Jump to content
Brasil Abaixo de Zero
Rodolfo Alves

Monitoramento e Previsão Climática (ENSO/SST/AAO/PDO)

Recommended Posts

Existe um trabalho feito aqui na UFJF que mostra a quase inexistência de influência do ENSO na quantidade e distribuição de chuvas durante o verão na zona da mata mineira.

 

A gente costuma acreditar que o El Niño deixa o verão mais quente e seco no Sudeste, mas isso não necessariamente acontece. Talvez a temperatura no Atlântico influencia muito mais do que pensamos.

 

A gente?

 

Na Zona da Mata mineira a única influência de ENSO é aquela mostrada pelos meios de comunicação social na antiga hora do Jantar.

 

Pois é. Acho que a bizarrice dos verões de 2014 e 2015 nada tem haver com ENSO. O que vc acha ?

Share this post


Link to post
Share on other sites
Mafili desmancha prazeres...kkkkkkkkkkkk

 

Paulo, até o momento temos o seguinte na latitude 30º N (Cidade do Cairo) e na latitude 30ºS (Porto Alegre) temos que no mês mais frio (dezembro) apresenta uma média 13,8ºC muito parecida com média de Porto Alegre no mês mais frio (junho) que é de 14 e alguma coisa.

 

O ponto é que o desvio padrão em ambos casos é da ordem de 1ºC.

 

O resultado é o esperado.

 

Um lado bom: (aqui não estou nem vagamente afirmando que o clima no Cairo é igual ao clima de Porto Alegre)

 

Temos um conjunto de registros impressionante que remonta a quase 5500 anos de história egípcia incluindo também os registros da cultura Minoica que é fundamental para, se não, a compreensão clara do período atual ao menos relembrar que 7 anos de fartura e 7 anos de escassez não é uma exatamente uma novidade.

 

Há registro do Rio Nilo congelado em duas ocasiões na história em 829 e 1010 DC. (estou procurando uma fonte que remeta a fonte primária)

 

(Rindo sozinho....agora fiquei a imaginar o Guaíba amanhecer congelado....deixa quieto).

 

Agora, (uma hora qualquer)

 

Tentarei conversar sobre a imagem abaixo, o desvio padrão e invernos na latitude 50).

 

29xyrfp.jpg

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pois é. Acho que a bizarrice dos verões de 2014 e 2015 nada tem haver com ENSO. O que vc acha ?

 

Renan,

 

A condição de ENSO é o driver das condições climáticas no planeta (tá, Sol, Vulcão, Meteoros e demais coisas não estão em conta).

 

Agora, no sentido de colocar a ''culpa'' de qualquer evento em ENSO eu acho que é uma simplificação bizarra que dói ao cérebro.

 

Abs

Share this post


Link to post
Share on other sites
Existe um trabalho feito aqui na UFJF que mostra a quase inexistência de influência do ENSO na quantidade e distribuição de chuvas durante o verão na zona da mata mineira.

A gente costuma acreditar que o El Niño deixa o verão mais quente e seco no Sudeste, mas isso não necessariamente acontece. Talvez a temperatura no Atlântico influencia muito mais do que pensamos.

Um pequenino exemplo de influência do Atlântico se faz sentir nas cidades litorâneas do PR e SP (Pelo menos).

 

Se olharmos as médias de temperatura máxima de agosto a novembro dessas localidades, veremos que são anormalmente baixas para cidades litorâneas nesta latitude.

Em outros foruns, já vi gente suspeitar de erros do INMET.

 

Mas, pra quem já morou ou vai com frequência ao litoral, não é nenhum mistério.

O efeito do continente aquecendo e as águas do Atlântico ainda frias, com a ajuda da serra do Mar, produz uma série interminável de dias nublados.

Normalmente, do final de agosto a meados/fins de novembro, o sol pouco aparece.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Um pequenino exemplo de influência do Atlântico se faz sentir nas cidades litorâneas do PR e SP (Pelo menos).

 

Se olharmos as médias de temperatura máxima de agosto a novembro dessas localidades, veremos que são anormalmente baixas para cidades litorâneas nesta latitude.

Em outros foruns, já vi gente suspeitar de erros do INMET.

 

Mas, pra quem já morou ou vai com frequência ao litoral, não é nenhum mistério.

O efeito do continente aquecendo e as águas do Atlântico ainda frias, com a ajuda da serra do Mar, produz uma série interminável de dias nublados.

