Jump to content
Brasil Abaixo de Zero
Rodolfo Alves

Monitoramento e Previsão Climática (ENSO/SST/AAO/PDO)

Recommended Posts

DEVE VIR NA SEGUNDA METADE DO INVERNO, EFEITO MAIOR NA PRIMAVERA. NO GERAL O INVERNO TENDE A SER EM TORNO DO NORMAL, POSSÍVEIS EPISÓDIOS DE CALOR E FRIO MAIS FORTES QUE O ANO PASSADO.

Share this post


Link to post
Share on other sites
DEVE VIR NA SEGUNDA METADE DO INVERNO, EFEITO MAIOR NA PRIMAVERA. NO GERAL O INVERNO TENDE A SER EM TORNO DO NORMAL, POSSÍVEIS EPISÓDIOS DE CALOR E FRIO MAIS FORTES QUE O ANO PASSADO.

 

Primavera/Verão tem a princípio uma chance razoável de estarem sobre forte El Nino... O que teoricamente vai trazer de volta os volumes mais expressivos de chuva para o Sul, e os tão temidos bloqueios atmosféricos para o Sudeste...

 

O Calor que nos dois últimos Verões foi bem "brando", poderá voltar a ser bem mais significativo também entre 2017-2018...

 

Embora muito longe, esse poderá ser o nosso cenário pós-inverno 2017...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Rodolfo, você está sendo bondoso em dizer que os últimos 2 verões foram "brandos", kkkkkkkkkkkk! Eles apenas foram "menos ruins" do que 2014 e 2015, né. Agora, se acontecer outro verão tenebroso por causa desse El Nino, aí eu ficarei muito puto :lol:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Então,

Vamos analisar uma cidade no paralelo 30, a qual o querido João Tur gosta muito e também banhada por um enorme rio.

E futuramente tecer alguns comentários comparativos com Londres.

55mipg.png

Share this post


Link to post
Share on other sites
Rodolfo, você está sendo bondoso em dizer que os últimos 2 verões foram "brandos", kkkkkkkkkkkk! Eles apenas foram "menos ruins" do que 2014 e 2015, né. Agora, se acontecer outro verão tenebroso por causa desse El Nino, aí eu ficarei muito puto :lol:

Somos 2.

 

Além do que, caso surja um forte El Niño no inverno, ficarei p*** já em julho.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Então,

Vamos analisar uma cidade no paralelo 30, a qual o querido João Tur gosta muito e também banhada por um enorme rio.

E futuramente tecer alguns comentários comparativos com Londres.

55mipg.png

 

Bem amigos,

 

Continuando a matutar sobre o que seja inverno no paralelo 30 (no caso 30N, a Cidade do Cairo a qual tem um grande Rio (Nilo) que deságua em um enorme Lago (Mediterrâneo).

 

A média na Cidade do Cairo no mês mais ''frio'' do ano que acho que é dezembro é 13,9ºC.

 

Apesar de ser um cadinho mais ''fria'' que as similares na América do Sul este não é o ponto fundamental do raciocínio nos paralelos 30's.

 

O meu ponto aqui é a obrigatória similaridade do desvio padrão da Cidade do Cairo.

 

E estes sim são congruentes e ambos aproximadamente 1,0ºC.

 

Esperar o quê do inverno no Cairo?

 

Resposta,

 

Que aproximadamente 70% sejam 1ºC acima da média ou 1ºC abaixo da média.

 

Que aproximadamente 15% sejam 1ºC e pouco acima da média e outros 15% sejam 1ºC e pouco abaixo da média.

 

E vamos encontrar uns dois ou três centenários dois graus e cadinho abaixo da média e uns três quatros dois graus e um cadinho acima da média.

 

Agora vou matutar sobre o que acontece na Latitude 50 (Paris e Londres).

 

Abs.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Uma coisa que me deixa "encafifado"... :russian:

 

Tenho impressão que a sequência de verões quentes de 1997 para cá e a sequência de bloqueios em pleno verão, como em 2014 e 2015 (Falando da cidade de São Paulo), não são culpa só do El Niño.

 

Tivemos grande maioria de verões mais amenos entre 1961 e 1995 (E antes de 1961) e sempre houve El Niño e La Niña.

 

Pra mim, tem também algo ligado ao aquecimento que vem ocorrendo de Curitiba "pra cima". :russian:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Interessante Mafilli. Precisava desse cálculo para nossas cidades. Faltei na aula de estatística.

Share this post


Link to post
Share on other sites

De "Curitiba para cima" há um aquecimento nas médias, "para baixo", não houve o mesmo aquecimento,

mas houve sim mudanças, sendo episódios de neve e os recordes históricos de mínima menos frequentes do que

antes, e os episódios de calor, ao contrário, mais frequentes, longos e intensos.

Share this post


Link to post
Share on other sites
DEVE VIR NA SEGUNDA METADE DO INVERNO, EFEITO MAIOR NA PRIMAVERA. NO GERAL O INVERNO TENDE A SER EM TORNO DO NORMAL, POSSÍVEIS EPISÓDIOS DE CALOR E FRIO MAIS FORTES QUE O ANO PASSADO.

