Jump to content
Brasil Abaixo de Zero

klinsmannrdesouza

Members
  • Content count

    312
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

119 Excellent

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. Foi um trimestre que lembrou muito os invernos dos anos 80, sem picos de calor fora de época com destaque para a onda de frio entre os dias 25-28 de junho que provocou neve com acumulação nos pontos mais elevados de Santa Catarina e geadas generalizadas desde a campanha gaúcha até a região central de Mato Grosso do Sul; a Mantiqueira foi agraciada com frio seco e tendo suporte em altitude, o mirante de Santana cravou em 6 graus a mínima. Aliás, se eu não me engano foi nesse ano que houve uma reportagem a respeito do frio em áreas do Nordeste (14/15 graus, o que pra eles é muito significativo), com os moradores improvisando casacos.
  2. Mas foi um período relativamente bom de maneira geral porque a neve apareceu com maior frequência nos planaltos sulinos tendo acumulação mais significativa em 2010, 2011 e 2013, as massas polares continentais ficaram mais amplas sobre o sudeste ( vários exemplos como Maio de 2007, Abril/Maio 2008, Junho 2009, outono 2010, outono/inverno 2011 e em Maio, Julho e Agosto 2013). Concordo que ficou bem distante do que houve nos anos 70/80 quando verdadeiros outbreaks polares arrefeciam o continente sul-americano; porém conforme você mostrou, as anomalias positivas foram muito mais comportadas se compararmos com os pesadelos 2014 e 2015.
  3. De fato, tivemos um ciclo entre 2007 e 2013 em que os invernos foram mais rigorosos na América do Sul com dois episódios de neve mais significativos em 2010 e 2013, depois entramos numa fase desfavorável a eventos de frio com exceção de 2016. Lembrando que tivemos um ciclo frio entre os anos 40 e 70, um quente entre os anos 80 até metade dos anos 00, e um possível frio a partir de 2007 com a redução da atividade solar.
  4. A última lá nina intensa foi entre 2010 e 2012, antes disso houveram dois episódios, um em 1988/1989 e entre 1998 e 2001. É um facilitador para invernos rigorosos aqui na América do Sul, vide 1988, 1999, 2000 e 2011.
  5. A estação chuvosa no interior Nordestino começa apenas em Novembro no centro-sul do Piauí, todos interior da Bahia e oeste de Pernambuco.
  6. O que aconteceu foi a antecipação da estação chuvosa para o mês de agosto, prolongando em setembro com muita chuva e temos que esperar se outubro também será úmido na maior parte do país; estou achando bem parecido com o que ocorreu em 2009 quando choveu bastante em setembro no centro-sul brasileiro e em outubro choveu até mesmo no interior nordestino, o que de praxe só acontece em novembro, aliás a temporada de calor e chuvas naquele ano teve um início precoce, tanto que nos meses mais chuvosos não houve a ocorrência de ZCAS, dezembro e janeiro foram de muito abafamento com temporais intensos e passageiros.
  7. klinsmannrdesouza

    Tempo Severo - Brasil/América do Sul - 2018

    Houve a ocorrência de algum tornado nesse evento de tempo severo no Uruguai e RS?
  8. Olhando os dados hoje; as chances de ocorrer um el nino são altas, porém este deverá ser bem mais fraco e mais curto do que o último de 2015/2016, o que ajudaria o Sul do país a não permanecer na estiagem e não prejudicaria tanto o Nordeste, mesmo assim somente o fato de as águas do Pacífico Equatorial aquecerem a atmosfera já começa a ser afetada, ainda que sem o nino.
  9. Os mergulhos das anomalias de temperaturas na costa do Pacífico Equatorial para patamares inferiores a +0,5º a partir de agosto acabaram por favorecer o avanço das frentes frias e massas polares sobre o continente sul-americano, além das chuvas incomuns que ainda estão ocorrendo no centro-norte do Brasil; todavia considerar apenas o Pacífico não é aconselhável, uma vez que as anomalias na costa brasileira sob o oceano atlântico também surtem efeitos na dinâmica atmosférica da América do Sul. Pelas atuais análises, a maior probabilidade é da ocorrência de um el niño fraco com breve pico moderado, com o início precoce das chuvas nos trópicos tendo a formação dos canais de umidade um pouco prejudicados, porém tenderão a ocorrer ainda que com menor frequência e um pouco mais ao sul do que o normal. Poderemos ter um análogo da primavera/verão de 2006/2007 e 2009/2010, quando o Nordeste sofreu uma estiagem fora de época sem grandes proporções.
  10. Você tem razão, faltou pelo menos umas duas massas polares amplas nos meses de junho e julho porque maio houve a frente fria da segunda quinzena que foi muito forte, Junho fez muito frio no Sul, MT, MS, oeste de SP e Sul da Amazônia e Julho idem.
  11. Na verdade, pra Goiânia e com menor intensidade em Brasília; os meses mais seco do ano são agosto e setembro, outubro já chove bastante em Goiânia e ocorre algumas pancadas de chuva na capital federal. Toda a área que vai do centro-Sul de Rondônia, 70% da região Centro-Oeste, a metade norte do Sudeste e a parte ocidental/meridional do Nordeste registra as maiores temperaturas máximas em setembro, em condições normais a umidade desce da Amazônia no mês de Outubro sob o Brasil Central, alcança parte do sertão Nordestino em Novembro e em Dezembro a ZCIT se aproxima do litoral norte do Nordeste.
  12. Os ventos frios ao anticiclone polar já chegaram na porção ocidental do estado do Amazonas; na onda de frio do final de abril de 2016 a frente fria chegou até Roraima, centro-sul do Maranhão e Piauí, o evento de agora é meio parecido com a massa polar de julho 2012 (metade do mês).
  13. Também sou de Campo Grande MS e aqui o primeiro evento de frio do ano geralmente ocorre em abril, o pico se dá em julho com diminuição a partir de agosto, setembro é o mês mais quente em que são registradas as maiores temperaturas máximas principalmente no centro-norte do estado, em torno de 38/40 graus, a porção meridional a partir deste mês começa a ser afetada pelas tempestades originárias do Sul do país e Paraguai, outubro começam as chuvas volumosas, a diferença daqui pro Sudeste é que raramente somos afetados pelas ZCAS no verão, somente a região Norte do MS é atingida pelas instabilidades tropicais, o resto do estado sofre com os aguaceiros passageiros que duram em média 30 minutos, logo depois o tempo abre e ficamos sob mormaço. As chuvas mais duradouras costumam ocorrem em Novembro.
  14. Se houvesse instabilidades nos níveis altos da atmosfera sobre o Sul, teríamos queda de neve, porque há suporte em altura só falta a coincidência do frio com a umidade.
  15. Você tem as mínimas das capitais de cada estado?
×