Normalmente, do final de agosto a meados/fins de novembro, o sol pouco aparece.

 

Aldo,

 

Tempos atrás fiz um levantamento das temperaturas nos aeroportos e Inmet de algumas cidades litorâneas.

 

Conclusão:

 

a- As cidades litorâneas (onde existe ao menos uma série longa de dados) de Vitória ES até Porto Alegre RS apresentam taxa de aquecimento decadal muito inferior (em alguns casos desprezíveis) quando comparada com as não litorâneas.

 

b- Em uma mensagem anterior (minha) vê-se claramente uma anomalia extremamente positiva da ORL na região de Niño 1+2 (anomalia positiva da ORL = Outgoing Longwave Radiation ) anomalias positivas significam emissões acima do normal de radiação infravermelha (longwave = comprimento de onda longo).

E isso significa convecção suprimida (ausência de nuvens).

O oceano aquece com luz solar (visível) e depois emite infravermelho.

 

Atenciosamente

Share this post


Link to post
Share on other sites

Deparei-me com o texto abaixo:

Não sei a fonte...tem algo de interessante....(tradução automática)

Temperatura do ar e dinossauros

 

Os dinossauros viviam em um mundo de estufa. Eu ouvi essa frase em toda parte. Evidências substanciais indicam que o mundo dos dinossauros foi significativamente mais quente do que o nosso. Mas para melhor ou para pior?

 

Estamos assustados com a perspectiva do aquecimento global, porque as culturas correm o risco de se secar, as calotas polares estão derretendo - elevando assim o nível do mar, ameaçando submergir baixos, áreas costeiras - e os ecossistemas aqui e ali estão mudando. Mas, para os enormes dinossauros, um mundo quente não poderia ter sido tão terrível. As plantas eram na maior parte resistentes à seca; Não havia gelo em volta dos pólos. O crescimento das plantas teria sido favorecido pelas temperaturas mais altas, pelo menos em áreas úmidas, como as linhas costeiras, e exuberante vegetação era essencial para que animais tão grandes sobrevivessem!

 

No entanto, ao mesmo tempo, o calor pode ter sido problemático para o muito grande, multi-ton formas, porque os animais maiores solta calor menos rapidamente, e corre o risco de superaquecimento. Elefantes, em apenas sete toneladas, experimentam esta questão, que é por isso que eles desenvolveram uma série de recursos e estratégias para arrefecer, incluindo perda quase completa de cabelo, orelhas grandes proporcionando uma grande área de superfície para expulsar o calor, regular mudbathing e até mesmo Manchas especiais em seus corpos, onde a pele é muito fina e com um feixe grosso de vasos sanguíneos embaixo. Parece elefantes são mais sobre perder calor, em vez de ficar quente. Dinossauros geralmente experientes temperaturas semelhantes aos que os elefantes estão expostos a hoje, para se livrar do calor deve ter sido um problema sério para eles também.

 

Parece, então, que o clima quente tinha vantagens e deficiências. Os dinossauros, entretanto, floresceram nestas condições por 160 milhões de anos, então os benefícios certamente superaram as desvantagens.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Quanto à comparação SP de 110 anos atrás com POA de hoje; microclima, embora duvide muito que São Lourenço da Serra (desprovida de microcllimas que SP teve), tenha média igual a POA!

Depende de quais médias...

 

Médias compensadas do mês mais frio, do mês mais quente e anual:

 

1931-1960

São Paulo (Mirante): 14,6 / 21,7 / 18,4

Porto Alegre: 14,3 / 24,7 / 19,5

 

1961-1990

Sampa: 15,8 / 22,4 / 19,3

PoA: 14,3 / 24,6 / 19,5

 

1980-2010

Sampa: 16,7 / 23,2 / 20,0

PoA: 14,2 / 24,9 / 19,7

 

Aldo, e já gastei muito teclado aqui nesse fórum para tentar explicar que Porto Alegre não possuia invernos mais frios no passado.

 

PS: pela semi-normal quase fechada (1991/2016) o mês de julho está com 14,1C. Dá para dizer que julho está, na verdade, ficando mais frio na cidade.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Interessante Mafilli. Precisava desse cálculo para nossas cidades. Faltei na aula de estatística.

