Jump to content
Brasil Abaixo de Zero
Fábio De Nittis

Monitoramento e Previsão - Brasil/América do Sul - Dezembro/2019

Recommended Posts

2 horas atrás, Carlos Campos disse:

É impressionante (e não estou fingindo surpresa) tão elevado acumulado em uma área onde normalmente acumula cerca de 300mm em Janeiro (por sinal o mês mais pluvioso). Simplesmente o dobro do esperado.

1577406043610.jpg.9b5dba6dd9f12ed4d2f66c82e362dcb0.jpg

Janeiro/2007 teve um máximo 24h de 162,6 mm e no mês seguinte outro máximo >100 mm 👇

IMG_20191226_211737.jpg.14439ebc5cec7a09ac3519fd22c7a87c.jpg

 

Sim. Mas teve anos com maiores volumes em alguns pontos.

Acho que 1999 teve registros maiores em muitas cidades.

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olhem que interessante os dados do verão de chuvas. Evidente que em se tratando de chuvas, o correto seria anotações manuais, mas a Ciiagro tem uns registros das estações automáticas em que acaba ficando meio nítido que em alguns meses foram suprimidos valores. Mas, vejam nosso curioso verão:

 

MARILIA

 

Screenshot_20191227-011033.thumb.jpg.e0846d03595cac3ce5c00688e4f28806.jpg

 

Nessa primeira tabela vejam o quanto é comum bater 300 mm em Janeiro, com destaque para queda significativas nas chuvas em Janeiro de 2013, 2014, 2015 e deste ano, fato que irá se repetir nas próximas tabelas.

 

RIBEIRÃO PRETO

 

 

Screenshot_20191227-011133.thumb.jpg.d0dbe2869ade0be4b686e2e2fc0cf5c9.jpg

 

Reparem que é muito comum valores próximos ou acima de 300mm em dezembro, janeiro e fevereiro.

 

Destaque para Dezembro de 1999 choveu apenas  1231.1mm (nunca mais esqueço esse verão).

 

ARAÇATUBA.

 

Screenshot_20191227-011806.thumb.jpg.3e4f3dc890635027185dd68adb1f9d50.jpg

 

Novamente observa-se o quão comum é registrar 300mm.

 

Destaque ai fica para Janeiro de 1999, com seus quase 800 mm, e destaque para janeiro de 2007, para os seus 880 mm.

Edited by Maicon
  • Like 5

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, Maicon disse:

Olhem que interessante os dados do verão de chuvas. Evidente que em se tratando de chuvas, o correto seria anotações manuais, mas a Ciiagro tem uns registros das estações automáticas em que acaba ficando meio nítido que em alguns meses foram suprimidos valores. Mas, vejam nosso curioso verão:

 

MARILIA

 

Screenshot_20191227-011033.thumb.jpg.e0846d03595cac3ce5c00688e4f28806.jpg

 

Nessa primeira tabela vejam o quanto é comum bater 300 mm em Janeiro, com destaque para queda significativas nas chuvas em Janeiro de 2013, 2014, 2015 e deste ano, fato que irá se repetir nas próximas tabelas.

 

RIBEIRÃO PRETO

 

 

Screenshot_20191227-011133.thumb.jpg.d0dbe2869ade0be4b686e2e2fc0cf5c9.jpg

 

Reparem que é muito comum valores próximos ou acima de 300mm em dezembro, janeiro e fevereiro.

 

Destaque para Dezembro de 1999 choveu apenas  1231.1mm (nunca mais esqueço esse verão).

 

ARAÇATUBA.

 

Screenshot_20191227-011806.thumb.jpg.3e4f3dc890635027185dd68adb1f9d50.jpg

 

Novamente observa-se o quão comum é registrar 300mm.

 

Destaque ai fica para Janeiro de 1999, com seus quase 800 mm, e destaque para janeiro de 2007, para os seus 880 mm.

