Jump to content
Brasil Abaixo de Zero

PabloMartins

Members
  • Content count

    37
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

19 Good

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. Anjo, Porto Alegre está no clube dos 40°C há decadas kkkk
  2. Madrugada de quinta foi fervente na Região metropolitana de Porto Alegre. 00h adentrou com 34°C em Canoas e só caiu abaixo de 30°C apenas por volta das 06 ou 7h da manhã. As 10h a chuva veio e o resto do diaficou entre 26 e 27, agr está em 21,4. Nada comparado à 2014 quando foram VÁRIOS dias que era meio dia e já batiamos 39°C - 40°C Lembrando do pico no dia 6/2/14 quando batemos 42,6°C e 43 em Canoas por exemplo. No mesmo dia, Taquara e Butiá bateram os seua 44°C e 45°C. To com um pressentimento de que este ano será tão quente quanto. De dias super quentes, eu me lembro a onda de calor de fim de janeiro e inicio de fev de 2010, histórico 25 de dezembro de 2012 com 42°C, 27 e 28 de dezembro de 2013 com 41°C, os inesquecíveis janeiro e fevereiro de 2014, os 40°C do dia 29 de outubro de 2014, 41°C em 25 ou 26 de Janeiro de 2016, 40°C tb em Janeiro de 2017 e agora os 40 e 41 entre dezembro de 2018 e agora janeiro de 2019. A cada vez os 40°C vem se tornando mais comuns na região metropolitana de Porto Alegre. Infelizmente o inmet em POA fica na área mais fria da capital enquanto a zona norte registrou 40,7°C e foi esquecida de ser mencionada no churrasco dos telejornais brasileiros, já que aparentemente o RJ merece mais destaque para chamar o turismo.
  3. São Leopoldo tem agora às 10 HORAS DA NOITE 34°C com sensação térmica de 42°C, vcs tem noção quão incomum é isso???!!! 😮 E jornalista não falam nada cara, se fosse o RJ teria uma reportagem de 15 min dedicado à isso -.- #FornoAlegre
  4. Estação Meteorológica da Metsul em POA registrou 40,7°C O inmet registrou apenas 38,3 a maior desde 2016
  5. Hoje nos superamos viu, me lembrou muito o dia 6 de fevereiro de 2014, quando Canoas fez 43°C, POA 42.6°C... Hoje foi de matar mesmo...olha a estação meteorológica no Bairro Cristo Rei em São Leopoldo, RS. Quase 52°C de sensação térmica
  6. Foi sorte Manghkut (Ompong) não ter se tornado o novo Haiyan. A gente pode até comparar ambos tufões para termos alguma ideia, mas a verdade que os únicos ciclones tropicais que podem ser comparados à Haiyan, ou seja, que foram tão fortes quanto, são o Super Tufão Gay em 1992, o Super Tufão Angela em 1995 e o Furacão Patricia em 2015. É bom lembrarmos que a área de nuvens extremamente pesadas (CDO - Central Dense Overcast - Centro Denso Nublado) de Haiyan era PERFEITO, assim como seu olho e infelizmente não houve reconhecimento de vôo. Como o olho de Haiyan era largo, é possível que os ventos não tenham sido tão violentos em velocidade quanto Patricia. Ciclones com núcleo interno menor (Patricia, Wilma) geralmente provocam velocidade de ventos maiores, além da pressão atmosférica que cai de forma absurda. É bom ressaltarmos que Patricia não teve sua intensidade medida da melhor forma possível, lembrando que o vôo teve problemas com turbulência e não pode completar a missão, mesmo após registrar ventos de 194 nós/225 mph e no próprio relatório pós tempestade foi praticamente admitido que Patricia provavelmente teve pressão menor do que 870 mbar e que os ventos devem ter sido mais fortes ainda. Eu achei errado o JTWC pendurar a intensidade de Haiyan em "apenas" 195 mph ou 170 nós. Meranti em 2016 nem foi tão perfeito quanto Haiyan e atingiu a mesma intensidade. A pressão estimada de Haiyan de 895 mbar É RIDÍCULA, 880 pra começarmos a conversa. O Pacifico Oriental e Ocidental, bem, o Pacífico inteiro devia investir mais em aeronaves para esses fenômenos.
  7. Está enfraquecendo, provavelmente um ciclo de substituição da parede do olho está a caminho, mas acredito que o motivo principal do enfraquecimento de Noru tenha sido seu lento deslocamento durante a intensificação explosiva, isso agitou o mar, gerando ressurgência. Não são dados aquilo que tu citou, era uma previsão. O olho pode até estar mais limpo e definido, mas há uma enorme redução na intensidade da convecção profunda ao redor do olho. Como as águas estão fervendo e o cisalhamento de vento é baixíssimo, é possível que Noru volte a se intensificar em breve, especialmente caso o ciclo de substituição da parede do olho realmente aconteça (90% de chance que deve começar nas próximas 24-48 horas).
