Jump to content
Brasil Abaixo de Zero
Renan

Monitoramento e Previsão - Brasil/América do Sul - Outubro/2019

Recommended Posts

Amigos,

 

A ciência não é feita de consenso nem de hipóteses mas sim de comprovação.

 

Não há modelo meteorológico ou climático que simule e acerte o comportamento do tempo e do clima para 5 10 ou 50 anos.

 

Por isso, como cientista, não posso acreditar.  É uma hipótese razoável, mas carente de comprovação apesar do IPCC da ONU e etc. E não nos esqueçamos: a dinâmica da água na atmosfera é muito mais determinante na temperatura que o CO2, de concentração bem mais reduzida que o H20...

 

Após um primeiro semestre muito quente, estamos tendo extremos de calor e frio aqui neste segundo semestre do ano. 

 

Acho que temos aguardar mais alguns anos para entender melhor o que está acontecendo. O Clima sempre mudou. A terra já foi mais quente que está agora, no passado distante. A mundança continua. O desafio é entender porque e para onde estamos indo....

 

 

Minha opinião.

 

Edited by sjmolive
  • Like 1
  • Thanks 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

A média das máximas em Curitiba para o mês de Outubro é de 23º. Passados os 14 primeiros dias do corrente mês está se aproximando de 27º que seria o 'normal' para os 2 meses mais quentes do ano que são Janeiro e Fevereiro.

  • Like 1
  • Sad 4

Share this post


Link to post
Share on other sites
Citar

A ciência não é feita de consenso nem de hipóteses mas sim de comprovação.

Só o tempo nos dirá ao certo... Também sou cético quanto ao "terrorismo climático", mas confesso que a irregularidade do clima na última década me assusta, mesmo sabendo que climatologia não é uma ciência exata, creio que existem fatores desconhecidos que contribuem para as alterações climáticas.

By the way... O aquecimento global(moderado é claro) traria mais benefícios que o esfriamento, já que com menos calor diminuem também as chuvas. Porém, aumentam as quantidades de neve, logo, diminuem os níveis dos oceanos e os mares ficam mais salgados. Sem falar que dependeríamos ainda mais de combustíveis fósseis para gerar energia e é de conhecimento geral que o petróleo, o gás e o carvão mineral devem acabar em pouco tempo. 

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
15 horas atrás, EvandroPR disse:

Tem um rapaz aqui no fórum que mora em Altônia , próximo ao MS ele deve te ajudar.

 

Aqui em Maringá , tem araucária principalmente na zona rural e nas baixadas .Londrina, Rolândia, Cambé , Jandaia , Arapongas TB tem araucária, mas principalmente em Apucarana tem muita araucária.

Esse rapaz sou eu, e eu não tenho como afirmar nada, o único trajeto que fiz no MS foi de sair da ponte Ayrton Senna e entrar na fronteira do Paraguai, que dá uns 8km, nesse longo percurso eu não vi nenhuma araucária, e é só isso que eu sei sobre a existência de araucárias no MS

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites
18 horas atrás, Carlos Campos disse:

-5,2 menor mínima (1993)

  4,6 menor máxima (2013)

-4  em várias ocasiões, inclusive a última (-4,2) em 2013.

Nos anos recentes, -3,8 em 2016 e em 2018.

Neste inverno (2019) -3,7°C

 

Valeu

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

14:50 e nada de sinal de temporal, pode parecer estranho, mas eu já tive traumas por conta de temporais(uma vez foi quando eu era muito pequeno, o vento destelhou algumas brasilites da casa em que eu morava, e para eu não ser atingido tive que ficar embaixo da mesa, e o outro "trauma" vou falar mais à frente), mas agora estou querendo algum, nesse ano ainda não houve um, muito contrastante com os últimos anos, como em maio de 2018 em que teve ventos de 124km/h e até partiu postes no meio, ou na Páscoa de 2017, que foi um que me deixou receoso pelo vento por algum tempo (um cara que "viu" disse que foi um tornado, mas algumas pessoas daqui tbm disseram em uma chuva de granizo mês passado que tinha chovido pedras do granizo do tamanho de uma bola de tênis de mesa, mas que eu mesmo vi e elas tinham o tamanho daquelas britas finas, então essa informação é bem duvidosa), nesse eu fui acordado com chuva na cara, porque meu quarto foi destelhado, desse evento eu tinha alguns bons registros, mas não salvei elas em nenhuma fonte externa e o aparelho aonde elas se encontrava se estraviou, mas tem esse buraco no telhado em um projeto de igreja que estavam construindo ao lado da minha casa, que foi arrancado por este vento