 

Neste caso de Ribeirão Preto, tenho certeza que é bug ou erro de digitação na hora de tabelar, a pesquisa nos gráficos no próprio site do Ciiagro (com totais por dia) indica um total na casa dos 230 mm em dezembro de 1999, uns 1000 mm abaixo da tabela.  Não tem forçante orográfica que justifique um total mensal desta monta em Ribeiro Preto.  Devem ter tacado um "1" por engano antes.😂

 

O link é este aqui, basta selecionar a estação e as datas inicial e final (no caso, 01/12/1999 e 31/12/1999):

 

http://www.ciiagro.sp.gov.br/ciiagroonline/Graficos/graficos.asp?Fator=Chuva&Tipo=Acumulada

 

O segundo maior total (janeiro de 2003, mais de 550 mm) bate direitinho.  Janeiro de 2003 foi muito chuvoso também em áreas de MG e RJ, Belo Horizonte registrou o segundo maior acumulado mensal da história, atrás de janeiro de 1985 (INMET).  Na cidade do Rio 01/2003 foi o segundo janeiro mais chuvoso do século XXI, atrás de 2013 por pouco (média dos pluviômetros Alerta Rio)

 

Já pesquisei bastante no DAEE e o único local de São Paulo onde encontrei totais na casa dos 1000 mm/mês é a região entre o litoral e a encosta da Serra do Mar, o que faz sentido.

 

O caso de Araçatuba me parece suspeito também, a estação manual do DAEE registrou em torno de 420 mm em janeiro de 1999 e 395 mm em janeiro de 2007, o que faz mais sentido para uma área sem barreiras orográficas significativas.  Mas neste caso, de fato, o site do Ciiagro (link acima) mostra estes totais que você mencionou mesmo, pode ter sido um erro de calibração da estação automática ou chuvas muito concentradas num determinado ponto da cidade, não dá para bater o martelo embora eu favoreça a primeira hipótese.

Edited by Wallace Rezende
  • Like 7

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bom dia! Ontem, como estava previsto, a nebulosidade foi aumentando em Buenos Aires. No fim da tarde comecaram as primeiras pancadas de chuva e as precipitacoes se extenderam até esta madrugada, às vezes com forte intensidade e com atividade elétrica. Ontem até 21h choveu 17 mm e de 21h às 2h tivemos mais 13 mm. A temperatura variou entre 15,3°C e 27,5°C.
 

Hoje temos um comeco de manha de muitas nuvens e tempo abafado. Faz 22,8°C, URA de 91%, vento norte a 7 km/h e pressao de 1.009,8 hpa. Há possibilidade de chuvas o dia todo, mas principalmente agora de manha. Faz calor, com máxima prevista de 31°C. O sol nasceu às 5h40 e se poe às 20h08.

  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

Enquanto o RS pega fogo, Buenos Aires vai escapar dessa onda de calor. Até vamos ter a combinacao de calor+umidade, estará abafado, mas com muita nebulosidade e possibilidade de chuva em vários momentos na maioria dos dias, entao estará bem mais tranquilo. Nos próximos sete dias teremos mínimas de 20-24°C e máximas de 27-32°C, segundo o SMN.

Edited by Fábio De Nittis
  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites
7 horas atrás, Wallace Rezende disse:

 

Neste caso de Ribeirão Preto, tenho certeza que é bug ou erro de digitação na hora de tabelar, a pesquisa nos gráficos no próprio site do Ciiagro (com totais por dia) indica um total na casa dos 230 mm em dezembro de 1999, uns 1000 mm abaixo da tabela.  Não tem forçante orográfica que justifique um total mensal desta monta em Ribeiro Preto.  Devem ter tacado um "1" por engano antes.😂

 

O link é este aqui, basta selecionar a estação e as datas inicial e final (no caso, 01/12/1999 e 31/12/1999):

 

http://www.ciiagro.sp.gov.br/ciiagroonline/Graficos/graficos.asp?Fator=Chuva&Tipo=Acumulada

 

O segundo maior total (janeiro de 2003, mais de 550 mm) bate direitinho.  Janeiro de 2003 foi muito chuvoso também em áreas de MG e RJ, Belo Horizonte registrou o segundo maior acumulado mensal da história, atrás de janeiro de 1985 (INMET).  Na cidade do Rio 01/2003 foi o segundo janeiro mais chuvoso do século XXI, atrás de 2013 por pouco (média dos pluviômetros Alerta Rio)

 

Já pesquisei bastante no DAEE e o único local de São Paulo onde encontrei totais na casa dos 1000 mm/mês é a região entre o litoral e a encosta da Serra do Mar, o que faz sentido.

 

O caso de Araçatuba me parece suspeito também, a estação manual do DAEE registrou em torno de 420 mm em janeiro de 1999 e 395 mm em janeiro de 2007, o que faz mais sentido para uma área sem barreiras orográficas significativas.  Mas neste caso, de fato, o site do Ciiagro (link acima) mostra estes totais que você mencionou mesmo, pode ter sido um erro de calibração da estação automática ou chuvas muito concentradas num determinado ponto da cidade, não dá para bater o martelo embora eu favoreça a primeira hipótese.

