Jump to content
Brasil Abaixo de Zero

Frost

Members
  • Posts

    1918
  • Joined

  • Last visited

Everything posted by Frost

  1. Editei as instruções. Deixei de colocar um passo importante que pode causar problemas em algumas maquinas.
  2. Impressão minha ou a previsão é da ASAS puxando ar frio dessa bomba depois que ela for desviada pro mar?
  3. UPDATE: Fiz uma pequena alteração que impede bugs nas minimas absolutas, recomendo que baixem a nova versão no mesmo link. Alguém chegou a usar a planilha?
  4. Fala galera, tudo bom? Eu tinha um projeto na universidade em que eu iria levantar uns dados climatológicos para desenvolver um projeto de pesquisa, acabou que eu fiz coisa além do que precisava, mas continuei o trabalho por que achei que seria útil para nós do fórum, porem tenho certeza de que ela tem muitas coisas ainda por corrigir Para levantar os dados eu desenvolvi uma planilha que devolve diversos dados climatológicos baseado nos dados brutos que são disponibilizados no bando de dados do INMET. Depois de inseridos os dados e o ano de inicio a planilha devolve informações por ano separadamente e informações em função de todos os anos juntos. Exemplo dos resultados (dados da estação de são lourenço) BAIXE A PLANILHA AQUI: https://drive.google.com/open?id=0B86MyCvmlCuua3VZV0MtRG9mZDQ INSTRUÇÕES Primeiramente, certifique-se no seu Excel que a opção "Usar separadores de sistema" dentro de "opções" e "avançado" está desmarcada e que na primeira caixa está escrito "." e na segunda "," Entre no site do BDMEP, escolha dados diarios e marque as opções "Temperatura Maxima" e "Temperatura Minima", assim como a data dos dados que você quer analisar e clique em pesquisar. Encontre a estação desejada no mapa, aperte nela e clique em baixar dados. Pressione Crtl + A e clique com o botão direito, clique em copiar Cole dentro de um bloco de notas e depois tire a parte de cima, ficando somente com os dados, como na imagem. Abra uma nova planilha excel e clique em abrir (open), vá até a pasta onde está o aquivo .txt, selecione "todos os arquivos" (all files) e clique no arquivo Na primeira janela, clique em "Avançar" (Next) Então, na nova janela, marque a caixa "ponto e virgula", depois clique em "Avançar" novamente e então em "Concluir" ou "Finish" Agora pressione Ctrl + A, copie todos os dados e cole na primeira linha da primeira coluna na planilha que você baixou, depois digite o ano de inicio dos dados, como indicado na figura Pronto, depois de alguns segundos os dados devem aparecer! Peço que me informem sobre duvidas, bugs e imperfeições. Os dados, especialmente de médias (em função de todos os anos) tendem a ser um pouco distorcidos pois sempre existem buracos nos dados, que acabam enviesando os resultados, mas eu fiz alguns algoritmos tentando minimizar esses erros. Espero que gostem
  5. Exatamente, é brutal a variação anual, tenho até alguns anos tabelados aqui, olhe como 2011 foi extremado por lá: Os recordes históricos lá são: -64,4° (05/02/1891) +38,4°(17/07/2011) :shok: Impressionante
  6. impressionante a sequencia de dias com frio extremo no Massena... Agora 1.7 por lá
  7. Realmente, windchill não faz sentido pra termômetro... Vento aumenta o coeficiente de transferência térmica, que leva os corpos a entrarem em equilíbrio térmico com o ambiente mais rápido. A transferência de calor cessa sem a existência de um gradiente de temperatura. O vento poderia estar provocando uma evaporação/sublimação... isso pode explicar alguma coisa.
  8. Na verdade, deixar termômetro exposto só seria problema pra frio de irradiação, com tempo seco, sem vento. O que explica os tais -14 são ou a qualidade do equipamento ou do leitor
