Jump to content
Brasil Abaixo de Zero

Allef Matos

Moderators
  • Content count

    812
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    4

Everything posted by Allef Matos

  1. No dia 30 de junho a advecção de vorticidade ciclônica associada a um cavado em 500 hPa deve disparar a formação de um ciclone extratropical sobre o RS. Essa baixa é alimentada fortemente pela advecção térmica associada ao Jato de Baixos Níveis O resultado vai ser um ciclone que vai se aprofundar forma explosiva na costa do RS Em 24 horas ele sai de 1004 hPa para 967 hPa. Queda de aproximadamente 37 hPa em 24 horas. Para um ciclone extratropical ser explosivo precisa cair 1 Bergeron. Esse cálculo do Bergeron é dado por: B = 24 hPa x (sin φ/sin 60°) onde φ é a latitude Para a latitude 32°S que é mais ou menos a latitude onde o ciclone vai se aprofundar teria que decair aproximadamente 14,7 hPa em 24 horas para ser explosivo. Esse cairia 37 hPa ou 2,51 Bergeron. Super explosivo para nossas latitudes. O intenso gradiente de pressão causaria intensas rajadas de vento. A rajadas chegariam a 90 a 110 km/h no leste, nordeste e sul do RS e alguns pontos entre 110 e 130 km/h. Algumas saídas já chegaram a colocar rajadas entre 140/150 km/h no litoral gaúcho. Nas saídas de agora esses máximos de vento ficariam restritos a alto mar, porém numa distância ainda próximo da costa, o que requer atenção. Além do RS, as rajadas podem passar de 100 km/h também no litoral sul de SC e alguns pontos do leste catarinense, sobretudo bordas de serras. Aliás, em bordas de serra das altitudes mais elevadas da serra de SC podem ter rajadas bem significativas. Antes do aprofundamento do ciclone, o vento NW devem ser intenso em alguns pontos do norte do RS, centro, sul e oeste do PR e boa parte de SC, com rajadas entre 80/100 km/h. Além dos ventos, o mar vai ficar agitado em todo centro-sul brasileiro. Atenção aos navegadores. Enfim, um evento interessante para se acompanhar. Após este sistema, frio constante, sobretudo no RS. Previsão do ECMWF para Pinheiro Machado:
  2. Mais um dia de show da Chucha MeneHell no leste de SC. Indaial - INMET 30,7°C e no Progresso, em Blumenau 30,4°C. Calor tbm no sul do RS. Em Pelotas chegou a 27,6°C.
  3. Por enquanto não ta dando nem pra falar que é um inverno xoxo com uma ou duas bombas.😅
  4. Se analisar a questão da sensação térmica nem existe comparação. Montevidéu é sempre ventosa. Se neve for critério, Blumenau é mais fria que Porto Alegre já que a capital gaúcha não vê neve há vários anos enquanto a cidade catarinense teve neve em 2013. KKKKKKKKKKKKKKKK
  5. Valeu, Felipe. Considerando o fato de que Montevidéu não tem média compensada, mas sim média simples transcrevi Curitiba para as médias simples. Curitiba Janeiro: 22,0°C Fevereiro: 22,1°C Março: 21,3°C Abril: 19,3°C Maio: 16,0°C Junho: 14,9°C Julho: 14,4°C Agosto: 15,6°C Setembro: 16,3°C Outubro: 18,2°C Novembro: 20,0°C Dezembro: 21,2°C Anual: 13,4/23,5°C (18,4°C) Montevidéu Janeiro: 23,3°C Fevereiro: 22,8°C Março: 21,3°C Abril: 17,9°C Maio: 14,6°C Junho: 11,8°C Julho: 11,1°C Agosto: 12,4°C Setembro: 13,7°C Outubro: 16,7°C Novembro: 19,0°C Dezembro: 21,5°C Anual: 13,2/21,1°C (17,1°C) Como não tem médias horárias de ambas estações oficiais, a unica forma objetivo de compara-las é usando a média simples. Não existe média compensada de Montevidéu. Aliás médias compensadas são bem complicadas de fazer comparações quando se existe grandes diferenças latitudinais e longitudinais. Sobre as mínimas absolutas teria que analisar a questão do formato do relevo de ambas, já que comparar baixadas com estações planas ou de topos é comparar maça com banana. Sobre a neve Nova York como é sabido por todos tem grandes nevadas. Istambul, quase na mesma latitude, pode ter nevadas tão poderosas quanto por causa do lake effect snow do Mar Negro. Nem por isso Istambul é tão fria quanto. Mesmo que num dado ano neve mais em Instambul, Nova York ainda continuará sendo mais fria.