 

.....Mas é inevitável bom ou mau inverno cair na subjetividade. Em 2013 até vir aquelas nevadas nos 3 estados do Sul eu não havia sentido frio naquele inverno (até quase meados de julho estava um fiasco). Depois disso o frio foi constante (agosto,set e out). Dia fica difícil avaliar, mas nossas mentes puxa eventos significativos, como por exemplo neve.

 

Agora, (uma hora qualquer)

 

Como uma simples análise conduz que os nossos invernos (JJA ) são estáveis e nas palavras do Beto é quase inevitável cair na subjetividade o critério de avaliação se bom ou mau.

 

A análise que ''poderia'' ser utilizada neste caso é a Análise Rítmica

 

A análise rítmica é um método de análise diária dos elementos do clima de um determinado local.

Esse método foi criado pelo geógrafo brasileiro Carlos Augusto de Figueiredo Monteiro e consiste em analisar diariamente variáveis meteorológicas, como os montantes de precipitação, umidade relativa do ar, temperaturas máxima média e mínima e os sistemas atmosféricos atuantes. (wiki)

 

Evidente que monstruosamente trabalhosa e não utilizada em análises climatológicas de larga escala.

 

Vamos supor um inverno de 90 dias.

 

a- Todos os dias a indicação do termômetro foi de 15ºC a qualquer instante desses 90 dias; logo qualquer média é 15ºC

 

b- Durante os primeiros 45 dias a indicação do termômetro foi de 30ºC a qualquer instante desses 45 dias e nos últimos 45 dias a indicação do termômetro foi de 0ºC a qualquer instante desse período: logo a média também é 15ºC.

 

Na análise estatística os elementos que estão associados a média (desvio padrão, variança, e demais) nos possibilitam compreender a situação descrita acima.

 

Na análise rítmica é necessário o conhecimento do conjunto das massas atuantes no período (ex, massa polar atlântica, massa tropical atlântica etc.)

 

Ao gráfico abaixo:

 

Observe que entre os paralelos 37S e 37N o saldo de energia anual é positivo.

 

Isso significa que ao longo do ano entra mais energia (solar = radiação) que sai. ( assim a região assim delimitada está condenada a não esfriar por perda de calor radiativo).

 

Felizmente o planeta gira, a atmosfera circula, os oceanos circulam e como resultado há movimentações que transportam energia ao longo da linda bola azul.

 

Nas nossas latitudes necessariamente necessitamos (na imensa maioria dos locais) de ar frio de origem polar para que a temperatura desça a patamares desejados.

 

Caso contrário no máximo haverá um ''inverno limitado'' apenas pela baixa insolação do período.

 

Na latitude 50N (Paris, Londres, etc) no ano o saldo é negativo (sai mais energia da que entra). E no inverno a situação é extremamente negativa de modo que há o resfriamento independente da atuação de sistemas atmosféricos ''resfriantes''. Lembrando que nessas latitudes durante o verão a insolação alcança valores acima da insolação equatorial. (felizmente a órbita não um círculo e o eixo da linda bola azul é inclinado).

 

A conversar....Abraços.

 

29xyrfp.jpg

Share this post


Link to post
Share on other sites

Assim que gosto de ver esse sub-fórum, meu preferido no BAZ! Aos que indagam sobre as mudanças "de Curitiba para o sul": tentem esquecer por algum momento do Pacífico e seus Niños e pensem no Atlântico só um bocadinho, principalmente depois de 1996...

 

AMO

Share this post


Link to post
Share on other sites
Assim que gosto de ver esse sub-fórum, meu preferido no BAZ! Aos que indagam sobre as mudanças "de Curitiba para o sul": tentem esquecer por algum momento do Pacífico e seus Niños e pensem no Atlântico só um bocadinho, principalmente depois de 1996...

 

AMO

 

Esse é "o gráfico"

Share this post


Link to post
Share on other sites

VOU ACOMPANHAR A ESTAÇÃO DE COLOMBO (CURITIBA RURAL E A DO INMET/URBANA). ESTÃO +- 20 KM UMA DA OUTRA E QUASE NA MESMA ALTITUDE, A DIFERENÇA ENTRE AS DUAS É O MEIO EM VOLTA.