  9. Considerando que o cenário foi limítrofe para o fenômeno da neve e que os modelos erraram com FOLGA a temperatura para a altitude do PNI (além do horário para os picos de frio) eu acho que pelo menos vale de lição pra ninguém ficar botando a mão no fogo sobre o que vai acontecer nessas latitudes baseado em modelo. Dada a imprecisão deles, foi mais do que acertada a decisão de noticiar POSSIBILIDADE de neve. O tumulto no PNI é culpa exclusivamente da capacidade interpretativa sofrível da nossa população.
  10. É sério isso?? 14 GRAUS NEGATIVOSSS??? pela quantidade de gelo fez muito frio mesmo mas nesse naipe?? :crazy: :wacko: :clapping: :shok: :shok: ...Ohh my Goood!!!! Impossivel... não teria como ter tido tamanha diferença pra o PNI, além de que seria muito estranho uma inversão de -14 pra acima de 0, impossibilitando a neve ali tambem
  11. Acredito que o grande problema não é confiar no modelo em si, mas pra qual região você está observando. O que não acho muito sensato é o pessoal usar a régua que usam no sul pra bater o martelo sobre o que vai acontecer no sudeste... isso é partir da premissa de que o modelo é igualmente preciso pra as duas regiões, o que eu duvido que seja... pra mais ou pra menos. Vou ilustrar com um exemplo por que estou falando isso: Se você tiver uma arma de fogo e quiser fazer uma tentativa de prever aonde o projetil irá atingir uma parede após o disparo, você teria que medir as inclinações (ângulos) da arma no instante inicial. Suponhamos que observa o angulo do cano da arma para com o solo e acha que é de aproximadamente 30 graus, mas na realidade é 35. (supondo que o projetil se desloca em linha reta) Se a parede estiver a 10 metros da arma, podemos fazer o calculo de quanto o projetil irá subir em relação à arma para o angulo real (35) e para o angulo que foi medido sem precisão (30). Tan x = (cateto oposto/cateto adjacente) ----> Tan x*cateto adjacente = cateto oposto ----> (Tan 30)*10 = CO = 5.77 m Para o angulo real: (Tan 35)*10 = CO = 7.00 m; Diferença de 1.23 metros Mas e se a parede estiver a 100 metros de distancia? o erro é proporcional à distancia! (Tan 30)*100 = CO = 57,7 m (Tan 35)*100 = CO = 70,0 m ; Diferença de 12.3 metros. Mais precisamente: Erro = (tan35-tan30)*distancia = 0,123*distancia
  12. Última vez que chequei ainda ia chegar a 0 em 700 hpa e precipitação, quarta ou quinta acho, e 1 na segunda
  13. Depois daquela em setembro do ano passado, não dá pra confiar na precisão de modelo meteorológico pra a latitude do PNI... A lógica diz que, no algoritmo, um pequeno erro de tragetoria da massa polar e da evolução de temperatura em diferentes altitudes em função do deslocamento latitudinal vai provocar uma resultado mais distante da previsão quanto maior for esse deslocamento... Eu sinceramente estou com um bom pressentimento.
  14. Viram o JN? Até de efeito baixada falaram! Dia memorável para o BAZ, certamente tiraram de gente daqui esses termos
  15. Realmente, pela 18z nem negativa em 700 hpa... =/ O pior é que aponta chuva forte com 1 grau em 700 hpa no período
  16. Falei isso no whattssap hoje , la vai ser o local mais umido porem a cota de neve esta a 2400m la , aquela estação que tem la pode ter maxima sub 5°C com chuva Vai saber... esse ano, quando nevou na cidade de Urubici, a cota de neve tava onde?
  17. William, já pensou que é possível o registro de neve na Serra da Bocaina? Ponto mais alto lá está a 2050 m
  18. Já fui lá com vários guardas diferentes, uma unica vez tive que ficar um pouco mais pra baixo, encosta, uns 50 metros da Portaria. Mas normalmente deixam você parar o carro ali mesmo do lado do Marcão. Espero que seja um dos guardas que conheço no dia :good2:
  19. Certo! Só uma correção, no singular é "inch"! :good2: Obrigado pela correção, Frost. O legal dessa combinação de anticiclone polar no oceano + cavado no continente poderá ser as máximas baixas que devem ser verificadas no Sudeste. Possivelmente vamos ter as menores máximas do ano na Sexta ou Sábado. De olho no PNI!
×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.