  6. Nem da bola. Quem compara lugares através de eventos isolados ou ta querendo trollar ou desconhece estatística. Em termos de temperatura média tanto anual quanto de inverno, que é o melhor parâmetro objetivo que existe, Montevidéu é indiscutivelmente mais fria.
  7. Pinheiro Machado topo tem potencial para chegar 37°C ou mais. Logo Curitiba é mais fria. STONKS
  8. Não existe qualquer comparação entre Montevidéu e Curitiba. Att
  9. As médias de algumas capitais nesses primeiros 9 dias de junho. No geral junho sem episódios de frio significativo até o momento.
  10. Tem gente que não tem o que fazer mesmo. É cada uma. Segue o baile.
  11. PM parte urbana está em topo (420 m pra cima). A melhor referência é a dos Veledas, que infelizmente anda com problemas de internet. Espero resolvermos por esses dias. Porém como é típico do sul gaúcho, há uma expressiva parte das pessoas que moram no interior do município e não propriamente na cidade. O município é repleto de topo e baixadas, a Olaria representa uma dessas baixadas (296 m de altitude). Há gente morando.
  12. Realmente é um cenário interessante apontado pelos modelos para o dia 4 e 5 de junho, embora ainda tenhamos poucas certezas. Após a passagem da massa polar sobre parte do Sul entre os dias 1 e 2, o cavado frontal em 250 hPa e 500 hPa estaria sobre os Andes com o eixo bastante inclinado por causa de uma crista sobre o Centro-Sul no dia 3. Este eixo bastante inclinado favoreceria que o escoamento associado ao cavado, com velocidades relativamente menor, se desprendesse do restante do escoamento de oeste, fechando a circulação, e consequentemente dando origem a baixa fria. Pelo ECMWF em 300 hPa Pelo GFS ainda mais inclinado Essa circulação ciclônica em médios e altos níveis advectaria vorticidade ciclônica sobre o RS favorecendo a formação de uma baixa em superfície. Paralelamente em baixo do VCAN, em superfície, haveria o anticiclone pós-frontal se deslocando sobre a Argentina e transportando ar frio de SW para o RS enquanto sobre o mar o anticiclone maritimizado ( o do dia 1 e 2) transportaria ar mais quente de Nordeste, criando uma área de confluência de ar quente / frio, o que em tese favoreceria a formação do ciclone extratropical em superfície. Ciclones extratropicais necessitam de gradiente horizontal de temperatura para se desenvolverem. Independente da intensidade (isso é secundário no momento), reparem que o ciclone se formaria nas vizinhanças do RS e intensificaria próximo ao estado gaúcho devido ao anticiclone maritimizado impedir o seu rápido deslocamento para alto mar. Geralmente, quando esses ciclones são impedidos de avançar rapidamente cria condição para ocorrer acentuados gradientes de pressão próximo a costa do Sul, o que favorece a ventos intensos. Em outubro de 2001, houve um episódio ciclônico similar no RS. Na ocasião provocou ventos acima de 130 km/h de NE em partes da costa. Além dos impactos direto do vento, houve empilhamento das águas da Lagoa dos Patos inundando parte da orla da Costa Doce em alguns lugares. Vejam a semelhança com cenário previsto. Também, como todos talvez saibam baixas frias carregam bastante ar frio e favorecem a instabilidade, além do aporte de umidade do ciclone. Poderia então chover sobre partes do RS e de SC com espessura baixa favorecendo condição para neve. Poderia nevar até em lugares de menor altitude no RS. Porém, o cenário ainda é totalmente incerto. As informações são a mais a título de curiosidade. Quem tem acompanhado tem percebido a loteria que tem sido para os dez primeiros dias de junho. E mesmo agora, com uma aparente concordância entre o ECMWF e o GFS, não há concordância com relação a intensidade das baixas, nem com o timing e nem em como se daria a interação do ar frio com as prováveis instabilidades. Portanto, vamos acompanhando com cautela, pés no chão e torcendo pra se concretizar.