  8. Tivemos a formação de 4 ciclones tropicais desde o último post, 17 de Julho. Quebrando o recorde de maior número de ciclones tropicais no Pacífico Leste em tão pouco tempo, recorde que também pertence à 2016. 17 de Julho se formou a depressão tropical 07-E, se tornou Greg em seguida e continua em atividade. Não conseguiu se fortalecer tanto devido ao cisalhamento de vento de sudoeste e noroeste, causado pela saída de fluxo (outflow) do furacão Fernanda e as águas que se resfriaram após a passagem também de Fernanda, conhecido como "ressurgência". A vida meteorológica de Greg já dura 7 dias, o que podemos considerar bastante para uma fraca tempestade que teve problemas de intensificação devido a ingestão de ar seco (como atualmente), águas mais frias e cisalhamento de vento, está batalhando para continuar em atividade, mas essa luta deve acabar até quarta feira. Dia 18 de Julho tivemos a formação da depressão tropical 08-E, mas dois dias depois se dissipou, tendo os mesmos problemas de Greg. Dia 21 de Julho se formou a 9ª depressão tropical da temporada, e poucas horas depois se tornou "Hilary". Diferente das outras tempestades, Hilary passa neste momento por um período de rápida intensificação; Ontem mesmo o NHC (Centro Nacional de Furacões) mencionou que havia 60% de chance dela se intensificar pelo menos 55 nós em 48 horas, e poderia atingir a Categoria 4. Apesar de ser no momento um furacão de fraca intensidade, Hilary aparenta ter uma estrutura espetacular. Seu movimento lento nos permite ver sua rápida circulação, podemos ver também as futuras bandas de tempestade se formando com a convecção profunda explodindo em todos os setores da tempestade, vemos também, sua saída de fluxo praticamente que "modelando" a estrutura do furacão, são características que ocorrem geralmente em furacões que passam por forte intensificação rápida ou até mesmo intensificação explosiva. O cisalhamento de vento é baixíssimo, águas do oceano estão acima de 29-30ºC, há muita umidade na atmosfera e há calor em profundidade no oceano, dando suporte pra essa rápida intensificação. Meu palpite pessoal é que Hilary tem potencial de atingir ventos de pelo menos 145-150 mph e é possível sim que atinja a categoria 5, algo que não acontece nesta parte do mundo desde 2002, com o furacão Elida e no hemisfério ocidental não ocorre desde Emily em 2005 no Atlântico, seria histórico. Há possibilidade de Hilary interagir com a tempestade Irwin no fim de semana, o chamado "efeito Fujiwara", considerado raro no Pacífico Nordeste. Falando em Irwin, ele se formou no sábado e atualmente está em período de intensificação. O Centro Nacional de Furacões (NHC) prevê que se torne um furacão amanhã, seu pico de intensidade seria 80 mph (130 km/h), mas alguns modelos meteorológicos mostram Irwin como categoria 2 ou 3, vamos ver se ele nos surpreende.
  9. Voltando a falar sobre Fernanda, as imagens de satélite em microondas mostram que o olho de Fernanda já está se desenvolvendo e de maneira rápida: O NHC confirmou a queda no cisalhamento de vento e uma rápida intensificação deve começar nas próximas 6-18 horas e é bem provável que ocorra. Oficialmente, o Centro Nacional de Furacões prevê um furacão de Categoria 4 com ventos de 220 km/h (140 mph), mas deverá ser mais forte do que isso, considerando a rápida intensificação que irá ocorrer. Ontem à noite quando o sistema tinha ventos de 40 nós (75 km/h ou 45 mph), o NHC mencionou que havia uma possibilidade de 50% de Fernanda se intensificar 65 nós em 24 horas nos próximos 3 dias, e isso é bastante impressionante do NHC mencionar, uma vez que sempre é bem conservativo com as previsões e intensidades dos ciclones tropicais. Se partisse do ponto de quando foi mencionado essa possibilidade -> 40 nós + 65 nós = 105 nós ou 120 mph ou 195 km/h, categoria 3; Porém até agora não ocorreu a intensificação, no momento Fernanda tem ventos de 55 nós - 102 km/h - 65 mph + 65 nós = 120 nós e isso da exatamente a previsão do centro nacional de furacões, 140 mph. Particularmente na minha opinião, eu acredito que Fernanda irá atingir ventos entre 150 e 155 mph (240-250 km/h), talvez até 160 mph (260 km/h), mas só durante a rápida intensificação pra eu dar um palpite mais concreto sobre sua intensidade futura. Abaixo segue a lista dos furacões mais poderosos já registrado no Pacífico Central ou Leste durante o mês de Julho: 1º - Furacão Gilma - 24 de Julho de 1994 - Categoria 5 - Ventos de 260 km/h - 160 mph - 140 nós -> Pressão atm: 920 mbar 2º - Furacão Emilia - 20 de Julho de 1994 - Categoria 5 - Ventos de 260 km/h - 160 mph - 140 nós -> Pressão atm: 926 mbar 3º - Furacão Hernan - 23 de Julho de 1990 - Categoria 4 - Ventos de 250 km/h - 155 mph - 135 nós - Pressão atm: 928 mbar 4º - Furacão Dora - 21 de Julho de 2011 - Categoria 4 - Ventos de 250 km/h - 155 mph - 135 nós - Pressão atm: 929 mbar
