida na região Sul do país ou no máximo são continentais, excluindo o Sudeste.

 

Já pararam para observar o histórico da ASAS (vulgo Massa Tropical Atlântica), sua intensidade e frequência nos últimos anos? Mudou alguma coisa no Atlântico da década de 80 para cá?

 

Observem os dados da AMO (Atlantic Multi-decadal Oscillation) e entenderão onde quero chegar... vejam o que acontece a partir de 1996 ;)

 

http://www.esrl.noaa.gov/psd/data/correlation/amon.us.long.data

 

Aqui em Curitiba ar seco, 32% de umidade e temperatura de 19.4°C.

 

 

Interessante, na década de 30 também houve um prolongado período com valores positivos.

 

Perfeito, durou até os anos 50, quando o ciclo reverteu.

Coincidentemente, nos anos 30 existem relatos de um grande degelo no Ártico durante os verões.

 

Sds.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Todo mundo aqui comenta sobre bloqueio às massas polares, que antes eram mais abrangentes e hoje a maioria fica retida na região Sul do país ou no máximo são continentais, excluindo o Sudeste.

 

Já pararam para observar o histórico da ASAS (vulgo Massa Tropical Atlântica), sua intensidade e frequência nos últimos anos? Mudou alguma coisa no Atlântico da década de 80 para cá?

 

Observem os dados da AMO (Atlantic Multi-decadal Oscillation) e entenderão onde quero chegar... vejam o que acontece a partir de 1996 ;)

 

http://www.esrl.noaa.gov/psd/data/correlation/amon.us.long.data

 

Aqui em Curitiba ar seco, 32% de umidade e temperatura de 19.4°C.

 

 

Interessante, na década de 30 também houve um prolongado período com valores positivos.

 

Perfeito, durou até os anos 50, quando o ciclo reverteu.

Coincidentemente, nos anos 30 existem relatos de um grande degelo no Ártico durante os verões.

 

Sds.

 

Muito interessante.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Em minha humilde opinião, acho que a AMO muda de fase novamente entre 2025-2030, perfazendo os mesmos 30 anos que as fases anteriores tiveram. Ou seja, vai ficar negativa no final da atual fase fria da PDO, assim como estaremos saindo de um período de dois ciclos solares fracos seguidos (o atual e o próximo).

 

Aliás, para mim a atual fase quente da AMO é grande culpada pelo decréscimo significativo do gelo no Ártico!

 

Por todos esses motivos que acredito em chance de neve em Curitiba até 2030, ou seja, não ficaremos sem registrar o evento por mais 40 anos novamente. Penso que nos próximos 20 teremos pelo menos mais umas duas grandes oportunidades!

 

Fazendo uso das palavras do nobre amigo, tempos interessantes!

 

Flavio,

 

Apesar de ser discussão de ENSO,

 

Aqui temos dois aspectos:

 

I - Muitos dados indicam que os períodos de resfriamento como aquele ocorrido nas décadas 60/70 são resultados da combinação AMO e PDO {não a pdo entendida como resfriamento do Pacífico}

 

II- Regional os meus dados indicam uma média correlação entre a NAO e períodos frios no centro-sul brasileiro.

 

Voltaremos no lugar correto, é bom passar da página 3 e vc colabora muito com isso.

 

Abraços

Share this post


Link to post
Share on other sites

Me parece que o Enso e o PDO estão interligados e os dois tem atividades em periodos esperados ou definidos. Agora e o el nino e la nina..?? Tenho um padrao de intervalo ou são variaveis..?? Qdo o PDO está mais para quente me parece que o El nino ocorre com mais frequencia e o mesmo acontece com a la nina em PDO (fria)E qto ao El nino e a la nina, isto vale tb? Em termos fe intensidade e frequencia? A PDO estaria sofrendo alteração em virtude do aquecimento do Planeta ou é folclore isso.......

Share this post


Link to post
Share on other sites

Flavio,

 

Apesar de ser discussão de ENSO,

 

Aqui temos dois aspectos:

 

I - Muitos dados indicam que os períodos de resfriamento como aquele ocorrido nas décadas 60/70 são resultados da combinação AMO e PDO {não a pdo entendida como resfriamento do Pacífico}

 

II- Regional os meus dados indicam uma média correlação entre a NAO e períodos frios no centro-sul brasileiro.

 

Voltaremos no lugar correto, é bom passar da página 3 e vc colabora muito com isso.

 

Abraços

 

Combinado! Fiz esse off-topic apenas para complementar a discussão sobre os bloqueios que estavam comentando, com o intuito de fomentar o debate mesmo! Vamos continuar lá no ENSO essa proza...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quanto a questão da AAO favorecer polares por essas bandas do norte, também não acredito em relações diretas.

 

Primeiro porque nem sempre ao negativar ela gera eventos frios por aqui;

 

Segundo: não me parece que apenas a "negativação" da AAO favoreça a abertura do corredor polar, mas o fato de ocorrer uma queda acentuada já propicia isso. Como? Explico! Supondo que a AAO esteja marcando 3 positivo e caia rapidamente para zero; isso seria indicativo favorecedor sem negativar (e o que ocorreu do meio para o final de julho no gráfico acima). O importante não é negativar, mas cair bastante; a manutenção por longo prazo de valores negativos, aí sim, podem ser favorecedor às ondas de frio na América do Sul, porém, implicaria em produção menor de gelo polar oceânico.

 

Terceiro: obviamente que a AAO sozinha não explica todo processo, ela é apenas coadjuvante! Outros fatores como SOI, Madden-Julian, ASAS, whatever, são participantes na questão.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quanto a questão relativa aos bloqueios e a PDO, NAO e outros, também concordo contigo Malifi! E não a PDO relacionada a pesca do salmão na costa oeste canadense, proposto pelo Mantua...