  13. Bingo. A advecção, trocando em miúdos, é um transporte horizontal de uma propriedade causada pelo vento. No caso da advecção fria, é um transporte de temperaturas mais baixas para uma região onde as temperaturas estão mais altas. Esse ar mais quente é substituído por um ar mais frio. Dito isso, é bem comum acontecer de termos a entrada do ar frio com bastante vento e queda na temperatura, portanto uma advecção fria e na noite seguinte ainda continuar ventando. Mas quando analisamos o perfil de temperatura nos baixos níveis (925, 900, 850 e 800 hPa) percebemos que houve de fato uma queda de temperatura no primeiro dia, quando o ar frio entrou. Enquanto no segundo dia, mesmo com o vento, a temperatura pouco variou nestes níveis em relação ao primeiro dia. Portanto houve advecção no primeiro dia, mas não no segundo ou muito fraca no segundo dia. A variação local de temperatura vai ser causado por outros fatores, que não seja a advecção, no caso as trocas de calor superficiais. Pra variar, a situação atual nem se compara ao descrito acima. Ontem não só havia advecção fria como estava mais frio que hoje nos baixos níveis. Hoje foi puramente advecção seca e quem conseguiu se proteger se beneficiou da secura. Acredito também que a urbanização do mirante ajudou a agravar.
  14. Não defendendo o Mirante, mas apenas tentando trazer alguma luz a essas bizarrices. O perfil de umidade na madrugada era muito seco desde a superfície até os níveis médios tanto no Sul quanto na maior parte do Sudeste e Centro-Oeste. Era bastante ar seco! Esse ar seco estava sendo advectado pelo ciclone posicionado sobre o oceano, o que atrapalhou uma maior estabilização nos locais desprotegido do vento. O detalhe é que não havia muita advecção de temperatura (ar frio), foi praticamente uma advecção de umidade (falta dela ou ar seco). A advecção de temperatura era fraca, portanto pequena para remover calor da superfície, o resfriamento ficou mais condicionado a perda radiativa superficial. E como havia vento seco essa perda radiativa foi drasticamente suprimida nos locais expostos ao vento. A explicação é que o vento naturalmente já causa mistura, ou seja, misturando o ar mais frio da superfície como ar mais quente das camadas acima (exceto quando tem advecções frias mais consistentes). Se ta muito seco a mistura é maior ainda. A temperatura não cai nem com a misericórdia divina! Já os locais que conseguiram se proteger desse vento seco se beneficiaram porque conseguiram "capitar" de forma mais acentuada esse ar frio desestabilizado dos topos e ainda tiveram grande perda radiativa superficial local dado os baixos valores de umidade na baixa atmosfera. Por isso essas diferenças bizarras de temperatura em vários lugares.
  15. Verdade, Felipe. Minhas configurações foram quase resetadas para as configurações de fábrica.😂😂😂😂 Zoeiras a parte, to adaptando aos poucos. Blumenau ainda é tolerável no meu gosto, terrível seria readaptar totalmente ao clima do MT.
  16. Excelente, relato Vieira. É um clima realmente bastante peculiar no Brasil e que me conquistou. As tardes geladas com sol baixo, fraco, regada a bastante vento algumas vezes outras nem tanto vento, mas quase sempre com sensação de frio em plena tarde. Era marcante! Algumas vezes frio forte as 15 horas sem nenhuma nuvem no céu e sem nenhuma massa polar "poderosa" atuando. Me impressionava demais. Nossa cabeça tropical associa dias gelados diretamente com dias nublados. Além disso tinha tbm os dias com mínimas próximo a 0°C com vento, outros dias com frio tradicional (mínimas de 0°C ou negativas sem vento com a geada comum) e do nada um dia com instabilidade (chuva e raio) intercalando. Sem haver aquecimentos nesse intervalo. Mas as vezes resolvia dar uma esquentadinha ligeira em algumas pré-frontais, fazendo as paredes do interior das casas suarem.