 

De 2007 em Araçatuba é veridico, pois acompanhei na época e os valores eram bem condizentes com o que aparecia de instabilidades no radar.

 

Agora de 1999 eu apenas me recordo de ter sido o verão mais tempestuoso que já presenciei.

 

Infelizmente dados pluviométricos não são muito confiáveis, em especial por falta de registros.

 

Igual você comentou dos 395 mm em Araçatuba rm 2007, nem a pau foi só isso. Bonifácio choveu menos (observando radar) e o mês fechou com quase 600mm.

 

Muitos dados são interpelados, pelo o que eu vi também. Exemplo: Em São José Do Rio Preto a ciiagro não funciona há anos com regularidade, mas os "registros de chuva" estão lá na tabela.

 

E isto que estou mostrando nas tabelas não é um errinho, pois fiz questão de destacar que em mais de uma oportunidade isso foi observado.

 

O interior de SP fica em uma região de depressão, onde se encontram JBN vindo do norte do pais e os ventos de SE das frentes frias, além de ser rota de deslocamento de cavados que se formam no Paraguai. Quando todas estas engrenagens resolvem funcionar conjuntamente, o volume de chuva é assustador.

 

Lembrando que a média de dias com chuva em janeiro é de 13 a 15. E não é incomum passar de 300mm, como visto.

 

É muita água.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
8 horas atrás, Wallace Rezende disse:

Tem sim, acabei de olhar e vi uns registros absurdos: 86,44 mm em 10 minutos as 00:00 do dia 12/12, e 40,28 mm em 10 minutos as 23:40 do dia 10/12, com pouca ou nenhuma chuva antes e depois e sem chuva forte nas demais estações da área, realmente o o total real é muito menor.  Algum tipo de defeito ou um maluco jogou água na estação.

 

Tem outra estação CEMADEN à nordeste de BH que está ainda pior, registra 200/250 mm de uma vez só de vez em quando (Fazenda Picão Coqueiros/Morro do Pilar).  

 

Obrigado pela investigação do caso, amigo. Rapidamente estranhei esses dados, pois precisamos comparar com outros pluviômetros próximos. Salvo em casos de grande variação de relevo, não pode ser concebida uma diferença de mais de 200mm em um mês. Esses casos do interior de SP também são interessantes de pesquisar, mas não faço nenhum julgamento prévio porque desconheço as particularidades geográficas. 

Share this post


Link to post
Share on other sites
8 horas atrás, LeoP disse:

 

Exatamente, Renan. Ficamos tão preocupados com médias, que nos esquecemos que a natureza é muito mais complexa que esses números (parte disso aprendi com nosso querido @Carlos Campos). 

 

Está um dezembro abaixo da média? Sim.

Está seco? Não.

 

Vejam os reservatórios (que, na minha opinião, são um bom indicativo de como andam as chuvas):

Ano passado, dezembro teve quase 300mm na capital e os mananciais subiram 5%. Esse ano, com seus medíocres 120mm, temos alta de quase 10%, o dobro de dezembro do ano passado. Motivos? Foi um mês mais nublado, com temperaturas próximas da média e a chuva, apesar de fraca, foi frequente. Em 2018, aquela onda de calor terrível fez um estrago com a evaporação da água do solo. Então, a análise perpassa por vários outros fatores, como insolação (nou cobertura de nuvens), temperaturas, número de dias com chuva, tipo de chuva (temporais ou mais contínuas), etc. Não é a toa que o inmet tem todos esses dados em suas medições.

 

Apesar de ter uma forte tendência mais seca, na minha opinião foi um mês dentro de um desvio padrão normal para um dezembro, afinal o sol mal apareceu na primeira quinzena... Assim como um mês com 500mm também está ainda dentro de um desvio normal. Aberrante foi janeiro/2019, aquilo foi um absurdo total.

 

Fica a reflexão sobre o que seria normal dentro dessa bagunça que são nossas médias pluviométricas tropicais.