 

Primavera/Verão tem a princípio uma chance razoável de estarem sobre forte El Nino... O que teoricamente vai trazer de volta os volumes mais expressivos de chuva para o Sul, e os tão temidos bloqueios atmosféricos para o Sudeste...

 

O Calor que nos dois últimos Verões foi bem "brando", poderá voltar a ser bem mais significativo também entre 2017-2018...

 

Embora muito longe, esse poderá ser o nosso cenário pós-inverno 2017...

 

Quase sempre que vi previsões de El Niño, o prognóstico era de aparecer mais "para o fim do inverno / começo de primavera",

mais invariavelmente, o que eu vejo é o inverno ser estragado por inteiro, desde o começo! Salvo exceções como 2010.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Como o Coutinho disse, as condições de AGORA é que refletirão no miolo do inverno climático, entre o fim de maio e metade de julho. El Niño, caso venha mesmo (infelizmente, quase certo), vai influenciar na primavera (especialmente a partir de outubro) e no verão. Modelos de médio e longo prazo estão sinalizando um inverno normal a frio.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Uma coisa que me deixa "encafifado"... :russian:

 

Tenho impressão que a sequência de verões quentes de 1997 para cá e a sequência de bloqueios em pleno verão, como em 2014 e 2015 (Falando da cidade de São Paulo), não são culpa só do El Niño.

 

Tivemos grande maioria de verões mais amenos entre 1961 e 1995 (E antes de 1961) e sempre houve El Niño e La Niña.

 

Pra mim, tem também algo ligado ao aquecimento que vem ocorrendo de Curitiba "pra cima". :russian:

 

Há quem diga que pode ter algo haver até com o desmatamento na Amazônia. Não há provas científicas disso, no entanto.

 

Para mim continua um mistério esse "aquecimento pós-2000", essa é a verdade.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Incluam o vale do Itajaí nesse "de Curitiba pra cima"

 

A cada ano mais um cadinho na direção sul.

Share this post


Link to post
Share on other sites
De "Curitiba para cima" há um aquecimento nas médias, "para baixo", não houve o mesmo aquecimento,

mas houve sim mudanças, sendo episódios de neve e os recordes históricos de mínima menos frequentes do que

antes, e os episódios de calor, ao contrário, mais frequentes, longos e intensos.

 

Exatamente. Mudou sim.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Incluam o vale do Itajaí nesse "de Curitiba pra cima"

 

A cada ano mais um cadinho na direção sul.

 

*A cada ano* eu não sei... mas a cada década é bem plausível.

Em Curita a deterioração térmica começou em 1994, se agravando em 2001 e, talvez, tendo um novo patamar de piora a partir de 2014.

OBS: na opinião mafiliana, talvez Curita e Sampa tenham tido é uma melhoria térmica. Estamos abertos ao contraditório. :sarcastic:

Share this post


Link to post
Share on other sites

"Pesquisador peruano indica El Niño com massas de água de até 31ºC no Pacífico"

 

"O pesquisador peruano Jorge Manrique Prieto, especialista em sensoriamento remoto por satélite, disse em uma entrevista concedida em Utah, nos Estados Unidos, que está se formando, no Pacífico Sul, uma gigantesca massa de água quente de 31ºC de temperatura, de milhares de quilômetros quadrados de extensão, que chegará à costa peruana no próximo mês de agosto."

 

Matéria completa: https://www.noticiasagricolas.com.br/noticias/clima/189067-pesquisador-peruano-indica-el-nino-com-massas-de-agua-de-ate-31c-no-pacifico.html#.WNpvqNIrK1s

Share this post


Link to post
Share on other sites
"Pesquisador peruano indica El Niño com massas de água de até 31ºC no Pacífico"

 

"O pesquisador peruano Jorge Manrique Prieto, especialista em sensoriamento remoto por satélite, disse em uma entrevista concedida em Utah, nos Estados Unidos, que está se formando, no Pacífico Sul, uma gigantesca massa de água quente de 31ºC de temperatura, de milhares de quilômetros quadrados de extensão, que chegará à costa peruana no próximo mês de agosto."

 

Matéria completa: https://www.noticiasagricolas.com.br/noticias/clima/189067-pesquisador-peruano-indica-el-nino-com-massas-de-agua-de-ate-31c-no-pacifico.html#.WNpvqNIrK1s

 

:dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1:

:dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1:

:dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1: :dash1:

:dash1:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Existe um trabalho feito aqui na UFJF que mostra a quase inexistência de influência do ENSO na quantidade e distribuição de chuvas durante o verão na zona da mata mineira.

 

A gente costuma acreditar que o El Niño deixa o verão mais quente e seco no Sudeste, mas isso não necessariamente acontece. Talvez a temperatura no Atlântico influencia muito mais do que pensamos.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Existe um trabalho feito aqui na UFJF que mostra a quase inexistência de influência do ENSO na quantidade e distribuição de chuvas durante o verão na zona da mata mineira.

 

A gente costuma acreditar que o El Niño deixa o verão mais quente e seco no Sudeste, mas isso não necessariamente acontece. Talvez a temperatura no Atlântico influencia muito mais do que pensamos.

 

A gente?

 

Na Zona da Mata mineira a única influência de ENSO é aquela mostrada pelos meios de comunicação social na antiga hora do Jantar.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.