Jump to content
Brasil Abaixo de Zero
Alexandre Aguiar

Temas Gerais

Recommended Posts

Nível dos reservatórios de água do Cantareira cai pela 22ª vez seguida

 

O nível dos reservatórios de água do Sistema Cantareira registrou a 22ª queda seguida neste domingo (23) e chegou a 16,2% da capacidade, segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). No sábado (22), o índice era de 16,3%.

 

Segundo a Sabesp, foi registrado 0,1mm de chuva no manancial, mas ele não foi suficiante para elevar o nível dos reservatórios.

 

[...]

 

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/08/nivel-dos-reservatorios-de-agua-do-cantareira-cai-pela-22-vez-seguida.html

Share this post


Link to post
Share on other sites

Nível do Sistema Cantareira cai pelo segundo dia seguido neste domingo

 

O nível dos reservatórios de água do Sistema Cantareira caiu novamente neste domingo (29), depois de ter ficado estável na sexta (27) e caído no sábado (28). As represas agora operam com 15,6% da capacidade, 0,1 ponto percentual menos do que os 15,7% registrados no sábado.

 

Trata-se de apenas mais uma queda no mês de agosto, que não registrou nenhuma elevação de nível até agora. Os dados são da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

 

(...)

 

k653Zh2.jpg

 

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/08/nivel-do-sistema-cantareira-cai-pelo-segundo-dia-seguido-neste-domingo.html

Share this post


Link to post
Share on other sites

Segundo notícia do The Washington Post desta sexta, o NOAA está em vias de triplicar o processamento de seus supercomputadores nos próximos dias.

 

O novo sistema de supercomputação da NOAA agora contará com 2 supercomputadores. Sendo 1 para rodagem diária e outro para suporte. Eles irão rodar a 5,78 petaflops, sendo que o processamento atual é de 2,89 petaflops.

 

Com isso, os principais modelos rodados pelo NOAA, dentre eles, o GFS, sofrerão uma nova atualização ao longo deste ano, e tendem (segundo o pessoal da NOAA) a ficar mais precisos com esta atualização.

 

https://www.washingtonpost.com/news/capital-weather-gang/wp/2016/01/15/national-weather-service-triples-computing-power-to-generate-more-accurate-forecasts/

Share this post


Link to post
Share on other sites

No Verão o GFS funciona muito bem. Sempre saídas consistentes. E o Europeu é um desastre. No inverno o inverso ocorre.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Nesta terça-feira, será inaugurado um novo Radar Meteorológico para operar na cidade de São Paulo.

 

O Radar que está instalado no Parque da Água Funda (do lado da estação do IAG) foi doado pelo governo francês, será operado pelo FCTH em conjunto com a USP/IAG/Poli, e estará disponível no Portal Chuva Online a partir desta semana.

 

Esse Radar será de altíssima resolução (Banda-X), com resolução de 75m quadrados. O Radar do EACH/Climatempo tem 90m quadrados. Além de ser do tipo Doppler com dupla polarização, o que permite identificar quais tipos de precipitação acontece (granizo, neve, chuva congelada, etc). As atualizações do Radar serão feitas de 1 em 1 minuto, contra 6min do EACH/Climatempo. Seu alcance será num raio de 60km a partir do Parque da Água Funda, o que cobre toda a Capital, e quase toda a RMSP.

 

Ao que tudo indica, será um ganho enorme para a Capital e RMSP na monitoração de chuvas...

 

Mais informações: http://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-exatas-e-da-terra/radar-meteorologico-de-alta-resolucao-vai-aprimorar-previsao-de-chuvas-na-grande-sao-paulo/

Share this post


Link to post
Share on other sites

NOAA ANUNCIA A CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO DE PREVISÃO EM ATÉ 3 ANOS;

GFS ATUAL SERÁ APOSENTADO ATÉ A SUBSTITUIÇÃO DO NOVO MODELO!

