Jump to content
Brasil Abaixo de Zero

Rodolfo Alves

Moderators
  • Content count

    5206
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    5

Rodolfo Alves last won the day on February 18

Rodolfo Alves had the most liked content!

Community Reputation

201 Excellent

7 Followers

  1. Uma extensa área de chuva está passando entre Campinas, Jundiaí e Bragança Paulista agora. Chove forte em alguns pontos dessas áreas inclusive. Parte dessa instabilidade atinge a RMSP e as Zonas Norte e Leste da Capital, com chuvas fracas isoladas. Temperaturas agradáveis em torno dos 23ºC agora na Capital Paulista.
  2. Análise de Performance de Modelos

    ANÁLISE DO EVENTO DE CHUVA EXTREMA NO RIO DE JANEIRO Na madrugada do dia 14 pro dia 15 fevereiro, a cidade do Rio de Janeiro foi atingida por uma violenta tempestade, ocasionando chuvas torrenciais, acompanhadas de fortes rajadas de vento e queda de granizo. Meteorologistas concluíram que a cidade foi atingida por uma micro-explosão. A origem deste evento se deve a formação de uma área de baixa pressão na costa do estado fluminense. Imagens de Satélite e Radar, mostram como o evento foi severo. Volumes extremos de chuva foram registrados por todo o Rio de Janeiro. Postagem do Vinícius no tópico de monitoramento mostrou que em apenas 1 hora choveu 130,6mm no Alto da Boa Vista, e 109,6mm na Ilha do Governador, conforme dados do Cemaden. Nas estações do INMET, o acumulado de 24 horas, foi de 112,2mm em Jacarepaguá, sendo 80mm em apenas 1 hora. Na Vila Militar, choveu 70mm em apenas 1 hora. No sistema Alerta-Rio, 5 estações pluviométricas acumularam mais que 100mm em 24 horas, com destaque para o Barra/Riocentro com 130,6mm acumulados. Também foram registradas fortes rajadas de vento. A Estação Meteorológica de Guaratiba operada pelo Alerta-Rio registrou rajadas de vento de 39.2 m/s (143km/h). Nas estações automáticas do INMET, as rajadas chegaram a 60,8km/h no Forte do Copacabana, 69,8km/h em Jacarepaguá, 76,6km/h na Restinga do Marambaia e 73km/h na Vila Militar. EMISSÃO DE ALERTAS: Antes do Temporal, o Jornal Nacional na noite da quarta-feira, havia alertado para chuvas altamente volumosas no Rio de Janeiro. Lembrando que a fonte da previsão é a Climatempo. A Maju que apresenta o tempo no JN até postou a contra-prova no Instagram para os que duvidaram da previsão Desde as 8h da manhã da quarta-feira, o INMET já emitia um alerta vermelho para o sul do Rio de Janeiro, e também a cidade, alertando para chuvas superiores a 100mm/dia. Portanto não houve falta de alertas deste episódio. O Alerta Rio, órgão da prefeitura que monitora as condições meteorológicas na cidade, emitiu o Estágio de Atenção em toda a cidade apenas as 23:50 do dia 14, quando a cidade já estava sob chuva forte. A 0:25 do dia 15, toda a cidade entrou em Estágio de Crise, que só é emitido quando a chuva era muito forte. Esse estágio permaneceu até as 5:30. PREVISÃO DOS MODELOS: Foco deste tópico, irei analisar agora a previsibilidade deste evento por parte dos modelos. O Modelo Europeu foi o primeiro a prever este evento, com grande antecedência, já no sábado (10) inclusive com post's dentro do tópico de monitoramento no BAZ. Naquela altura, era o único modelo que mostrava essa solução agressiva. Agora irei analisar as saídas 0Z do dia 14, portanto a apenas 24 horas do evento. ECMWF: O modelo Europeu na saída do dia 14 mostrava altíssimos acumulados (200-300mm), ainda que no sul do Rio de Janeiro, e não na cidade.. Lembrando que a região de Angra dos Reis, também foi duramente afetada pela chuva, assim como áreas do litoral norte de SP. GFS: O GFS teve um desempenho bem inferior. A 24 horas do evento, mostrou acumulados que sequer chegavam a 50mm na maioria das áreas. CMC: Teve um desempenho mediano. Sugeriu valores extremos de chuva, porém na região de Angra dos Reis. COSMO/INMET: O Cosmo