Jump to content
Brasil Abaixo de Zero

Vinicius Lucyrio

Administrators
  • Content count

    4009
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    16

Everything posted by Vinicius Lucyrio

  1. Durante a noite a situação se inverte devido a capacidade da água em armazenar calor. Aí as áreas com alta pressão passam a ser sobre a superfície da terra e baixa sobre a água.
  2. Os próximos 10 dias serão marcados por chuvas bem irregulares no estado de São Paulo, sobretudo regiões centro, sul e oeste; a porção mais ao norte e leste deve ter convecção livre com uma maior frequência. O motivo é a entrada de dois sistemas de alta pressão rentes ao litoral: um dia 17 e outro dia 25. Após 7 dias, é bom ter mais cautela, mas o cenário tem se mantido nas últimas rodadas do ECMWF. A entrada da primeira alta vem acompanhada de ondulação na circulação em médios e altos níveis, condizentes com entrada de ar mais frio e mais seco; o mesmo sistema causará temperaturas baixas no Sul a partir de amanhã. A amplitude térmica em boa parte do interior paulista deve ser alta para a época em boa parte dos próximos 7 dias, com mínimas até baixas em regiões onde há maior propensão a acúmulo de ar frio. Mesmo com ar mais frio atuando em regiões mais próximas ao litoral, a presença de núcleos de alta pressão em 500 mantém o céu aberto o calor da tarde não dá trégua (embora venha acompanhado de umidade mais baixa). Ao mesmo tempo em que as chuvas se tornam mais escassas no interior de São Paulo, elas podem ser muito volumosas no litoral do PR, SP e boa parte do RJ. Outro local que deve receber chuvas com maior regularidade é a faixa que vai desde o MT até o ES. Atenção para os altos acumulados previstos pelo Euro para o ES e MG com a entrada da segunda frente lá pelo dia 24/25, mas como está longe há boas chances de mudar. Interessante a convergência do ECMWF com o GFS na última rodada em relação aos acumulados:
  3. Essa supressão na formação de nebulosidade sobre grandes represas ou lagos, ou com algum deslocamento (mas mesmo assim próximo), é o fenômeno da brisa lacustre. Durante o dia a superfície da terra aquece muito mais rápido que a superfície da água, e com isso durante o dia a temperatura do ar sobre a massa d'água é menor. A densidade do ar mais quente (sobre a terra) é menor que a densidade do ar menos quente (sobre a água), e isso acaba gerando células de circulação local análogas a sistemas de alta e baixa pressão. No caso, alta sobre a água, baixa sobre a terra. Nas áreas com pressão mais elevada, a circulação diverge e o vento tende a ir para regiões de mais baixa pressão. Nas áreas de baixa pressão, o ar tende a ascender e nas de alta o ar tende a descer. O que precisamos para a formação de nuvens? Levantamento de massas de ar. Esse é o motivo!
  4. A "equatorialização" do Sudeste nos últimos dias trouxe uma sequência inédita de mínimas altas aqui para Itajubá desde que a estação da Unifei foi instalada em abril de 2010: 07/01: 17,2/31,8 08/01: 21,2/30,9 09/01: 20,1/30,6 10/01: 21,8/32,1 11/01: 21,3/31,8 12/01: 21,0 Mínimas acima de 21,0°C por aqui são bem incomuns, e acontecem pouquíssimas vezes no ano, e há anos em que elas nem ocorrem. Sobre a Alta da Bolívia deslocada, ainda teremos a presença dela por mais alguns dias. Neste momento, ela está centrada entre o norte do Paraná, oeste de São Paulo e sul do Mato Grosso do Sul. De acordo com o modelo ECMWF, ela fará um pequeno deslocamento para oeste, se alongando para o Paraguai e norte da Argentina até o dia 16, mas ainda com a parte central atuando sobre São Paulo, parte do Rio e Minas. Uma mudança mais importante deve ocorrer lá pelos dias 18 e 19, quando um cavado em médios e altos níveis se amplifica sobre o litoral do Sul e Sudeste, trazendo algum alívio no calorão. Outra coisa que gostaria de destacar é o avanço de uma frente fria pelo litoral nos dias 16 e 17 que pode causar grandes acumulados na região serrana do Rio. Vamos acompanhando.
  5. Algumas pessoas são mais adaptadas a outras com diversas faixas de temperatura, pare de ser chato garoto. O dia todo isso, traz conteúdo de qualidade aqui para o BAZ, contribua positivamente de alguma forma.
  6. Alta da Bolívia com localização anômala: Muitos especialistas afirmam nunca terem visto a AB nesta posição extremamente deslocada sobre São Paulo. A AB é um sistema de alta pressão em altos níveis da atmosfera (200~300hPa) que tem origem dinâmica, surgindo a partir do aquecimento superficial no altiplano boliviano. Em geral, está associada a sistemas de baixa em níveis inferiores. Ou seja, a presença dela é indicador de muito calor e muita umidade, condições amazônicas. Talvez isto explique as mínimas altas da última madrugada. Aqui em Itajubá a mínima foi de 21,8°C, igualando a maior marca já registrada na estação de 09/01/2016. Em São Paulo fez 22,5°C no Mirante de Santana. Nos próximos dias, a AB deve se deslocar para a região onde ela realmente costuma se estabelecer, entre a Bolívia e o sul da Amazônia brasileira.