 

(Matéria Traduzida pelo Google do Weather Channel)

Com um objetivo elevado de construir melhor modelo de previsão global do mundo, a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) está definido para desenvolver e implementar uma versão muito melhorada ao longo dos próximos três anos.

 

Há uma série de modelos globais de previsão de computador que foram desenvolvidos ao redor do mundo para uso pelos meteorologistas. O modelo atual do computador usado pelo NOAA é o sistema (GFS) Previsão Global.

 

Ao longo dos últimos anos, alguns críticos do modelo GFS salientou que ficou para um pouco atrás do modelo europeu (ECMWF), em precisão geral de previsão.

 

Criando melhor modelo de previsão global do mundo

 

NOAA fez desenvolver melhor modelo global do tempo do mundo uma prioridade, e em 27 de julho, 2016, eles anunciaram que um novo state-of-the modelo de previsão global da arte irá substituir o modelo GFS atual.

 

O novo modelo também será chamado a GFS, e durante a sua fase de desenvolvimento, ele será executado em um modo de teste antes que se torne totalmente operacional em cerca de três anos. O modelo será executado em supercomputadores poderosos.

 

NOAA identificou algumas metas para o novo modelo GFS:

 

- Um sistema unificado para melhorar a precisão das previsões para além de oito a 10 dias

- previsões do modelo melhor de faixas de furacão e intensidade

- Extensão da previsão do tempo através de 14 dias, e por eventos extremos, de três a quatro semanas de antecedência

Houve realmente uma competição de vários modelos, um dos quais seria escolhido como o principal "driver" do novo modelo GFS. Estes modelos foram testados ao longo de vários meses, e uma comissão de seleção NOAA escolheu o Volumes Finitos em um Cubed Sphere (FV3) como o modelo que seria usado.

 

Este modelo foi desenvolvido pela NOAA Geophysical Fluid Dynamics Laboratory (GFDL), em Princeton, Nova Jersey.

 

NOAA indicou que o núcleo FV3 traz um novo nível de precisão da representação do modelo de processos atmosféricos, tais como movimentos de ar. Isso faz com que possíveis simulações de nuvens e tempestades com uma resolução muito maior do que o que é usado agora.

 

Como resultado, o novo modelo GFS será capaz de fornecer previsões localizados para vários eventos climáticos ao gerar uma previsão global a cada seis horas.

 

diretor do Serviço Meteorológico Nacional de NOAA Dr. Louis W. Uccellini emitiu a seguinte declaração: "Usando nosso novo núcleo dinâmico, que impulsiona o modelo e as técnicas de modelagem mais novos, estamos preparados para desenvolver e executar um modelo global mais preciso e confiável que é usado como base para todas as previsões do tempo em os EUA "

 

Ele passou a dizer que eles estão "colaborando com os melhores desenvolvedores modelo em os EUA e ao redor do mundo para garantir que o GFS tem os mais recentes avanços na modelagem previsão do tempo para que possamos acelerar as melhorias no modelo de como eles são desenvolvidos. "

 

É esperado para levar três anos para desenvolver o novo modelo GFS.

 

Há ainda alguns críticos da decisão de usar o modelo FV3 como o "driver" para o novo modelo GFS. Houve um outro modelo (MPAS), desenvolvido pelo Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica em Boulder, Colorado, que sobreviveu até o corte final.

 

Dr. Cliff Mass, professor de Ciências Atmosféricas da Universidade de Washington, acredita que o modelo MPAS deveria ter sido a escolha para NOAA.

 

"Os europeus estão trabalhando em uma versão atualizada do seu modelo que é semelhante aos MPAS", disse Massa.

 

Sua preocupação é que os EUA vão acabar ainda mais para trás na previsão do tempo.

 

https://weather.com/news/news/improved-global-extended-weather-forecast-model-accuracy-gfs

Share this post


Link to post
Share on other sites

Novo sistema de monitoramento de tempestades do INPE já está no ar!