também teve um desempenho mediano, similar ao CMC. Pegou os valores extremos de chuva, mas os direcionou para a região de Angra. WRF/GFS: O WRF com saída pelo GFS teve desempenho similar, e mostrou a principal atuação dos núcleos mais severos de chuva, entre o sul do RJ e o litoral norte de SP, tanto na saída 0z, quanto 12z. WRF/CMC O WRF com saída pelo CMC as 12z (0z não estava disponível), seguiu o WRF/GFS. MODELOS CPTEC: O BAM, principal modelo global do INPE na atualidade, indicou volumes de chuva extremos entre o litoral de SP e o sul do RJ, seguindo a maioria, enquanto o BRAMS (abaixo) teve um desempenho bem ruim, e não indicou nenhum tipo de chuva mais significativa sobre qualquer área do Sudeste. RESUMO DA ANÁLISE: A Maioria dos modelos teve desempenho mediano com 24 horas de antecedência, antes do ocorrido, pois mostraram volumes extremos de chuva entre o sul do Rio, e o litoral norte de SP, o que de fato ocorreu. Houve acumulados superiores a 100mm nessas regiões, porém nenhum modelo efetivamente mostrou acumulados torrenciais sobre a cidade do Rio de Janeiro. A única exceção foi o próprio modelo Europeu que por 3 corridas no sábado (a 96 horas do evento) indicou a chuva extrema sobre a cidade. Em termos da previsão 24 horas, o modelo europeu foi também o que mais se aproximou de uma previsão de chuva volumosa para a cidade do Rio de Janeiro. Destaca-se também o pífio desempenho em 24 horas de previsão do GFS e BRAMS que foram os que menos se aproximaram do quadro, diante dos modelos analisados.
  3. No meu caso eu estou monitorando as estações de São Mateus e Mauá. São Mateus está com 16,5/26,0 em fevereiro. Desvio de -1,6/-3,0 respectivamente. A Média Simples está em 21,2ºC (-2,4ºC) São Mateus acumulou até agora em fevereiro 33,4mm (a média na estação é de 214,8mm) Em Mauá está com 16,3/24,2. Média Simples em 20,3ºC O João Fachetti monitora as estações da Capela, Parelheiros e Vila Mariana.
  4. A Forte atuação da Zona de Convergência Intertropical nesses dias vem trazendo fortes chuvas entre o RN/CE/PI/MA. ALGUNS ACUMULADOS NAS ÚLTIMAS 96 HORAS, NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DO INMET: Caxias/MA 156,2mm Natal/RN 150,6mm Bacabal/MA 124,4mm Esperantina/PI 114,8mm Mossoró/RN 98,6mm Fortaleza/CE 94,2mm O CPTEC expediu um alerta vermelho pra chuva intensa/acumulado de chuva entre o RN/PB.
  5. Ciclone Tropical Gita começou a enfraquecer e já dá sinais que começa a perder sua simetria, o que abre as portas para uma transição para um Sistema Extratropical. Gita segue em alto-mar, sem impactos diretos as ilhas do Pacífico Sul. Na semana que vem, já transformado em sistema extratropical provavelmente, trará chuvas fortes e ventos a Nova Zelândia. Na costa norte da Austrália, formou-se Ciclone Tropical Kelvin. O sistema é de Categoria 1 (Similar a uma fraca tempestade tropical) e já fará landfall nas próximas horas.
  6. Além de Frio, Fevereiro também pode chamar atenção pela Seca! Até o momento só foram acumulados 15,1mm no Mirante de Santana. Se acabasse hoje, fevereiro seria o mais seco da história! É possível que feche entre os 5 mais secos desde 1961. FEVEREIROS MAIS SECOS NO MIRANTE DESDE 1961: 1984: 32,5mm 2005: 99,9mm 2003: 109,4mm 2017: 127,3mm 1979: 133,7mm
  7. Tarde de sábado agradável em São Paulo. Temperatura média está em torno dos 25/26ºC na cidade, e os ventos marítimos impedem a formação de pancadas de chuva na cidade. Imagens do Radar do CGE mostram alguma coisa se desenvolvendo apenas no extremo norte da RMSP. Talvez algumas pancadas avance para a Zona Norte, mas não será nada muito além disto. Já na região de Bragança Paulista chove forte com potencial de granizo inclusive.
  8. Defesa Civil de Santa Catarina acrescentou um 3º Radar Meteorológico para a Cobertura do Estado hoje. É o Radar de Banda-X (Range 100km) que fica em Araranguá, e irá cobrir o sudeste do Estado, juntando-se assim aos de Chapecó e Lontras. http://sigsc.sc.gov.br/radarsc/