 

ESTE MESMO EFEITO SERÁ REGISTRADO NO INMET DE FLORIPA, POIS A ESTAÇÃO, LITERALMENTE, FOI ENGOLIDA PELA CIDADE, TEMOS A DE CARIJÓS QUE É 100% RURAL E EM CONDIÇÕES MUITO SEMELHANTES A DO INMET, ESTÁ MUITO PRÓXIMA DO MAR, PORÉM É 100% RURAL.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Assim que gosto de ver esse sub-fórum, meu preferido no BAZ! Aos que indagam sobre as mudanças "de Curitiba para o sul": tentem esquecer por algum momento do Pacífico e seus Niños e pensem no Atlântico só um bocadinho, principalmente depois de 1996...

 

AMO

 

O que significa o índice?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Entendi. Bom, esse índice vai explodir em 2017. Deu muito mais que meio grau de anomalia média.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Impressionante a correlação entre os ciclos de anomalias positivas e anos "ruins"/quentes. Flávio, pode me mandar os números? Quero fazer um estudo mais profundo.

Share this post


Link to post
Share on other sites

COLOMBO/RURAL

X CURITIBA/URBANO

 

 

30 DIAS/MARÇO

 

25,6/17,2/20,6 CTBA

 

24,4/16,1/19,2 COLOMBO

 

 

Dados médios normais de Curitiba (1977 a 2010): Méd.: máx: 26,0 / Méd. comp.: 20,1 / Méd. min.: 16,5

 

Dados normais médias de Curitiba (1931 a 2010): Méd. máx.: 25,7 / Méd. comp.: 19,7 / Méd. min.: 16,0

 

Coloquei de 1977 a 2010, uma vez que a Estação foi transferida para o local atual em dezembro de 1976.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Assim que gosto de ver esse sub-fórum, meu preferido no BAZ! Aos que indagam sobre as mudanças "de Curitiba para o sul": tentem esquecer por algum momento do Pacífico e seus Niños e pensem no Atlântico só um bocadinho, principalmente depois de 1996...

https://dc618.4shared.com/img/TyooTzLVce/s23/156c29ac490/AMO

Infelizmente, não tenho os dados completos de temperaturas médias da capital paulista antes de 1961.

 

Mas o período de 1961 a 1995 corresponde exatamente ao período de verões mais amenos em Sampa.

Tanto em termos de médias como nos picos de máximas.

 

A título de curiosidade, entre 1961 e 1995, a estação do Mirante tem 10 registros de máximas absolutas anuais na faixa de 32,x°C (1964, 1967, 1970, 1976, 1977, 1979, 1982, 1983, 1989 e 1992).

 

Ficou sem chegar nos 34°C:

- De 1964 a 1970 (7 anos)

- De 1973 a 1983 (11 anos)

- De 1989 a 1993 (5 anos)

 

Tempos interessantes...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Infelizmente, não tenho os dados completos de temperaturas médias da capital paulista antes de 1961.

 

Tempos interessantes...

 

Pelos Tempos Interessantes

 

Aldo: estão pela ordem jan, fev....até dez.

 

 

 

 