 

Já em relação a NAO tenho pouco a comentar... só sei que esse índice tem forte relação com a Oscilação Ártica. O que tens a dizer?

Share this post


Link to post
Share on other sites
Me parece que o Enso e o PDO estão interligados e os dois tem atividades em periodos esperados ou definidos. Agora e o el nino e la nina..?? Tenho um padrao de intervalo ou são variaveis..?? Qdo o PDO está mais para quente me parece que o El nino ocorre com mais frequencia e o mesmo acontece com a la nina em PDO (fria)E qto ao El nino e a la nina, isto vale tb? Em termos fe intensidade e frequencia? A PDO estaria sofrendo alteração em virtude do aquecimento do Planeta ou é folclore isso.......

 

Em breve....

 

Essas mensagens foram transferidas para o tópico correto,

 

desculpem

 

a- Me parece que o Enso e o PDO estão interligados...SIM

 

b- os dois tem atividades em períodos esperados ou definidos.....No atacado...SIM.

 

c- Agora e o el nino e la nina..??......são consequências direta das condições das regiões marcadamente Niño 3.4

 

d-Tenho um padrão de intervalo ou são variaveis..?? No atacado há padrão 25/30 anos para PDO e 3,5 anos para ENSO....No varejo não há padrão.

 

e- Qdo o PDO está mais para quente.....PDO não é mais quente nem mais fria. PDO não trata de anomalias....PDO trata da distribuição de anomalias. Assim; para a mesma anomalia total no Pacífico Extratropical Norte é possível ter PDO positiva ou PDO negativa. [Alguns cometem esse erro grosseiro]

 

f- E qto ao El nino e a la nina, isto vale tb? sim PDO + > El Niño.....,....PDO - > La Niña.

 

g- Em termos de intensidade e frequência?.....Intensidade....NÃO.......Frequência...SIM

 

h-....ou é folclore isso.....Folclore, acabei de inventar o saci-pererê australiano [ é branco, tem duas pernas, fala inglês, tem olhos azuis mas usa boné okley vermelho]

 

Abraços

Share this post


Link to post
Share on other sites

Um segundinho,

 

perguntaram sobre o gelo no polo sul.

 

e o Mar de Weddell,

 

Está é fácil.....sem dúvida embaixo daquela montanha de gelo, resumindo..sumiu.

 

2r7oxhc.png

Share this post


Link to post
Share on other sites
Essa imagem é real e atual Mafili ? Impressionante , seria possivel uma ligaçao entre o sul da America do Sul e o Polo Sul por meio do congelamento ?????

 

Relaxa william, possibilidade zero! A escala do mapa dá impressão que é perto, mas é longe pra car.... :laugh: :laugh: :laugh:

Share this post


Link to post
Share on other sites
Essa imagem é real e atual Mafili ? Impressionante , seria possivel uma ligaçao entre o sul da America do Sul e o Polo Sul por meio do congelamento ?????

 

Relaxa william, possibilidade zero! A escala do mapa dá impressão que é perto, mas é longe pra car.... :laugh: :laugh: :laugh:

 

Pois é, ainda mais que bem naquela região, entre o gelo antártico e a Am. do Sul, o mar é extremamente profundo!

 

Artur, em alguns anos o Mar de Weddel fica bastante congelado, com muito gelo na superfície. Esse ano parece estar acima do normal hein!

O Mafili podia confirmar pra nós!!!

 

Aôôô Mafili... :mosking:

 

Sds.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Pois é, ainda mais que bem naquela região, entre o gelo antártico e a Am. do Sul, o mar é extremamente profundo!

 

Artur, em alguns anos o Mar de Weddel fica bastante congelado, com muito gelo na superfície. Esse ano parece estar acima do normal hein!

O Mafili podia confirmar pra nós!!!

 

Aôôô Mafili... :mosking:

 

Sds.

 

Silvio,

 

O enrosco vem no degelo eventualmente alimenta as massas polares na primavera.

 

10nz77a.png

Share this post


Link to post
Share on other sites

Percebam no gráfico acima postado pelo Malifi que o gelo oceânico da Antártica está a dois anos seguidos acima da média!

 

William, outro motivo para o gelo não "colar" na América do Sul é a grande turbulência na região do círculo polar, nosso cinturão de baixas!

 

Para ocorrer a conexão o mar teria que ficar muito calmo no local ou o gelo crescer a ritmos de glaciação (e a temperatura local cair bastante)!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Vendo o CFS, ao longo desse mês de Agosto, me parece haver uma tendência de condições cada vez maiores de bloqueios atmosféricos ou algo do gênero sobre o Sudeste ao longo de Setembro, com anomalias positivas de Altura em 700z. Tsc, Tsc!

Share this post


Link to post
Share on other sites
Rodolfo, infelizmente bloqueios fazem parte da nossa climatologia entre agosto e outubro T.T

 

Vinicius, peço que se atente que este ano já teve um belo inverno, tradicionalmente para o sudeste os bloqueios já começariam em Julho, e o que vimos até o momento foram 2 bloqueios no inverno todo, um em junho (o maior do ano até agora) e outro no inicio de julho. Depois disso, nenhum bloqueio! O negócio é torcer pra coisa certa, bloqueio quando deve ter e chuva quando deve ser a hora. Agora é hora felizmente dos bloqueios darem a cara, como tem de ser todo ano e era no passado.

Share this post


Link to post
Share on other sites

E a queda recente pode render um Setembro "diferente":

 

aao.obs.gif

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.
Sign in to follow this  

×