Jump to content
Brasil Abaixo de Zero

klinsmannrdesouza

Members
  • Content count

    679
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    1

Everything posted by klinsmannrdesouza

  1. A frente fria da semana passada e sua massa polar impactaram as temperaturas em parte do país, mesmo que modestamente podemos considerar como uma pequena onda de frio.
  2. A Cordilheira dos Andes canaliza as massas polares para norte na América do Sul, somado com o baixo relevo do Chaco e a disposição longitudinal das serras no Brasil facilita os ventos frios de chegarem muito próximos da linha do Equador, principalmente na Amazônia. As altas altitudes das montanhas comprimem os anticiclones frios de modo que eles adentram o continente pela Patagônia ou Terra do Fogo.
  3. Essa imagem parece mais com o mês de Dezembro do que Maio.
  4. Para as localidades ao sul do paralelo 23, agosto é mais frio em média do que maio, mas para as regiões ao norte do paralelo 23 maio está empatado ou é até mais frio, por causa do fator secura+calor.
  5. Agosto, em média, é mais frio que maio, porém a radiação solar é mais elevada e é mais propenso a eventos de calor provocado pelos bloqueios atmosféricos. Maio ainda é outono, por isso o frio tende a ser mais brando, apesar das frentes frias avançarem com maior facilidade pelo interior do continente, não é raro que neste mês as massas polares sejam continentais amplas, enquanto agosto possui maior histórico de continentais bloqueadas. Já tivemos muitos meses de maio excelentes em termos de frio: 1979, 1984, 1988, 1990, 1996, 1997, 1999, 2004, 2006, 2007, 2008, 2009, 2011 e 2013. Em alguns anos, é neste mês em que ocorrem as menores temperaturas mínimas do ano na maior parte do país, como foi em 2006, um ano morno em que somente maio se salvou, e 2018, naquela massa polar entre os dias 18 e 22. Também tivemos bons meses de agosto: 1978, 1984, 1991, 1999, 2003, 2010, 2013, 2016 e 2018, 1999 e 2010 com direito a frio intenso.
  6. Exatamente, a primeira quinzena de julho normalmente registra as menores temperaturas do ano no Brasil como um todo, maio já apresenta uma dinâmica mais próxima do inverno do que no outono, dá pra notar agora que esta anoitecendo bem cedo e amanhecendo mais tarde. Eu excluo agosto e setembro porque estes dois meses destoam muito dos outros três pela maior intensidade dos raios solares e pelos bloqueios secos que impedem as frentes frias de chegarem até o interior, até no Sul agosto já é mais quente.
  7. O pico do frio ocorre nos meses de maio, junho e julho, por enquanto este mês começou quente e agora está dentro da normalidade com o frio. Agosto não dá pra considerar como muito frio porque já começa a esquentar bastante.
  8. A desta semana está sendo Boa apenas para o Oeste do país e interior do continente, pro Sudeste será bem fraca.
  9. Essa futura MP é mais ampla do que a de agora?
  10. Pois é, o sul da China tem um clima subtropical frio, a neve por lá todo ano chega próximo ao Trópico de Câncer.
  11. 94 teve um outono bem quente, em junho veio uma frente fria de moderada intensidade e uma semana depois veio a primeira onda de frio extremas, seguida por outra no início de julho. Depois disso o padrão mudou para temperaturas acima da média, que durou até metade de 1995, que não teve inverno.
  12. Mas o outono em 2013 foi bom sim, abril e maio tiveram boas massas polares que atravessavam a América do Sul livremente, inclusive esses dois meses terminaram na média ou um pouco abaixo nas temperaturas em muitos lugares, só junho que foi bem ruim com muita chuva fora de época e tempo abafado.
  13. Nesta década, 2010, 2016 e 2017 foram medianos, 2012, 2014 e 2015 ruins, 2011 e 2013 ótimos em termos de frio.