# SAO PAULO (BRAZIL)

# coordinates: -23.50N, -46.62E, 792.0m (prob: 883m)

# WMO station code: 83781 SAO_PAULO

# tavg [Celsius] daily mean temperature (unadjusted) from GHCN-M v3.3.0.20170102

1887 21.0 21.3 19.4 18.3 15.1 14.7 13.6 13.1 16.9 18.3 18.8 21.1

1888 19.3 20.6 20.2 18.1 15.8 14.8 14.8 16.4 20.0 22.5 21.4 22.3

1889 23.1 22.4 22.8 19.7 17.4 12.5 14.5 14.1 14.4 17.6 19.4 22.4

1890 21.3 21.7 20.9 17.3 15.9 12.9 14.1 13.9 17.0 16.1 17.8 20.6

1891 21.4 21.0 20.6 18.6 15.9 15.6 13.9 14.6 16.5 18.2 19.1 19.8

1892 21.6 22.1 21.0 18.8 15.1 13.7 12.1 14.4 15.6 17.3 18.6 18.2

1893 21.1 19.4 20.6 17.1 15.3 14.2 13.0 13.1 13.9 15.7 17.5 19.8

1894 23.4 22.0 20.2 17.6 15.1 11.8 13.0 14.8 16.7 19.2 19.5 20.6

1895 21.0 20.0 21.0 17.4 15.6 13.7 13.5 15.5 15.5 17.7 19.3 22.8

1896 20.4 21.4 19.5 17.3 14.9 14.7 13.5 15.6 17.0 18.1 19.7 22.2

1897 20.7 20.0 19.7 20.3 17.3 14.5 13.2 15.4 15.1 17.7 18.7 21.1

1898 22.0 22.0 21.4 19.4 14.8 15.3 14.2 14.6 14.9 16.0 18.2 21.0

1899 20.5 20.9 21.9 20.1 18.1 13.8 15.9 17.4 16.9 18.9 19.9 19.7

1900 20.6 21.0 21.1 17.7 16.7 14.7 15.3 15.3 16.7 18.4 19.3 20.2

1901 19.6 20.0 19.0 17.3 15.8 13.3 15.0 14.6 15.6 18.2 18.0 18.8

1902 20.5 21.5 20.0 19.1 17.0 15.7 15.9 13.2 16.7 17.0 20.6 20.7

1903 19.0 21.0 21.2 17.1 15.0 15.2 13.2 15.0 15.7 17.0 18.9 20.9

1904 20.4 20.1 20.3 17.7 14.3 13.0 14.3 15.0 16.6 17.1 18.9 19.7

1905 19.7 21.6 18.9 18.3 17.0 14.6 14.2 15.1 16.5 19.3 18.5 20.8

1906 19.8 19.5 19.3 18.1 17.2 15.6 14.8 16.0 15.6 18.4 18.9 20.2

1907 20.1 20.6 20.2 18.4 14.0 14.6 13.0 13.8 17.2 16.9 18.8 21.1

1908 20.2 20.0 19.0 17.8 15.5 14.8 15.1 13.4 15.6 17.2 19.3 20.9

1909 20.8 21.9 19.1 17.2 14.5 13.9 15.6 14.9 15.8 16.3 19.0 18.6

1910 21.2 20.8 20.5 19.2 13.7 15.5 12.9 15.5 15.6 15.4 17.3 18.7

1911 21.2 20.6 18.6 17.5 16.0 13.0 12.3 14.1 16.0 16.5 20.2 20.7

1912 20.4 21.6 19.5 17.8 17.6 15.3 13.0 15.4 13.8 16.1 20.2 19.7

1913 20.2 21.1 20.9 18.8 16.4 14.1 15.6 15.7 16.9 17.7 18.7 19.4

1914 21.6 20.7 21.3 18.3 15.4 17.5 16.8 16.1 18.1 18.9 20.3 19.6