 

 

Muito boa reflexão. Janeiro de 2019 jamais será esquecido, mas podemos ficar tranquilos, esse Janeiro-20 será MUITO DIFERENTE daquele. 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
8 horas atrás, Maicon disse:

Olhem que interessante os dados do verão de chuvas. Evidente que em se tratando de chuvas, o correto seria anotações manuais, mas a Ciiagro tem uns registros das estações automáticas em que acaba ficando meio nítido que em alguns meses foram suprimidos valores. Mas, vejam nosso curioso verão:

 

MARILIA

 

Screenshot_20191227-011033.thumb.jpg.e0846d03595cac3ce5c00688e4f28806.jpg

 

Nessa primeira tabela vejam o quanto é comum bater 300 mm em Janeiro, com destaque para queda significativas nas chuvas em Janeiro de 2013, 2014, 2015 e deste ano, fato que irá se repetir nas próximas tabelas.

 

 

Esse ano aqui na cidade, além das temperaturas muito altas, nota-se uma pluviosidade bastante abaixo da média sobretudo de março em diante. Creio que Novembro e Dezembro devem elevar a média final para quase 1000mm ou um pouco mais, choveu bastante e trouxe uma melhora no clima, entretanto ainda está bastante irregular no outono e inverno e parte da primavera. Não raro, é bastante comum racionamentos de água em determinados bairros mais distantes do centro. 2019, um ano para se esquecer e jogar no limbo em todos os sentidos.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

MeteoBlue mostra uma trégua apenas de um único dia no início de Janeiro, antes e depois continua a sequência de temperatura na casa dos trintas.

  • Sad 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Hoje começa o calor de qualidade. Passaremos dos 40°. Máximas até às 11h no Rio Grande do Sul:

  • 36,9° Teutônia
  • 36,8° Feliz
  • 35,4° Santa Cruz do Sul
  • 35,4° Poço das Antas
  • 35,0° Rosário do Sul

 

  • Like 5

Share this post


Link to post
Share on other sites
13 horas atrás, Maicon disse:

(...)

 

RIBEIRÃO PRETO

 

 

Screenshot_20191227-011133.thumb.jpg.d0dbe2869ade0be4b686e2e2fc0cf5c9.jpg

 

Reparem que é muito comum valores próximos ou acima de 300mm em dezembro, janeiro e fevereiro.

 

Destaque para Dezembro de 1999 choveu apenas  1231.1mm (nunca mais esqueço esse verão).

(...)

 

Esse dado de Ribeirão Preto em dezembro de 1999 é inconsistente:

image.png.146b73ee168a4bf7040f6b7539a455b3.png

 

Foram 251,1mm.

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites
2 minutos atrás, Vinicius Lucyrio disse:

 

Esse dado de Ribeirão Preto em dezembro de 1999 é inconsistente:

image.png.146b73ee168a4bf7040f6b7539a455b3.png

 

Foram 251,1mm.

 

Sim. Deve ter havido equivoco quando passaram para a tabela na Ciiagro.

Share this post


Link to post
Share on other sites

CHUVAS EM JOSÉ BONIFÁCIO-SP EM 2019 ATÉ O MOMENTO.

 

             INMET         CASA

 

JAN.   66.8MM  93.2MM

FEV. 222.6MM 136.4MM

MAR.   85MM   64.6MM

ABR.   61.4MM  59.4MM

MAI.   0.8MM   15.4MM

JUN*  6.8MM  10.4MM

JUL.   20.2MM  11.4MM

AGO.  43.8MM  28.6MM

SET.   35.4MM  40.4MM

OUT.   57.2MM  54.2MM

NOV.  87MM   69.4MM

 

DEZ. 205.4MM 332MM

 

Totais:

 

CASA: 915.4 MM;

INMET: 892.4 MM.

 

 

DA SÉRIE 2005 ATÉ 2019, O ACUMULADO DESTE ANO É O SEGUNDO MENOR.

Edited by Maicon
  • Like 3
  • Sad 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ainda não há consenso sobre o local de formação e nem sobre a intensidade da baixa que deve se formar na virada do ano. O modelo europeu insiste na ciclogênese ainda continental, alimentada por fluxos quentes de norte em baixos níveis com convergência de umidade e num ambiente com discreta difluência do jato em 250hPa, que teria orientação meridional, nas proximidades de Córdoba-ARG. As soluções de ontem mostravam um núcleo bem intenso já no continente, com pressão central a valores próximos de 990 hPa. A priori, a baixa rumaria para leste acoplado a um ramo frontal e se intensificaria no oceano. Uma vez que ele se forma numa região embebida em ar quente, é preciso observar a possibilidade do sistema se tornar subtropical.