  9. Já praticamente na metade do mês, o Mirante de Santana tem acumulados apenas 13,6mm em Fevereiro. Esse valor representa apenas 5% da média de 1981-2010. Se continuar nesse rítimo tem tudo para fechar como um dos mais secos desde 1961 por lá. FEVEREIROS MAIS SECOS NO MIRANTE DESDE 1961: 1984: 32,5mm 2005: 99,9mm 2003: 109,4mm 2017: 127,3mm 1979: 133,7mm
  10. Relatos dão conta que a passagem do Ciclone Tropical Gita pelo Tonga causou inúmeros estragos, dentre eles, danos ao edifício do parlamento daquele país, extensas inundações e danos nas torres de energia. Não há informações de mortos, mas há muitas pessoas feridas e desabrigadas. Gita é um Severo Ciclone Tropical de Categoria 5 Australiana que segue atuando no Pacífico Sul. As previsões do Centro de Fiji, bem como do JTWC indicam que o Ciclone deverá manter a força nos próximos dias, mas seguirá com seu núcleo em alto-mar, causando impactos indiretos (em especial mar revolto) nas ilhas do Pacífico. A médio-prazo, já rebaixado a Ciclone Extratropical, deverá impactar a Nova Zelândia.
  11. Além da tarde ser fria, é com chuva também em alguns pontos. Imagens do Radar do CGE mostram chuva no extremo sul da cidade, e na Baixada Santista também.
  12. Ciclone Tropical Gita segue ganhando força e é motivo de preocupação para a pequena cidade de Nuku'alofa no Tonga. O Centro Meteorológico das Ilhas Fiji elevou Gita para Categoria 4 Australiana, o que lhe confere ventos sustentados de até 230km/h. A Previsão indica que nas próximas 24 horas seja elevado a Categoria 5, ao passar sobre a Ilha Tonga. Gita irá passar muito próximo ou sobre a cidade de Nuku'alofa nessa segunda-feira. Se confirmada a Categoria 5, poderá haver uma situação catastrófica nesta cidade, um tanto similar ao que aconteceu no Caribe com a passagem de Irma. Nuku'alofa é a capital do Tonga e tem 23 mil habitantes. A acompanhar....
  13. Tempestade Tropical que se formou no Pacífico Oeste foi nomeada neste domingo de "Sanba". O sistema está atuando a leste das Filipinas e é bem compacto. Previsão oficial do JTWC agora não indica mais fortalecimento em Tufão, e prevê Sanba atingindo as Filipinas como tempestade tropical mediana nas próximas 24-48 horas. A passagem de Sanba irá provocar chuva forte localizada que pode superar os 150mm em algumas regiões, conforme a projeção do Euro.
  14. Formou-se neste sábado a primeira Tempestade Tropícal de 2018 no Pacífico Oeste. Em breve, receberá o nome de "Bolaven". Este sistema está em alto-mar atualmente, mas se dirige lentamente em direção as Filipinas. Antes de chegar ao país, deverá ganhar força e poderá se elevar a uma forte tempestade tropical ou até mesmo um tufão, de acordo com a previsão do JTWC. Por ora, os modelos não parecem confiantes para um desenvolvimento em Tufão. Moradores do sul das Filipinas devem acompanhar de perto o progresso deste sistema.
  15. Depois de uma breve calma nos trópicos do Hemisfério Sul, as coisas voltam a ficar agitadas. CIclone Tropical Gita se formou recentemente no Pacífico Sul, e segue ganhando força. No momento é um Categoria 3 Australiano, o que indica ventos de até 180km/h. Gita deverá ganhar um pouco mais de força e atingir a Categoria 4 Australiana, segundo o Centro Meteorológico das Ilhas Fiji, o que indica que poderá ter ventos de até 230km/h (o equivalente a um altamente destrutivo Categoria 4 Saffir Simpson no Atlântico). Pela previsão Gita irá atingir em cheio ou passar muito próximo da ilha de Tonga, cuja a capital é Nuku'alofa, durante a segunda-feira. Moradores dessa ilha devem se preparar para severo impacto deste ciclone. A Ilha de Fiji que fica mais a oeste também deve assistir ao progresso de Gita, para eventuais impactos indiretos ou até mesmo diretos. Extrema atenção a este sistema nos próximos dias!
×