1915 21.8 22.1 20.3 20.4 19.4 14.7 14.9 16.6 16.9 17.1 17.6 19.7

1916 20.6 19.8 19.3 18.0 17.0 16.3 14.4 15.4 17.7 16.5 19.0 19.3

1917 20.2 20.2 19.6 17.2 13.8 13.0 13.3 13.7 16.3 16.9 16.5 19.1

1918 20.8 20.7 19.7 18.0 16.7 14.7 13.3 14.0 15.8 17.5 18.7 19.2

1919 19.2 20.1 20.2 19.5 19.1 17.4 15.6 15.7 14.2 17.4 18.7 20.0

1920 21.0 20.9 20.0 18.7 16.0 15.0 15.1 13.1 15.4 17.8 19.1 19.7

1921 20.7 21.2 20.8 18.1 16.5 14.2 13.4 17.2 15.8 16.7 17.6 20.4

1922 21.1 21.2 20.7 19.0 16.9 15.5 14.8 16.8 16.9 16.6 18.5 20.0

1923 20.8 20.6 20.6 19.9 16.4 15.1 13.4 15.6 16.3 16.8 18.5 21.3

1924 19.6 20.3 21.3 19.3 16.7 15.3 14.5 14.7 16.4 15.3 15.8 19.4

1925 21.3 21.6 19.8 20.3 17.0 13.5 12.5 16.9 17.0 16.5 19.1 20.4

1926 20.7 19.5 20.3 18.6 15.6 16.2 14.0 15.6 17.6 17.8 19.2 20.0

1927 20.2 20.3 20.6 19.5 15.5 14.2 13.9 14.9 16.7 17.1 19.7 19.6

1928 20.9 22.0 21.4 20.9 16.8 15.9 15.3 15.3 17.4 17.9 19.3 20.4

1929 21.4 21.4 20.2 17.0 15.5 15.8 14.8 15.9 17.7 19.1 17.8 20.9

1930 21.1 21.2 21.2 18.6 17.3 17.7 15.7 16.3 16.2 17.9 18.8 19.9

1931 21.9 20.2 20.4 19.3 16.4 14.7 15.4 15.6 15.7 17.6 18.6 21.1

1932 20.1 22.4 21.4 20.6 16.7 15.2 16.4 15.3 18.4 18.9 20.0 20.6

1933 20.6 21.8 19.8 17.7 16.5 14.3 14.0 16.0 17.0 17.7 17.8 19.2

1934 20.9 22.0 21.2 19.5 17.5 16.3 14.5 16.3 17.1 17.3 19.8 20.1

1935 20.0 20.5 20.3 17.3 14.4 15.9 15.5 14.8 16.0 17.2 18.1 20.7

1936 21.2 19.6 19.5 18.5 18.8 16.8 14.9 13.8 15.4 17.6 17.9 19.9

1937 18.9 20.9 20.2 17.8 14.8 15.0 15.2 16.2 15.7 16.6 17.5 18.2

1938 22.3 20.6 21.1 18.3 15.8 14.6 14.2 14.8 16.3 17.1 18.3 19.5

1939 20.7 21.2 21.0 18.5 17.4 15.3 12.9 16.2 15.0 17.5 19.0 19.8

1940 21.2 19.7 20.9 20.0 17.7 15.7 16.3 16.2 16.1 17.2 18.3 22.3

1941 23.3 23.4 21.0 21.7 18.0 14.8 14.4 17.7 14.6 18.4 19.5 20.7

1942 22.0 22.2 21.5 19.5 17.3 15.7 12.3 16.1 16.6 19.1 20.2 19.4

1943 20.6 21.5 21.5 17.7 17.8 17.1 15.5 15.0 16.7 18.4 19.9 19.9

1944 22.3 21.8 22.4 18.8 16.7 15.7 13.8 -999.9 18.3 21.1 18.6 -999.9

1945 21.1 -999.9 -999.9 19.0 -999.9 -999.9 -999.9 18.0 -999.9 -999.9 -999.9 -999.9