 

250 hPa

image.thumb.png.8d779a63ca8533df929cef11a0e1b926.png

 

850 hPa

image.thumb.png.5d142881ac4cd6c67393248fb3dc43a3.png

 

A solução do GFS  é de ciclogênese próxima do Rio da Prata, mas sem intensificar muito e com trajetória para leste-nordeste.

 

Há dois pontos de concordância no que tange às consequências da formação e da progressão da baixa: a formação de um canal de umidade entre o sul da Amazônia e MG/ES (deve ser observado pela possibilidade de altos acumulados em regiões propícias a enchentes) e o avanço de ar frio e seco pela região Sul e parte do Sudeste, o que poderia causar mínimas bem baixas para a época nos pontos altos da Serra Geral e baixadas em grande parte do RS e SC.

 

Alguns termos usados:

* Difluência: é quando uma corrente de jato se bifurca em seu fluxo normal, se divide em 2 formando algo parecido com um V deitado.

* Meridional: fluxo de sul para norte; zonal é de oeste para leste. Em geral, jatos tem fluxos zonais mais pronunciados, e quando o meridional predomina pode ser indicativo de bloqueio atmosférico.

  • Like 11
  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boa tarde à todos...

Há exatamente 6 anos, no dia 27/12/2013, formações bem desenvolvidas de trovoada pairavam durante a tarde aki no leste da região metropolitana de Curitiba.

Tive a sorte de registrar uma possível formação de nuvem funil em Pinhais, quando retornava do meu trabalh

Aki 👇um pouco de rotação...

1577460301143.jpg.bc87f05d293b6551c3d47ba6d34cb9bf.jpg

Formação já bem desenvolvida 👇

1577460231943.thumb.jpg.8e07ffd1e5f37590c7f66dc52b6d8048.jpg

  • Like 6
  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se a Climatempo estiver certa, será meu primeiro réveillon com chuva kkkkkk. E que esteja certa mesmo. To nem aí. Quero mais é entrar nos anos 20 com chuva mesmo. Vai ser bem simbólico. Que caia um raio assim que o relógio marcar 00:00 🤣🤣🤣🤣
 

C0459E6B-8125-49DA-87C1-F0AAAFD1D0ED.thumb.jpeg.1bfb77eb830deaff6d6066f2eee477a4.jpeg


9C1EC5C5-D0B3-4F2B-BD0F-0D2FB9CDCD39.thumb.jpeg.fc1c5fef40b8d321d3cc3b4caa424645.jpeg

Edited by Pedro Victor P.
  • Like 1
  • Haha 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Há 1 ano, em 27/12/18, temporal avançando pelo sul no começo da tarde..

1577461037070.thumb.jpg.6794b06974fd42ba2cade5f583d7f5de.jpg

Final da tarde com sol e infiltração oceânica intensa...

49009414_935111683353135_5234865904558276608_o.thumb.jpg.30172f06ae10b387b67c6cf356a29e08.jpg

  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites
14 horas atrás, Carlos Campos disse:

Relembrando... Porto Alegre na tarde de 26/12/2013 ⬇️

IMG_20191226_224832_586.jpg.c283ed728be430e169de6b3e777ca75b.jpg

Carlos Campos,

não gosto nem de lembrar, aqui o tempo secou antes do Natal e em janeiro 2014 só choveu 2 dias(24 mm) e fevereiro também quente e seco(41 mm), uma calamidade.

Espero que não repita janeiro de 2014, após essa onda de calor no RS até dia 30. Que no começo de janeiro as chuvas voltem aqui no Noroeste do Rio e Zona da Mata de Minas como o modelo GFS está indicando,não mude as previsões da água para o vinagre.

 

 

 

 

 

 

 

  • Like 4
  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
15 horas atrás, Wallace Rezende disse:

No atacado, 2019 foi um ano ruim no Sudeste para chuvas, embora não tenha sido dos piores (como 2014).

 

Eu não vejo uma ZCAS forte e ativa o dia todo desde 2016, e antes disso teve outra em 2013...  Digo dessas que trazem anomalias positivas para grandes áreas do interior e que não são ativadas só pelo calor do dia como essa última; num clima """estável""" estas "ZCAS intensas" deveriam ocorrer com mais frequência.  Eu acompanho os informes da ONS e é impressionante como entra mês, sai mês, a previsão é sempre uma variação sobre o mesmo tema (para o conjunto da área dos reservatórios do SE/CO), ou seja, chuvas abaixo da média, como uma notícia que li hoje mesmo: "em novembro choveu 62% da média, em dezembro 85%, e para janeiro esperamos chuva abaixo da média novamente".  Nem me lembro quando foi a última vez que disseram que um mês da estação chuvosa foi acima da média no conjunto dos reservatórios do Sudeste e Centro Oeste.