20191014_145339.jpg

Edited by Felipe S Monteiro
  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ontem Campina Grande (PB) registrou 17,3°C de mínima. Foi a menor em 20 anos para Outubro. Por enquanto o mês está com -1°C de anomalia nas mínimas.

image.thumb.png.cff9691b84ed2946dddf157ecebee0b6.png

_____________________________________________________________

Ontem à noite um pequeno DOL provocou chuva com moderada intensidade no leste do PE e da PB.

Os volumes:

  • Na PB (AESA):

image.png.93f53b74f9259cafa9069af197cbf710.png

  • No PE (APAC):

image.png.b95b8b5ee040f31c892d26fe1f8df7ab.png

 

image.png.ebb6a9e39099f7918711e3002deca05d.png

Imagem de satélite das 22h30 de 13/10, mostrando a banda de nuvens baixas associadas ao distúrbio.

  • Like 8

Share this post


Link to post
Share on other sites
2 horas atrás, Carlos Campos disse:

Isso já me aconteceu dezenas de vzs.

Geralmente no sonho eu fotografava a neve ou o q ker q fosse o fenômeno incomum e estraviava a câmera (Cel)...

É a vontade, o anseio misturados com a frustração da realidade infiltrada no nosso subconsciente.

Continue postando e aprendendo coisas, assim como todos nós continuamos a fzr nos últimos anos. Todos aprendemos muito aki e ensinamos um pouco. Vc não será excessão.

Abraço

(o refresco está vindo...)

Sim, no meu caso eu devo ter sonhado provavelmente porque é algo que desejo muito.

Imagina caindo uma neve sobre curitiba e deixando a cidade toda coberta de neve branca, seria muito bom.

Felizmente hoje está melhor, 23 c.

Caiu apenas uns pingos de chuva, eu estava aguardando uma tempestade.

  • Haha 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
2 horas atrás, Carlos Campos disse:

Isso já me aconteceu dezenas de vzs.

Geralmente no sonho eu fotografava a neve ou o q ker q fosse o fenômeno incomum e estraviava a câmera (Cel)...

É a vontade, o anseio misturados com a frustração da realidade infiltrada no nosso subconsciente.

Continue postando e aprendendo coisas, assim como todos nós continuamos a fzr nos últimos anos. Todos aprendemos muito aki e ensinamos um pouco. Vc não será excessão.

Abraço

(o refresco está vindo...)

Eu que moro em Maringá  sonho com neve aqui . Sonho que saímos no meio do expediente pra ver neve... As crianças saem da escola... Achei que era só eu...kkkkk

  • Haha 4

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, Felipe S Monteiro disse:

Esse rapaz sou eu, e eu não tenho como afirmar nada, o único trajeto que fiz no MS foi de sair da ponte Ayrton Senna e entrar na fronteira do Paraguai, que dá uns 8km, nesse longo percurso eu não vi nenhuma araucária, e é só isso que eu sei sobre a existência de araucárias no MS

Já vi araucária em Umuarama, Paranavaí , Santa Cruz do Monte Castelo...

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites
21 minutos atrás, EvandroPR disse:

Eu que moro em Maringá  sonho com neve aqui . Sonho que saímos no meio do expediente pra ver neve... As crianças saem da escola... Achei que era só eu...kkkkk

 

Sobre precipitação hibernal no norte do Paraná, sei que nevou em Cianorte em 17/07/1975. Não tenho dados da intensidade. E em Apucarana, em 21/07/1957 (no mesmo dia São Joaquim ficou isolada pela neve, a ponto de aviões decolarem do aeroporto do Bacacheri para jogar mantimentos sobre a cidade catarinense). Essa de Apucarana parece ter sido um evento bastante significativo, com 2 ou 3 horas caindo neve. E, mais recente, soube do sleet que caiu em Maringá em 22 ou 23 de julho de 2013.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
12 minutos atrás, stankevecz1 disse:

 

Sobre precipitação hibernal no norte do Paraná, sei que nevou em Cianorte em 17/07/1975. Não tenho dados da intensidade. E em Apucarana, em 21/07/1957 (no mesmo dia São Joaquim ficou isolada pela neve, a ponto de aviões decolarem do aeroporto do Bacacheri para jogar mantimentos sobre a cidade catarinense). Essa de Apucarana parece ter sido um evento bastante significativo, com 2 ou 3 horas caindo neve. E, mais recente, soube do sleet que caiu em Maringá em 22 ou 23 de julho de 2013.