  17. Buenas, não queria retornar ao assunto até porque como moderador tenho que prezar pela bom andamento do fórum, mas me intrigou algumas mensagens...diria que um tanto quanto empíricas. Como foi comentado é questão puramente de gosto alguém preferir capital A ou capital B, região A ou região B. Gostos são gostos. Contudo, vi algumas mensagens equivocadas mandadas por alguns usuários para justificar escolhas pessoais o que me motivou a trazer algumas informações a título de curiosidade. Primeiramente, vi algumas pessoas dizendo que o verão nas "baixitudes" do RS são sufocantes. Na verdade é um pouco sufocante sim, mas nas áreas do oeste, noroeste, vales, depressão central e grande POA. Mesmo assim não é um bicho de sete cabeças em se tratando de Brasil, pra variar ainda consegue vários dias amenos/frios no verão devido a entradas de frentes frias. Claro, para as regiões de maior altitude, principalmente os planaltos e serras do leste é bem quente de fato. Outra questão é que esse período mais quente é bastante restrito a DJFM!!! Outubro, novembro e Abril são de forma geral amenos ou bem toleráveis, apenas com alguns dias mais sufocantes. Nas demais épocas do ano, o frio/ameno se intercalam com alguns dias mais quentes. Nem de longe é a alternância de frio/calor como alguns falaram. O verão do sul gaúcho, litoral e as áreas mais altas são bem tranquilos, exceto por alguns dias de calor mais intenso. Peguei como exemplo, a cidade de Pelotas onde morava antes de estar agora em Blumenau. Abaixo uma tabela do ano de 2018 que foi um ano mais normal no sul gaúcho, apesar do inverno um pouco abaixo da média: Como podem ver, apesar do fevereiro abaixo da média o restante do período quente (janeiro, março e dezembro foram na média) e novembro bem acima da média. Ta certo que o inverno foi um pouco abaixo da média, porém a anomalia trimestral na região foi de -0,x, nada de extraordinário. Realmente são poucas entradas de calor no inverno, o frio é bem constante. Ao contrário do que muitos podem pensar, não é nenhum pouco nublado ou com baixa insolação, tem é bastante sol. Pelotas tem mais sol que o Rio de Janeiro, quem duvida olhe as normais de insolação de cada município. As máximas baixas é efeito puro da latitude e os dias no inverno são quase sempre ventosos trazendo sensação térmica bem baixa. Foi bastante sofrido para mim que morava no Mato Grosso e teve que se adaptar a um clima desses (morei entre 2013 - 2019). É sofrido até para vários colegas que tive oriundos de climas tropicais de altitude/amenos e até de certas regiões do sul do país. Obs: Janeiro a metade de maio são dados da estação convencional/oficial e da metade de maio para o final do ano são dados da PWS instalada por mim e pelos meus amigos (Fernando Rafael e @Gabriel Cassol) no bairro Colina do Sol. Todas as médias são médias simples. Agora 2016, uma tabela com um junho bem frio, mas com um verão quente, sobretudo fevereiro muito acima da média. O verão quente anula todo restante do ano??? Aí vai do gosto de cada um: Assim como em 2018, as advecções constantes no inverno impediram mínimas mais expressivas na região. Inclusive a mínima absoluta anual de 2016 ficou bem acima da média. Todavia, nem tudo se resume a mínimas, o frio foi constante e com sensação térmica bem baixa. Obs: janeiro a abril são dados da estação convencional/oficial, a partir de maio são dados de uma outra estação que tínhamos no norte da cidade. Tanto em 2018 como em 2016, ambas as PWS foram instaladas em maio, eis o motivo de pegar o verão da estação convencional. Mas não difere quase nada da PWS. Ao contrário de 2016 e 2018 que foram normais na média anual, 2019 foi um ano bem quente. Janeiro muito quente, junho foi o mais quente já registrado junto com 2005 (maior média máxima disparado em 100 anos). Porém nenhum bicho de sete cabeças, exceto por alguns dias. No dia 5 de julho houve precipitação fraca de chuva com neve em flocos (água e neve). Como um bônus, a tabela de Pinheiro Machado - topo em 2018: E pra encerrar um ano com um inverno porreta (2007) em Bagé: Novamente fica a pergunta, o suposto "verão escaldante" anula o restante ano?? Vai da análise de cada um. Todas as médias nas tabelas acima são médias simples. Não trabalho com compensadas.