 

Cá está: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2019/12/hidreletricas-atingem-menor-nivel-desde-2014-mas-analistas-descartam-racionamento.shtml

 

Estamos abaixo de 2001, não fossem as termelétricas já haveria racionamento.  Se não conseguirem abrir, um pequeno trecho da notícia abaixo (Folha):

chuvass.png.54d03a5bc5db76ae08d4fefb26a99fb7.png

 

Acho que já estamos começando a pagar o preço pela redução cada vez maior da cobertura florestal no Brasil, no final das contas sem ajuda das florestas é evidente que vai chover menos, não precisa nem de estudo para comprovar (quero dizer, os estudos são fundamentais, mas apenas para dimensionar com mais precisão o estrago).  Mas até este sinal de redução gradual das chuvas aparecer em áreas mais afetadas pelas frentes frias (como o Sul e o litoral do SE), ou onde houve incremento das chuvas causado primariamente pela ilha de calor (cidade de São Paulo) vai demorar, e o efeito tende a ser menos severo nestas áreas também.  No final das contas, nossa ignorância é muito maior que o que sabemos.

 

1963 foi um ano isolado, agora temos 3/4 anos secos para cada temporada chuvosa, e mesmo janeiro de 2016 não serviu para muita coisa vindo depois de um dezembro seco e seguido por um fevereiro ainda mais seco; o reservatório de Sobradinho só subiu um pouco após as chuvas de janeiro de 2016, apesar de ter sido um mês excepcionalmente chuvoso em grande parte da bacia do Rio São Francisco, e no meio do ano já estava patinando nos 10/20%.  Claro que neste caso (e em muitos outros) a devastação da própria bacia hidrográfica (uso do solo, assoreamento, etc) atua em conjunto com a falta de chuvas.

 

Acho difícil fazer esse tipo de correlação, pois não vejo muita consistência nos dados. De fato, de 2014 pra cá, estamos registrando valores abaixo da média de forma geral mas, da mesma forma, anos recentes estão entre os mais chuvosos do histórico das medições aqui na RMBH (embora não saiba se isso se aplica às outras regiões):

 

Anos mais chuvosos na capital

1983: 2305mm

2009: 2147mm

2008: 2024mm

2011: 2022mm

2004: 1931mm

 

Me lembro que, entre 2008 e 2011, ocorria o oposto do relatado por vc, as chuvas eram acima da média em quase todos os meses e geralmente superavam as previsões. Até mesmo meses muito chuvosos como dezembro e janeiro tinham suas médias atingidas com facilidade e não raro a média era dobrada ou triplicada, como outubro de 2011. 

Outro dado interessante é a década de 2000, que teve média anual 250mm acima do período 1960-1980. Acho que não dá pra culpar urbanização, pois o local da estação já é urbanizado há muito tempo.

(posto os dados da chuva na capital de forma mais completa no tópico certo.)

 

Na minha opinião, o problema maior é o histórico pequeno, que nos permite fazer colocações limitadas e muitas vezes pouco conclusivas sobre as variáveis climáticas. Ainda acho que vamos ter boas surpresas, afinal o histórico mostra mudanças de padrão muito rápidas na nossa região. Afinal, apesar de haver tendências claras, nossa temporada chuvosa é bem volátil e dinâmica, com pulsos "secos" e úmidos (que podem fazer meses como dezembro terminar com 100 ou 700mm, dependendo do ano).

Edited by LeoP
  • Like 3
  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
14 horas atrás, Renan disse:

 

A zona da mata está boa de chuvas, Nani. E no interior do RJ também. Estou com 304mm esse mês, nada mal heim.. 

Renan,

sim, está ótimo,com várias estações acima de 250 mm no Rio também.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Calor forte na serra catarinense. Painel tem 32,9°C (já chegou a 33,1°C). É o calor que eu tenho aqui ao nível do mar.

 

Urupema tinha 28,4°C na leitura das 12 horas. O recorde é 30,5°C.

  • Like 2
  • Haha 1
  • Sad 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
34 minutos atrás, Matheus Vinicius disse:

25°, ensolarado e já um calor infernal.

É o primeiro caso de menopausa em um homem e adolescente com 16 anos. É importantíssimo q mandem um médico de Harvard para estudar esse caso único e raro no mundo.

  • Haha 10

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.

×

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.