 

Isso mesmo aquele ano caiu Chuva congelada aqui..

 

Na reportagem fala de 0,5 foi a menor temperatura registrada aqui, mas aqui já fez negativa sim.

 

 

Screenshot_20191014-161332.png

Screenshot_20191014-161720.png

Edited by EvandroPR
  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

Hoje felizmente é o último dia desta 4ª onda de calor desta primavera climática, chegando novamente aos 33°C em São Paulo. A média máxima do mês hoje - 29,4°C - se iguala a de Campina Grande na Paraíba, conforme o @CloudCb postou. Ainda mais intensas estão as anomalias de máxima sobre o Paraná, variando entre 4 e 5°C.  Hoje, o calor por lá está menos intenso e temos mais instabilidades, uma bem forte inclusive no norte de SC.

image.png.800e453faf0a23a074080f0bd7ae1bcf.png

Edited by Guto Cesar
  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

INMET reportando 14,2ºC às 15h em Porto Alegre.

 

No aplicativo do Weather Channel (que eu não sei de onde retiram as informações), aponta 15ºC.

 

Não dá para acreditar que há apenas 48 horas estávamos com mais de 38ºC.

 

Segue um chuvisqueiro bem fininho na região centro-norte da cidade.

 

Um senhor alívio para o calorão!

 

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites
2 minutos atrás, EvandroPR disse:

Isso mesmo aquele ano caiu Chuva congelada aqui.

Screenshot_20191014-161332.png

 

Só um ponto. Creio que o meteorologista confundiu os conceitos de chuva congelante (freezing rain) e chuva congelada (sleet). Na chuva congelada, que foi o fenômeno registrado em Maringá, a precipitação sai da nuvem como neve. Derrete ao encontrar uma camada mais quente. E recongela ao encontrar uma camada mais fria. A pedra de gelo chega congelada antes de tocar o solo. Já o freezing rain é fenômeno bem mais raro, não foi o que aconteceu em Maringá. O freezing rain é muito perigoso nos EUA, pois congela o asfalto. Chamado de Black Ice, porque não se vê o gelo no asfalto. Veja a ilustração do NOAA

 

snowsleetfzrarain.png

  • Like 5
  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sobre a questão debatida aqui, parece que não há dúvidas do aquecimento em si (nosso corpo, memória, os relatos dos mais velhos, os estudos e as estações comprovam), o que gera polêmica são as causas. Alguns colocam como ciclos, outros como CO2 puro, outros como uma mescla dos dois (com gente pendendo para um lado e outros para o outro). É bom lembrar que lançar carbono na atmosfera e desmatar a amazônia trazem outras consequências além das climáticas. É mexer com a qualidade do ar, com os ciclos biogeoquímicos, o estoque (limitado) de combustíveis fósseis, todos os benefícios ecossistêmicos de um bioma e por aí vai. Não se limita a temperatura e chuva.

 

E não precisamos de comprovação absoluta para mudar os hábitos, até porque a ciência, como parte integrante da sociedade, é influenciada pela economia, cultura, interesses etc, de forma que é natural não haver unanimidade. Mas as evidências, tendências, pareceres e revisões apontam sistematicamente para um aquecimento antropogênico há muito tempo. Não dá pra simplesmente ignorar.

 

2019, até o momento, teve todos os meses do ano acima da média em Belo Horizonte, exceto por julho que ficou dentro. Os meses de janeiro, maio e setembro tiveram desvios positivos bastante acentuados. A chuva, risos, segue em torno de 600mm no ano, sem perspectiva nenhuma para essa semana e às portas do penúltimo mês do ano com boa chance de ser também abaixo da média. Média de 1600mm.

 

Vamo q vamo.

 

 

Edited by LeoP
  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sobre o AGW: parece ser um assunto cíclico por aqui, como é de se esperar em um fórum sobre tempo/clima, algo inevitável; mas é bom ver que a conversa se manteve civilizada e que as discordâncias (naturalíssimas) não descambaram para ofensas.

 

Já meio que dei a minha opinião sobre o assunto uma vez no tópico do AAO, mas vou falar mais um pouco sobre o que penso agora...