  10. A área de investigação (Invest) 93E está realmente impressionante nas últimas 12 horas, seu desenvolvimento e organização é muito impressionante e rápido desde ontem. Parece que o Pacífico Leste finalmente vai começar a despertar agora em diante, após 3 fraquíssimas tempestades, esta que deverá se tornar "Dora" deve finalmente ser uma tempestade com ventos superiores a 50 mph. A julgar pela sua aparência atual, temperatura da água do mar, umidade, cisalhamento de vento baixo, é seguro falar que Dora se tornará o primeiro furacão desta temporada e se a tempestade continuar dessa forma (se organizando rapidamente) nas próximas 24-48 horas, eu diria até que Dora poderia se tornar o primeiro grande furacão da temporada e uma rápida intensificação deste sistema é altamente provável. A última vez que o nome "Dora" foi utilizado nesta região, foi em Julho de 2011, foi o furacão mais poderoso que quase atingiu a categoria 5 no dia 21 de Julho daquele ano com ventos de 250 km/h.
  11. Assim como 2016, 2017 começou muito devagar no Pacífico Oeste. Até o momento, apenas 2 tempestades foram nomeadas pelo JMA (Japan Meteorology Agency) e nenhuma ainda se tornou um tufão. Ontem, a Tempestade Tropical Severa Merbok atingiu a região de Hong Kong com ventos de 83 km/h.
  12. No fim da tarde de ontem, o Centro Nacional de Furacões notou intensificação e melhora na estrutura da Depressão Tropical 03E e deu um "upgrade" ao classificar como Tempestade Tropical Calvin. Apenas 3 horas depois de ser nomeado, Calvin fez landfall entre Salina Cruz e Puerto Ángel com ventos de 65 km/h. Obviamente, perdeu rapidamente sua intensidade devido ás grandes montanhas do Sul do México e já é apenas uma depressão tropical, com ventos de apenas 46 km/h. Fazendo uma rápida pesquisa, pude perceber que este é o início de temporada de furacões no pacífico nordeste mais fraco na história (desde que se tem registro, claro), nenhum ciclone tropical atingiu ventos acima de 40 nós ou 45 mph (75 km/h) até agora; Ou seja, nunca tivemos tempestades tão fracas para iniciar a temporada. Outros anos tiveram algo parecido, mas todos tinham pelo menos uma tempestade com ventos de 50 mph, já estamos na 3ª e nada ainda.
  13. A julgar pelas últimas 3 horas no mínimo, a depressão tropical 03E parece estar mais organizada e estruturada, uma vez que a convecção profunda finalmente começa a explodir em torno do centro da circulação do ciclone. Se mantiver essa forma ou melhorar, é possível vermos "Calvin" ser nomeado ainda hoje antes do landfall. Eu nunca vi as primeiras 3 tempestades nomeadas no Pacífico tão fracas, pelo jeito este ano teremos o 1º furacão da temporada só em Julho.
  14. Segunda mencionei a formação de uma área de baixa pressão aqui no Abaixo de Zero e que eu não me surpreenderia em vê-la se tornar Beatriz essa semana...Bem, desde a segunda feira, meteorologistas tem acompanhado o desenvolvimento de uma área de baixa pressão que se teve origem na costa sul da América Central na semana passada. Ela se organizou na segunda feira e foi decretada pelo Centro Nacional de Furacões (NHC) como "área de investigação 91E" ou "Invest 91E". Nas últimas 24-32 horas, esta área de baixa pressão se organizou muito rapidamente e neste momento está prestes a se tornar uma depressão tropical, o primeiro estágio de um ciclone tropical. Como podemos ver nas imagens de satélite abaixo, é impressionante a rápida organização e consolidação da convecção profunda próximo do centro do sistema, isso obrigou o NHC a aumentar a possibilidade para 90% desta baixa pressão se tornar um ciclone tropical nas próximas 48 horas. Em imagens "AVN", 91E também impressiona, principalmente ao surgimento de nuvens em cinza (abaixo da imagem há a escala de intensidade das nuvens) formando um possível CDO: Centro Denso Nublado. Seguindo em direção ao México, 91E deve dar origem a depressão tropical 02E ainda hoje e quem sabe até se fortalecer para Tempestade Tropical antes da chegada do mês de Junho. O próximo nome a ser utilizado, lembrando, é Beatriz. O nível de organização é tão grande, que alguns meteorologistas americano mencionam que há possibilidade de se tornar até um furacão antes de adentrar sobre o México.; Isso aconteceu com a tempestade "Barbara" em 2013, se formou rapidamente no fim de Maio e tornou-se um furacão apenas 18h após ser nomeado, atingiu o México com ventos de 130 km/h. Lembrando que amanhã (01) começa oficialmente a Temporada de Furacões no Atlântico Norte e a Temporada de Furacões no Pacífico Central (140ºW - 180ºW).
×