O SOS Chuva http://sigma-soschuva.cptec.inpe.br/# traz vários produtos extras para os radares de São Roque e Pico do Couto, o que deixa bem mais informativo para monitorar tempestades entre SP-RJ-MG.

 

O site também com um mini-radar na região de Campinas que entrará em operação no mês que vem, e que terá uma gama de produtos para monitoração de tempestades.

 

Para os Radares de São Roque e Pico do Couto, além da tradicional Refletividade em Cappi....

 

2IkwiB6.png

 

Agora temos Previsão de Deslocamento das células nos próximos 20min

 

VihDCYj.png

 

Informação de Vento Radial. Com isso será possível detectar com maior precisão células rotatórias e que apresentem potencial tornadico.

 

siufR6F.png

 

Também disponibilizaram campo de VIL. Fundamental para a detectar potencial de granizo nas células.

 

colAfRF.png

 

Além dos produtos de Radar, há outras seções para monitorar tempestades, incluindo dados de Raios, Satelite e Sondagem.

 

C9tok1t.png

Share this post


Link to post
Share on other sites

Maravilha hein!

Gostei principalmente do vento radial :clapping:

 

Só espero que não desliguem o radar Pico do Couto :mosking:

Share this post


Link to post
Share on other sites
Maravilha hein!

Gostei principalmente do vento radial :clapping:

 

Essa era a minha principal reivindicação para os radares da Aeronautica.

 

Se tivéssemos o Vento Radial disponível em Junho, teríamos observado via Radar, a rotação nas células que geraram tornados em Campinas e Jarinu!

 

Essas imagens são fundamentais para Radares no Centro-Sul do país!

 

fa6aK6H.png

nt8fjOi.png

Share this post


Link to post
Share on other sites
Novo sistema de monitoramento de tempestades do INPE já está no ar!

 

Todos os radares disponíveis no site do REDEMET têm capacidade para oferecer esses produtos?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Explaining New Zealand’s “unusual” growing glaciers

 

At least 58 New Zealand glaciers advanced between 1983 and 2008, with Franz Josef Glacier (Kā Roimata o Hine Hukatere) advancing nearly continuously during this time.

 

http://www.victoria.ac.nz/news/2017/02/explaining-new-zealands-unusual-growing-glaciers

 

https://sandcarioca.wordpress.com/2017/03/15/sim-claro-a-expansao-das-geleiras-na-nova-zelandia-e-consistente-com-a-hipotese-de-aquecimento-global/

 

(artigo)

http://www.nature.com/articles/ncomms14202

 

30kbp81.jpg

(Franz Josef Glacier, 2005. Photo: Andrew Mackintosh)

Share this post


Link to post
Share on other sites
Pessoal, se a Cordilheira dos Andes não existisse, como seria o clima do Brasil?

 

Deserto entre Brasília e Floripa e Mediterrâneo de Floripa para baixo.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mas Bruno, nessas mesmas latitudes, as áreas próximas das costas leste (Tanto na Austrália como no sul da África) são verdes.

 

Será que aqui na América do Sul o clima seco chegaria mesmo a Floripa?

Ou você quis dizer latitude de Floripa?

Share this post


Link to post
Share on other sites
Pessoal, se a Cordilheira dos Andes não existisse, como seria o clima do Brasil?

 

Deserto entre Brasília e Floripa e Mediterrâneo de Floripa para baixo.

 

Seria um outback australiano entre Brasília e Floripa, e não existiria o deserto costeiro do leste da Patagônia. :ok:

Share this post


Link to post
Share on other sites
Pessoal, se a Cordilheira dos Andes não existisse, como seria o clima do Brasil?

 

Deserto entre Brasília e Floripa e Mediterrâneo de Floripa para baixo.

 

Seria um outback australiano entre Brasília e Floripa, e não existiria o deserto costeiro do leste da Patagônia. :ok:

 

A Cordilheira dos Andes é uma bênção.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.