 

Aquecimento global: é um fato, os dados mostram que a temperatura média global aumentou, com aceleração nas últimas décadas.  Adoro pesquisar dados climatológicos de todo o mundo e o que vejo são variações sobre o mesmo tema (aquecimento): variando entre muito brando/estatisticamente irrelevante em poucos lugares e severo em outros (com a maior parte dos lugares e das estações “no meio do caminho”, indicando aquecimento lento, mas consistente desde o início do século XX).  Ou seja: de um modo geral está aquecendo sim, mas alguns lugares bem mais que outros.

 

Participação humana: já acreditei que fosse mínima ou altamente discutível (exceto pela questão das ilhas de calor urbanas, fenômeno inquestionável e que ocorre no mundo todo, mesmo as cidades mais frias do mundo como Yakutsk são bem mais quentes no seu coração urbanizado que os arredores rurais), mas isto mudou; hoje reconheço que as nossas atividades são sim um fator relevante neste processo de aquecimento (para além das ilhas de calor), mas ainda se pode (e deve) discutir o tamanho exato da nossa “culpa”, há muito exagero e os processos naturais também participam; quanto mais pesquisa, melhor.

 

Climatismo/alarmismo/catastrofismo: é algo que deploro intensamente, defendo que o “alarmismo” tem feito mal à humanidade ao inverter prioridades disseminando desinformação e histeria ao tratar qualquer seca, temporal, furacão, tufão, tornado, granizo, onda de calor (e até de frio) mais etc, etc, etc e etc como resultado das “mudanças climáticas antropogênicas” (recentemente surgiu outra expressão muito pior e ainda por cima mentirosa: “crise climática”).  A inversão de valores é o que mais me incomoda, por exemplo: milhões de pessoas tem a vida abreviada todos os anos na Terra por causa da poluição (contaminação da atmosfera, da água e até mesmo do solo) causada por atividades humanas e agravada por uma mentalidade que coloca a “economia” e os lucros (de um pequeno grupo) acima de tudo mais, mas a questão da poluição e da devastação da natureza em geral quase sempre aparece subordinada à questão do clima nos dias de hoje (tipo: “temos que reduzir a poluição/desmatamento por causa das mudanças climáticas”) quando na verdade a redução da devastação da natureza como um todo (além de provavelmente desacelerar o aquecimento, o que é praticamente um detalhe) teria um impacto muito mais positivo na qualidade de vida de bilhões de pessoas que uma pura redução da emissão de “gases estufa”, e deveria estar no centro das discussões sobre o meio-ambiente; ou seja, o que é mais importante fica na sombra de uma questão menor/consequência: os impactos no clima.  Esta inversão de prioridades, ainda que não pareça óbvio para alguns, certamente diminui a quantidade de energia/recursos/mentes que poderiam estar se ocupando da causa ambiental maior, mas acabam se perdendo em discussões infrutíferas sobre “o clima” ou em discursos histéricos estilo “Greta Thunberg” (um diversionismo, ainda que em alguns casos involuntário).  O clima sempre mudou (ok, agora está mais acelerado, mas já ocorreram períodos de mudanças velozes no passado também) e o homem sempre se adaptou às mudanças e vai continuar se adaptando, mas, além da poluição, outros problemas urgentes que só vão aumentar nos próximos anos (como diminuição da população em idade produtiva, automatização/exigência de cada vez mais especialização para se conseguir um bom emprego, deixando multidões de excluídos e com raiva do “sistema”, dando origem aos "Trumps da vida", e etc, etc e etc) recebem menos atenção que a causa do clima.  O saneamento é uma questão capital, muito mais decisivo na qualidade de vida humana que o clima, mas Rio e São Paulo, assim como a grande maioria dos municípios do Brasil e de grande parte do mundo, jogam milhões/bilhões de litros de esgoto in natura (e toda uma variedade de poluentes em geral) no ambiente todos os dias. Agora comparem quantas vezes vocês leem/ouvem sobre saneamento básico nos jornais/telejornais/revistas com a frequência com que se fala de “mudanças climáticas”, é indefensável!