1946 20.4 22.4 19.8 17.2 17.5 14.6 13.7 16.6 -999.9 18.8 19.0 20.0

1947 -999.9 21.8 19.3 18.0 17.5 -999.9 13.3 14.7 16.3 15.3 17.2 18.6

1948 21.9 21.2 19.0 18.3 16.3 14.9 16.1 13.9 16.9 17.0 18.9 19.5

1949 20.6 19.8 21.8 17.7 15.5 15.6 14.6 15.6 16.5 17.0 18.0 19.8

1950 20.4 20.7 20.5 18.7 17.7 16.2 14.7 17.4 17.8 17.3 18.2 20.2

1951 20.3 21.0 20.1 16.2 16.0 14.2 13.4 14.3 17.0 18.3 19.3 18.8

1952 20.9 -999.9 21.6 18.4 14.5 15.5 15.2 -999.9 17.2 19.0 19.5 20.3

1953 22.0 20.9 21.2 18.3 17.2 15.6 13.6 16.0 18.1 18.8 18.9 20.0

1954 22.5 21.9 21.2 18.6 16.8 16.5 15.8 16.8 18.4 18.4 19.3 20.1

1955 21.1 22.1 20.8 18.9 -999.9 15.5 15.3 15.8 17.4 17.0 17.6 20.7

1956 24.0 21.6 20.5 18.5 15.4 13.7 14.3 14.2 18.4 17.7 17.5 19.6

1957 21.6 20.5 20.7 18.5 16.2 15.5 14.8 16.5 16.6 19.9 19.5 21.3

1958 22.2 22.7 20.4 18.1 16.5 15.9 16.2 18.4 17.2 18.8 21.2 22.0

1959 22.0 22.4 20.3 21.7 17.9 15.4 -999.9 16.5 18.7 19.5 19.4 20.6

1960 20.6 20.6 20.5 18.5 15.2 15.3 15.5 17.3 17.9 20.2 19.4 20.8

1961 21.6 21.8 20.6 20.2 17.3 16.7 16.3 17.7 20.4 20.7 21.2 20.7

1962 20.7 21.3 21.4 18.9 16.1 14.2 13.7 15.8 17.7 17.2 19.3 20.0

1963 22.5 21.3 22.5 19.1 16.4 14.9 16.0 17.5 20.5 19.6 21.2 20.6

1964 21.0 21.2 21.0 20.0 16.3 14.7 13.1 17.0 18.0 17.7 18.2 19.6

1965 20.1 21.4 19.8 19.6 16.9 17.2 15.6 17.6 19.5 18.9 20.3 22.0

1966 22.4 23.4 21.2 19.5 17.3 17.1 16.8 15.8 16.6 18.4 19.5 21.4

1967 21.2 22.1 20.9 19.4 18.1 16.5 16.0 18.6 18.3 20.6 19.2 19.2

1968 21.1 20.3 20.9 17.3 14.6 14.9 14.5 14.9 16.7 18.5 20.7 22.0

1969 22.9 22.7 21.8 18.8 17.5 16.7 15.8 17.0 18.7 17.2 20.2 19.6

1970 21.3 21.9 22.1 19.8 19.2 17.9 15.5 16.1 17.0 18.2 18.4 22.4

1971 23.5 22.9 22.3 19.4 17.0 15.5 15.5 17.0 17.7 17.7 18.5 21.1

1972 21.9 21.2 22.4 17.9 18.2 18.6 15.8 17.5 18.1 19.1 20.1 21.6

1973 23.1 23.7 21.1 22.4 17.7 17.8 17.0 16.1 17.0 18.0 16.1 21.4

1974 20.5 22.9 21.6 18.8 17.1 15.3 16.4 17.2 17.5 17.6 19.9 20.0

1975 21.3 22.6 22.4 18.8 16.8 16.2 14.6 19.2 19.4 18.8 20.0 22.1

1976 22.8 20.9 21.0 19.3 16.9 15.9 15.0 16.1 17.8 17.6 20.1 21.6

1977 22.7 23.9 22.7 19.3 17.7 17.0 19.0 16.7 18.8 20.2 20.4 20.5

1978 22.9 22.1 22.4 18.6 16.3 15.7 16.9 -999.9 17.1 19.7 19.7 20.7

1979 19.2 21.9 20.3 18.9 18.0 15.9 15.1 18.1 17.0 19.3 19.7 21.5

1980 21.2 22.2 22.8 20.2 19.4 15.7 17.3 17.4 16.1 19.9 19.9 22.9

1981 22.2 23.4 21.8 19.4 18.6 15.9 14.3 17.0 19.1 18.3 21.1 21.2

1982 20.3 23.1 20.8 18.2 16.8 18.1 16.9 17.9 18.1 19.2 21.9 20.5

1983 22.5 23.1 21.2 20.7 19.2 -999.9 17.6 17.0 15.9 18.8 21.4 21.8

1984 24.8 24.9 21.7 19.4 20.0 17.7 17.6 16.1 17.3 20.4 20.8 20.7

1985 20.7 22.9 22.4 21.2 17.5 15.2 15.3 18.1 17.5 19.9 21.1 21.6

1986 23.6 22.9 22.2 21.3 19.5 16.7 15.8 17.7 17.7 19.4 21.7 21.6

1987 23.3 22.6 21.5 21.5 17.5 15.7 18.5 16.5 17.1 19.8 21.2 22.2

1988 24.0 21.5 22.4 20.3 17.9 15.6 13.7 17.6 19.7 18.6 19.6 21.9

1989 22.7 22.9 22.2 21.3 17.4 16.3 15.0 16.9 17.7 17.7 20.0 21.2

1990 23.8 23.1 23.2 22.8 17.4 16.4 14.8 15.8 16.7 21.0 22.8 21.8

1991 22.0 21.9 21.1 20.3 18.5 17.7 16.2 17.5 17.5 20.2 21.5 22.7

1992 22.4 23.2 22.2 20.7 19.6 18.8 16.1 15.9 17.4 19.9 20.5 21.0

1993 23.2 22.0 22.5 21.2 18.2 16.5 17.6 16.2 17.4 20.7 22.8 21.9

1994 21.8 24.4 21.4 20.1 19.1 15.6 16.9 16.8 19.7 21.0 21.4 23.3

1995 24.0 23.1 22.1 20.5 18.2 17.3 18.6 20.2 18.7 18.9 21.1 21.8

1996 23.7 23.2 22.4 21.1 17.7 17.0 15.0 16.6 17.8 20.1 20.5 22.8

