Jump to content
Brasil Abaixo de Zero

marcio valverde

Members
  • Posts

    329
  • Joined

  • Last visited

1 Follower

About marcio valverde

  • Birthday 07/08/1980

Location

  • Location
    Mirandópolis-SP

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

marcio valverde's Achievements

Contributor

Contributor (5/14)

  • Dedicated Rare
  • Very Popular Rare
  • First Post Rare
  • Collaborator Rare
  • Reacting Well Rare

Recent Badges

2.9k

Reputation

  1. O que judia de vocês aí, especialmente dos seus tomateiros, nem é a temperatura mas a umidade. De fato é um problema. Você e o @ducz já podem abrir uma competição sobre qual o forista que mora no lugar mais nublado, garoento e brumoso do país. Fui a Paranapiacaba uma vez quando morava em SP. Me lembro vividamente de quando cheguei lá, em torno das 10h da manhã, nem era inverno, e, de repente, enquanto eu estacionava o carro perto da igrejinha, veio a neblina e cobriu tudo. Até subi no mirante mas não se via nada. Comecei a perambular pela vila orientado apenas pelos mapas hasta que, soou e ecoou por todo o vale o apito de uma maria fumaça. Parecia que se eu apertasse o passo, corresse um pouquinho, poderia testemunhar uma daquelas cenas de filme da Segunda Guerra. Memorável. Um pouco mais tarde o tempo abriu e pude ver tudo, inclusive daquele mirante de onde se vê a cremalheira e Porto de Santos lá embaixo. Infelizmente esse lugar estava todo destruído, à espera de alguma singela atenção da bilionária Prefeitura de Santo André.
  2. Essa sequência de mínimas já seria um sonho no inverno, na primavera então é sem comentário 😍 As máximas são bem comportadas até, já as mínimas são uma tristeza, apesar de que aí venta bastante. Uma daquelas instabilidades que o @Maicon postou mais acima despejou 7mm aqui numa pancada rápida, isenta de ventos e temperada com alguns trovões. Estou gostando desse outubro mais fresquinho e chuvoso. Ontem, pela manhã, o sol já era aquele típico de finados. As cigarras já apareceram inclusive.
  3. Ontem nas horas que antecederam a passagem da LI a temperatura subiu rapidamente e atingiu 35°C de tal forma que quando a escuridão se instalou no horizonte eu dava por certo que uma tempestade se abateria sobre nós e eu ainda estava na estrada, longe de casa, e me dirigindo exatamente para o meio da instabilidade. O radar também sugeria algo forte mas a montanha pariu um rato kkk. Na verdade foi uma benção, a chuva veio mansinha e somou mais 31mm, maior acumulado diário desde 26/03, fazendo com que o mês de outubro fique um pouco mais próximo de sua média. A temperatura caiu rapidamente para 21°C. Ontem tentei verificar e não consegui, mas acho que as temperaturas estão levemente abaixo da média do mês até agora.
  4. Aí você vai no site do IPMET e a previsão é apenas de chuvas e trovoadas com rajadas de vento ocasionais. Vou ter que fazer um deslocamento no período da tarde e provavelmente vou me deparar com esse tempo severo na rodovia. Seja o que Deus quiser. Desde o início do mês o acumulado é de apenas 67mm, distribuídos em seis dos quatorze dias decorridos até agora.
  5. Nos mapas acima, que o @jean10lj gentilmente postou, pelo que entendi a escala de cores corresponde à estimativa de precipitação por hora. Quanto ao vento, seria o comprimento das setas um indicativo da velocidade? Em caso positivo, alguém poderia me dizer qual é a escala?
  6. Essa figura me dá ocasião de falar dum aspecto que sempre me pareceu um pouco neglicenciado quando se trata de falar das chuvas no sul/sudeste do Brasil que é o papel da cordilheira dos Andes. Não fossem eles os ventos úmidos que sopram do Atlântico equatorial Amazônia adentro teriam trânsito livre em direção ao Pacífico e, provavelmente não resultariam em chuvas tão abundantes na bacia amazônica. Não fossem os andes esses mesmos ventos não fariam a linda curva da figura acima e não trariam a umidade residual deles, somada com a umidade oriunda da evaporação da Amazônia para fazer chover aqui em baixo. Nesse sentido até o formato em "S" da cordilheira parece contribuir para o fenômeno. Se a cordilheira fosse reta provavelmente esses ventos "escorregariam" paralelamente a ela em direção ao sul fazendo chover naquele semi-árido do norte da Argentina talvez. Minha compreensão primária dessas coisas talvez me tenha levado a dizer algum absurdo acima mas quando olhos aquelas imagens animadas do https://rammb-slider.cira.colostate.edu/?sat=goes-16&sec=full_disk&x=9006&y=12755&z=0&angle=0&im=12&ts=1&st=0&et=0&speed=130&motion=loop&lat=0&p[0]=geocolor&opacity[0]=1&pause=0&slider=-1&hide_controls=0&mouse_draw=0&follow_feature=0&follow_hide=0&s=rammb-slider&draw_color=FFD700&draw_width=6&map=1 por exemplo não consigo pensar em outra coisa. Se esse não for o local correto para falar disso podem remover a mensagem por favor mas não queria perder a ocasião de agregar esse pensamento à mensagem acima.