  14. No século XX algumas frentes frias conseguiram chegar simultaneamente até o litoral do Alagoas e norte do estado do Amazonas, em 1928 por exemplo numa onda de frio que causou neve em Curitiba com acumulação significativa; na tão comentada onda de frio de 1979 onde o centro da massa polar passou sobre o estado de São Paulo a frente fria chegou até o litoral de Sergipe e a 60 km da linha do Equador; em 1988 no mês de julho uma frente fria chegou até Recife enquanto quase todo o país congelava. Os registros de frentes frias/massas polares que chegam até te a linha do Equador pelo estado do Amazonas é mais frequente do que aquelas que chegam até Pernambuco porque o relevo do interior da América do Sul, do centro da Argentina até a Amazônia é de baixa altitude, daí qualquer sistema frontal de média intensidade consegue chegar até o Acre, para alcançar o litoral do Nordeste sendo continental é necessário um cavado intenso em todos os níveis da atmosfera e um ciclone extratropical na altura do litoral de SC para direcionar o anticiclone frio para norte.
  15. Sem o Himalaia, as precipitações da monção chuvosa chegariam com muito mais intensidade ao Tibete/Oeste da China, enquanto choveria com maior homogeneidade por toda a Índia, mas sem grandes volumes pluviométricos (superiores a 600 mm num único mês como ocorre frequentemente). Porém, os ventos frios da alta siberiana que se estabelece na Mongólia entre setembro e março chegariam com muito mais força por todo o país, de modo que muitos lugares da Índia registrariam temperaturas mínimas inferiores a 10 graus, e poderia até nevar em Nova Délhi, o que não ocorre.
  16. Você sabe se tem outro jeito de acessar a previsão estendida do ECMWF? Pelo Meteopt só vai até as 144 hs.
  17. O GFS nesta rodada dá mínimas abaixo de 5 graus no interior paulista e do MS, e abaixo de 0 em grande parte do Sul do país!
  18. Isso é um indicativo da mudança do padrão, uma das vantagens do clima marítimo são as máximas baixas em qualquer época do ano.
  19. Esta próxima MP terá uma trajetória híbrida, começando continental e depois indo para o oceano, vai resfriar o Sudeste, Centro-Oeste e sul da Amazônia.
  20. Eu acho que agora vai, as rodadas de hoje cedo foram sim ruins mas não podemos desanimar, ainda falta 72 hs para o evento.
  21. Para o norte e centro oeste tanto pelo ECMWF quanto pelo GFS a queda de temperatura será bem típica para maior, entre 8 e 11 graus no MS e 13 a 16 graus no MT, RO e AC. Já é alguma coisa neste mês quente.
  22. O centro oeste e norte esfriam também entre os dias 10 e 12, depois a massa polar vai para o oceano, todos seriam beneficiados pelo frio, realmente um bom cenário.
  23. A TSM do oceano atlântico potencializa ou suaviza os efeitos do el niño, se estiver acima da média a seca no Nordeste e a chuvarada no Sul/Paraguai/Uruguai são extremadas; caso o contrário, as anomalias forem negativas os efeitos são atenuados. Em 1997 e 1998, apesar da ocorrência do el niño mais intenso que se tem registro, haviam anomalias significativas de temperatura abaixo da média nas águas do litoral gaúcho até a Bahia, como consequência a estiagem no Nordeste foi mais branda e as tempestades no Sul/Paraguai/Uruguai e parte dos estados do MS e SP foram mais fracas; o período frio de 97 (março-agosto) foi caracterizado pela antecipação das massas polares ainda em março, prosseguiu abril, maio e junho com umidade fora de época e baixas temperaturas, inclusive com geadas amplas no centro-sul do Brasil na primeira quinzena de junho, os cavados em médios níveis, baixas pressões no litoral sul brasileiro e as anomalias negativas de temperatura no Atlântico sul facilitaram a expansão dos sistemas frontais até o litoral do Nordeste durante o primeiro semestre de 97. Os efeitos do el niño foram aparecer somente em julho, com bloqueios atmosféricos quentes e secos sobre muitas áreas da América do Sul, bem como grandes acumulados pluviométricos ao sul do paralelo 25S, a primavera foi antecipada para a segunda quinzena de agosto. Porém, a estação chuvosa começou no período normal, em setembro no oeste/sul da Amazômia, Paraná e sul do MS/SP, outubro na maior parte das regiões Centro-Oeste e Sudeste, Novembro na Bahia, sul do Maranhão e Piauí e Dezembro no litoral do Pará e Maranhão. Entre janeiro e abril de 98 ocorreu uma estiagem na maior parte da região Nordeste, ainda sim não foi de grande intensidade. A partir de janeiro de 98 o el niño entrou em rápido declínio, por causa do ressurgimento de uma grande bolha de águas frias no Pacífico Equatorial, em maio daquele ano a atmosfera já estava totalmente neutra.
×

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.