  18. Gente, voltamos ao monitoramento que é o objetivo do espaço. 👍
  19. Porto Alegre é a que mais facilmente consegue média máxima sub-20°C em algum mês do inverno. Ainda tem média anual de 20°C. Pena que muita gente aqui gosta de denegrir o clima da cidade por causa da péssima localização da estação do INMET para as mínimas e pelo dito "verão infernal" (verão quente para os planaltos, mas tranquilo para o padrão Brasil). Floripa e Curitiba tbm são boas. Clima tropical de altitude como BH e Brasília, embora respeite não me apetece.
  20. Perfeito, Felipe. Medição de relva é batata, não tem erro. Um incoterm bem acurado já quebra esse galho. No demais tem que ter cuidado mesmo com essas gramíneas com pelinhos.
  21. Eu não quero duvidar de ninguém, mas geada com temperatura igual ou acima de 5°C após uma tarde que não foi seca, como em vários desses lugares, é uma coisa extremamente difícil pra não dizer improvável. Geada com temperaturas mais altas necessita de ar bastante seco para possibilitar uma grande perda de infravermelho termal superficial e assim favorecer um gradiente mais acentuado entre a relva e a temperatura a 2m. Quando ocorre, geralmente é algo ralo que só é perceptível mexendo na vegetação. Jamais perceptível por foto a distância. Se realmente houve geada com temperatura mais alta após tanta umidade é algo tão excepcional que requer um estudo de caso. Porém não vou polemizar, é apenas para constar.
  22. Boa tarde, Essa estação estava offline até o final da manhã. A mínima foi de 3,7°C no amanhecer, quando voltou online reportou como mínima para o site a temperatura daquele momento. Normal isso acontecer! Essa estação é de topo (470 m) e o Passo da Olaria é baixada (295 m). Ambas estão calibradas.
  23. Allef Matos

    Monitoramento e previsão Europa - 2020

    Que horripilante o inverno nestas áreas. Impressionante demais.😱
  24. O cenário dos modelos é por demais de interessante tanto para hoje como para os próximos dias no Rio Grande do Sul. Neste dia 09 uma ampla crista em 200/250 hPa se estende por parte do cone-sul, associado ao transporte meridional de ar quente e dificultando o deslocamento de sistemas transientes pela região. Em 500 hPa uma alta sobre posicionada sobre o norte da Argentina influenciando o tempo nesta região e nas áreas próximas. Esse sistema gera movimento subsidente e inibe a formação de nuvens de chuva. A compressão adiabática associada e a radiação solar incidente, juntamente com o transporte meridional de calor favorece a elevação acentuada da temperatura. Pelo campo de altura geopotencial em 500 hPa (figura abaixo) é possível visualizar melhor a crista. Ela se estendendo até próximo ao centro-sul da Argentina. Para quem não sabe a temperatura na coluna troposférica influencia a altura geopotencial. Valores mais altos de altura geopotencial denota presença de ar quente inchando a coluna e elevando a superfície geopotencial no dado nível. Enquanto ar frio comprime a coluna e diminui a altura no nível a que se está medindo. Um campo excelente para estes tipos de análises é o campo de espessura geopotencial entre 500 hPa e 1000 hPa. Temperatura máxima prevista pelo ECMWF na tarde de hoje. Reparem no RS. Importante lembrar que o Euro é conservador para temperaturas, não raro acontece de fazer 2 ou até 3°C acima dos valores brutos, principalmente nas cidades de menor altitude. Isso abre chance para beliscar os recordes em alguns lugares. O padrão se mantém nos próximos dias. No dia 14 há chances reais de quebras de recordes absolutos para março. Para terem uma ideia vai alguns recordes em março no RS: Uruguaiana: 39,7°C (1953) São Gabriel: 39,4°C (1925) Bagé: 39,2°C (1953) Pelotas: 39,1°C (1926) Porto Alegre: 38,9°C (1926) Encruzilhada do Sul: 38,4°C (1926) Algumas saídas já chegaram a colocar esses valores brutos para as cidades da campanha, sul, oeste gaúcho e até mesmo grande POA. Contudo ainda tem que seguir monitorando já que falta alguns dias até lá.
×

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.