 

 

Edited by Wallace Rezende
  • Like 7
  • Thanks 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
36 minutos atrás, LeoP disse:

"Sobre a questão debatida aqui, parece que não há dúvidas do aquecimento em si (nosso corpo, memória, os relatos dos mais velhos, os estudos e as estações comprovam), o que gera polêmica são as causas. "

Sem dúvidas... mais um elemento para este aquecimento são as ilhas de calor urbano - veja os dados de fim de tarde de São Paulo, muitas vezes postados aqui. Há variação de até 10 graus de temperatura.

Aqui em Juiz de Fora já vi oito graus de variação de temperatura entre o centro e onde eu moro, no início da noite. 

Por falar em aquecimento, vejam vocês-- só hoje o povo do meu bairro, alto e afastado, animou entrar na piscina - água gelada desde o início do inverno até agora, meados de outubro... aqui a vida é assim: ontem eu dormi de cobertor ainda - 17 graus hoje cedo. Hoje tivemos a máxima do mês, até agora - cravamos 31 C !!!

  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

Serra de Sudeste e algumas outras cidades no Sul gaúcho as 17:00 😍😍😍

 

Canguçu: 8º
Caçapava do Sul: 9º

Santana do Livramento: 10º

Bagé: 11º
Santa Vitória do Palmar: 11º

1183811601578770438

Edited by Lucas Venturini
  • Like 4
  • Thanks 1
  • Sad 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Após um dia quente e ensolarado e praticamente sem nenhuma nuvem para contar história, agora os ventos estão soprando do mar (devido a passagem da frente fria no litoral), trazendo queda nas temperaturas e nebulosidade baixa.

 

Quando mais ao sul, menores estão os valores (23 graus nas estações do CGE que ficam no norte contra apenas 18 graus no extremo sul).

 

Estações - CGE

yydRlTz.png

 

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 13/10/2019 em 17:33, Vinícius Galon disse:

Boa tarde!!

 

Alguém sabe me informar se há extensa área de araucárias nativas na região de Campinas , Piracicaba , São Carlos,Rio Claro ,Porto Ferreira e regiões próximas da divisa com Minas gerais e se possível divulgar imagens da araucária nessa região? 

 

Segundo já li, em várias regiões como São Carlos e outras próximas de maior altitude, existiram araucárias nativas mas não eram extensas áreas contínuas.

Inclusive, no bandeira da cidade de São Carlos aparece uma araucária.

 

Na cidade de São Paulo e região metropolitana existiam e existem araucárias nativas.

Na parte mais central da cidade, gente vê em fotos muito antigas.

Inclusive, é a origem do nome do tradicional bairro de Pinheiros, na zona oeste.

Na maior parte da área urbana, hoje elas estão praticamente extintas.

Mas podem ser encontradas na serra da Cantareira e áreas verdes da zona sul.

  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quanto às emissões de poluentes, independente das mudanças climáticas, deviam ser drasticamente reduzidas.

 

Sou químico e, como dever de ofício e "sobrevivência", nós químicos temos que ter noções de toxicologia.

 

Muuuiitos gases e compostos que fazem parte das emissões veiculares e industriais são comprovadamente prejudiciais à saúde.

Vários são potencialmente cancerígenos, principalmente para aquelas pessoas que já têm predisposição genética.

 

Então, antes de mais nada, é um problema de saúde pública.

  • Like 9

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 13/10/2019 em 13:51, Renan disse:

 

Hoje em dia, algo totalmente corriqueiro em São Paulo, essas temperaturas próximas ou acima dos 35. Patético isso !

 

Este 2019 está "caprichando".

Já são 6 registros de 35,x° no ano.

Só perde para os tórridos 2014 e 2015.

 

A título de curiosidade, a estação do INMET-Mirante de Santana já ficou 11 anos seguidos sem chegar nos 34°C, de 1973 a 1983.

Tem vários anos com máxima absoluta anual na casa dos 32,x°, a última vez em 1992.

Acho que o pessoal mais jovem do fórum, daqui de Sampa, nem consegue acreditar que essas coisas já aconteceram. :D

 

Mas não é só São Paulo.

Curitiba já teve máxima absoluta anual de 30,8°C, se não me engano.

Hoje, 33°C virou coisa corriqueira por lá, até 34° ocorre de vez em quando.

  • Like 5
  • Sad 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Hoje em Sampa,

 

INMET-Mirante de Santana (Aut): 20,3°C / 33,5°C

INMET-SESC/Interlagos: 19,0°C / 30,3°C

IAG: 18,4°C / 32,6°C

 

INMET-Barueri: 18,2°C / 32,2°C

  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.

×

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.