1997 22.6 23.3 21.4 20.2 17.8 16.5 18.2 18.4 19.6 20.4 22.5 24.0

1998 24.6 24.0 23.2 21.3 17.7 16.1 16.9 19.6 19.0 19.1 20.4 23.0

1999 23.7 23.7 23.2 20.3 17.4 16.6 17.3 17.2 18.8 17.9 19.0 22.3

2000 22.6 22.3 21.5 20.5 17.9 18.2 15.3 17.1 18.2 22.0 21.5 22.5

2001 24.0 23.9 23.7 22.5 18.3 17.5 17.3 18.6 18.5 20.3 21.6 21.7

2002 22.7 21.8 24.1 23.0 19.6 19.6 16.2 20.3 18.0 23.3 22.0 23.2

2003 22.8 25.4 22.5 21.4 18.2 19.1 17.8 16.1 18.3 20.1 21.2 22.5

2004 21.5 21.5 21.2 21.4 17.3 16.8 16.2 17.5 21.2 19.3 21.0 21.5

2005 22.5 22.3 22.5 22.3 19.7 -999.9 17.0 19.4 18.1 21.1 20.6 21.0

2006 23.8 23.6 22.8 20.6 17.0 17.2 18.1 18.9 18.5 20.2 20.9 22.7

2007 22.8 23.8 24.1 21.9 17.8 18.6 16.5 18.5 20.4 21.3 20.3 22.6

2008 21.7 22.6 22.1 21.1 17.6 17.0 17.4 18.9 17.9 20.8 20.7 21.2

2009 22.4 23.8 23.6 20.5 19.5 16.0 16.9 18.3 19.8 20.0 24.1 22.7

2010 23.4 24.7 23.1 20.7 18.5 -999.9 18.4 17.5 19.8 18.7 21.1 23.0

2011 23.9 24.4 21.7 21.8 17.7 16.0 17.5 18.4 18.2 20.3 20.0 22.4

2012 21.5 24.5 22.4 21.2 18.0 -999.9 17.8 19.2 20.1 22.5 21.0 24.5

2013 22.0 23.4 22.0 -999.9 17.5 18.1 16.4 18.0 19.1 19.9 21.5 23.3

2014 25.1 25.4 23.1 21.1 18.8 18.6 17.0 18.4 20.4 21.6 21.5 23.6

2015 25.3 23.6 22.2 20.9 18.7 18.2 17.9 19.9 21.1 21.9 22.1 23.6

2016 23.0 24.5 23.2 23.7 18.0 15.5 17.7 18.2 18.6 20.6 20.8 -999.9

Share this post


Link to post
Share on other sites

Na era Vargas os dados climatológicos foram escondidos como política de estado.

 

Hoje pode parecer estranho e outras coisas lá do bate-papo.

 

Faz sentindo em um mundo sem satélite e onde simultaneamente a monocultura do café é extremamente sensível a extremos das coisas do tempo.

 

O problema é que alguns dados foram tão bem escondidos...que até hoje não acharam os restantes.

Share this post


Link to post
Share on other sites

A maior sequência de meses seguidos, com temperaturas menores, foi de maio a agosto de 1917, todos com média abaixo de 14ºC.

 

Setembro de 1912 foi bem frio com 13,8ºC, muito frio também no Sul de Minas, Zona da Mata e todo Rio de Janeiro.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Pelos Tempos Interessantes

 

Aldo: estão pela ordem jan, fev....até dez.

 

# SAO PAULO (BRAZIL)

# coordinates: -23.50N, -46.62E, 792.0m (prob: 883m)

# WMO station code: 83781 SAO_PAULO

Obrigado, Mafili. :good2:

Share this post


Link to post
Share on other sites
Impressionante a correlação entre os ciclos de anomalias positivas e anos "ruins"/quentes. Flávio, pode me mandar os números? Quero fazer um estudo mais profundo.

 

Na realidade esses dados são da Oscilação Multi-decadal do Atlântico, um índice que ainda é muito questionável quanto a sua existência e abrangência (alguns estudos sugerem que represente apenas o Atlântico norte). Já mostrei aqui nesse fórum comentando da possível relação dele com a diminuição do gelo no Ártico a partir de 1996:

 

rtico?async&rand=0.9417227051337964

 

É só comparar esse gráfico com o da AMO que postei antes.

 

Segue o link com os dados para quem quiser brincar:

 

https://www.esrl.noaa.gov/psd/data/correlation/amon.us.long.data

 

By the way... se temos correntes oceânicas importantes percorrendo o Atlântico do sul para o norte e o norte está aquecendo, muita coisa pode ser cogitada!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.