  7. De fato o radar do Simepar já aponta as instabilidades que você citou. Em São Paulo por enquanto ainda não há nada. Depois dos 16mm de Setembro, Outubro soma apenas 22mm até agora. Essas últimas chuvas no Estado do Paraná já começam a refletir no volume dos reservatórios do Paranapanema. Os do Tietê parecem estar com algum problema nos dados em Três Irmãos e Barra Bonita mas os dados de Promissão que parecem mais consistentes já apontam para um início de recuperação do volume útil. https://www.ana.gov.br/sar/sin/b_parana/#
  8. Ontem, após toda aquela poeira a chuva que caiu acumulou apenas 16mm por aqui. É pouco mas já igualou a chuva de setembro inteiro. Vendo as imagens que o @Alexandre Pereira postou eu já ia brincar que lembra o título daquela canção do The Killers - A Dustland Fairtale - mas por aqui a coisa passou bem longe de um conto de fadas. Em Santo Antônio do Aracangua três homens de uma força-tarefa que combatiam um incêndio e que já estava quase controlado foram surpreendidos pela nuvem de poeira. Ficaram desorientados e terminaram envolvidos pelo fogo e mortos assim como dezenas de animais que eles tentavam salvar. A cidade está consternada e não é para menos. Deus se apiede dos familiares e amigos. ://g1.globo.com/sp/sao-jose-do-rio-preto-aracatuba/noticia/2021/10/01/incendio-em-fazenda-deixa-mortos-apos-ventania-espalhar-chamas-no-interior-de-sp.ghtml
  9. De fato @LeoP a confiabilidade quanto às precipitações é muito fraca. Funciona razoavelmente bem para saber se vai chover ou não e até certo ponto quanto ao horário da chuva, já no que tange ao volume é quase uma loteria e eu já relatei isso aqui algumas vezes em que previsões de 10mm resultaram em 70mm ou algo assim. Sem querer poluir o fórum vou deixar aqui apenas mais algumas imagens desse evento de incomum intensidade que nos acometeu hoje. As duas primeiras fotos são da minha cidade e as duas últimas de uma universidade em Araçatuba e do Aeroporto de Prudente, ambos danificados pelo vento. Por fim, um link do G1 local com um bonito vídeo da nuvem de poeira atravessando o Tietê em Pereira Barreto, onde a largura é de quase 2km se não me engano. https://g1.globo.com/sp/sao-jose-do-rio-preto-aracatuba/noticia/2021/10/01/nuvem-gigante-de-areia-assusta-moradores-em-prainha-de-pereira-barreto-video.ghtml Edit. Juro que é o último mas o registro é lindo. Dessa vez no Rio Paraná entre Ilha Solteira-SP e Selvíria-MS. 1760671490_WhatsAppVideo2021-10-01at18_44_55.mp4
  10. Não atentei para o fato de que a questão era apenas de nomenclatura. A imprensa marrom pode até falar em tempestade de areia em busca de clickbaits mas o povo vai falar em poeira até porque no meio de uma ventania daquela nem mesmo o mais perspicaz dos geólogos vai conseguir diferir terra de areia ou de cinzas de queimada. Vem tudo junto e é bom ficar com a boca e as janelas fechadas. Ontem tivemos um dia mais fresco por causa de chuva do domingo mas hoje o forno está à toda novamente. Para o final de semana e além há previsão de uma sequência de dias chuvosos. Espero que que se concretize.
  11. Mas você não mora no ABC? Aí por essas bandas não tem nem a seca e nem a extensão de terra descoberta para dar conta de formar o poeirão que vez ou outra acontece por aqui. Sem ventania nem nada, apenas com o vento normal de agosto a gente ajunta uma pá de areia todo dia quando varre o quintal de casa. Agora vc imagina o que ocorre quando vem um vendaval. Na primeira chuva depois da seca é preciso lavar o quintal quando a chuva para tamanha é a quantidade de terra vermelha que desce do telhado. Esse ano com a seca um pouco mais prolongada esse fenômeno já aconteceu umas três vezes. A foto abaixo eu saquei um pouco antes da chuva na SP 300 entre Araçatuba e Guararapes no domingo pouco antes de começar a chover. Repare no tom avermelhado do horizonte e nem estava ventando tanto assim. A faixa leste do estado pode se dar por abençoada nessas horas.
  12. Geadas, granizo, tá uma beleza. Um sofrimento para os produtores e para quem gosta de café já começa a doer no bolso.
×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.