  7. 00Z do Euro manteve a chuvarada para a Serra do Mar e litoral, enquanto o GFS 00Z manteve a chuvarada mais pro interior
  8. Para ter acesso aos produtos desse site só assinando mesmo... os meteogramas são gerados para aeroportos, principalmente.
  9. Sim, o modelo ECMWF tem 50 membros além das saídas de controle e determinística (os membros são rodadas do modelo com algumas perturbações nas condições iniciais). Este gráfico mostra a previsão individual de cada membro. É uma boa ferramenta para indicar uma direção ou mesmo para validar a previsão do membro determinístico.
  10. Enquanto o Euro faz desabar o mundo na Serra do Mar, o GFS 12Z vem com muita chuva no interior de SP e sul de MG, e segue um padrão parecido com a 06Z.
  11. Disse o Matheus lá de Curitiba que veste roupas de frio com 32°C. Sobre as chuvas em Minas Gerais, como havia antecipado: Minas tem 20 cidades em situação de emergência por causa das chuvas; veja quais Nos próximos 10 dias, faixa sul de SP e RJ, além do leste do PR, em toda a faixa da Serra do Mar e litoral, os acumulados podem ser bem altos. A última rodada do ECMWF veio com uma solução um tanto agressiva e que deve ser acompanhada devido à possibilidade de problemas no litoral paulista. O período que requer maior atenção é entre 11 e 14 de janeiro Vários membros do ensemble do ECMWF indicam essa possibilidade:
  12. Chove forte com trovoadas em Matão agora. A chuva deve continuar nas próximas horas. Alguns acumulados na região metropolitana de São Paulo nas últimas 24h (boa parte dos acumulados após as 17h de hoje): 138,4mm Francisco Morato (Jardim Primavera) 131,8mm Francisco Morato (Parque Cento e Vinte) 106,2mm Francisco Morato (Jardim Virgínia) 95,8mm Mairiporã (Estrada da Roseira) 94,8mm Guarulhos (Recreio São Jorge) 89,8mm Guarulhos (Cidade Soberana) 81,8mm Caieiras (Parque das Esmeraldas) 79,3mm Jandira (Centro)
  13. Matão começou o ano com mais um dia bem quente: 20,8°C/33,8°C. No meio da tarde, por influência de instabilidades próximas, a temperatura caiu e ficou na casa dos 24~25°C. A partir de amanhã, a circulação em altos níveis terá configuração típica de ZCOU/ZCAS com AB e cavado no Nordeste, além de boa convergência de umidade em baixos níveis como podemos ver nas imagens a seguir: O CPTEC indica a formação de ZCOU em seu boletim técnico:
  14. 2019 em Matão Desde o início das minhas observações, este foi o 2º mais quente, bem próximo de 2014. - Janeiro: maior média de mínimas, superando 2015; foi também a maior média de mínimas de toda a série, para qualquer mês. Na média de máximas, foi a 3ª maior para o mês e a 6ª maior para qualquer mês. Na média simples, foi o 3º mês mais quente da série, atrás apenas de fevereiro de 2014 e janeiro de 2015. - Fevereiro: mesmo com anomalia negativa, a máxima de 38,1°C no dia 2 foi a 3ª maior para o mês, empatado com registro de mesmo valor em 2014. - Março: nada de importante. - Abril: maior média de mínimas para o mês. - Maio: maior média de mínimas, maior média de máxima (decidido nos centésimos: 27,65°C contra 27,63°C de 2014 e 27,60°C de 2018), e obviamente a maior média simples. Também conseguiu a proeza de ter 9 das 10 maiores mínimas para maio. Vou até colocar aqui: - Junho: praticamente inexistente. Passou batido. Ninguém lembra. Fiasco total. A não ser no RS que foi um inferno. - Julho: teve tudo pra ser maravilhoso se não fosse a anomalia positiva nas máximas. Teve a menor média de mínimas da série, batendo os 9,4°C de junho/2009. Teve a segunda menor mínima da série, os 0,3°C do dia 7, e o fim de tarde/noite mais fria desde 2000 em boa parte do interior de SP com marcas abaixo dos 5°C as 21:00 (por aqui, 3,6°C neste horário e a mínima de 1,4°C do dia 6 foi à noite). - Agosto: 3ª menor máxima da série no dia 4, com temperaturas entre 9 e 11°C no período da tarde. - Setembro: maior média simples da série, com uma onda de calor tenebrosa que trouxe a 2ª e 3ª maiores máximas para o mês, mas ainda sem bater os 38,6°C de 2015. - Outubro: 🔥 . O mais quente da série, com a segunda maior média de máximas para qualquer mês. As máximas não chegaram nem perto dos extremos absolutos, o que chamou a atenção foi a constância do calor. - Novembro: o mais quente da série, batendo o antes imbatível 2009. Também teve a maior máxima da série para o mês: 37,8°C, passando os 37,5°C de 2013. - Dezembro: normal, sem nada de muito especial.
  15. Carlos e @Matheus Vinicius, penso que vocês poderiam deixar pra discutir via mp, ou qualquer outro lugar que não seja aqui no monitoramento. Prezem por conteúdo de maior qualidade, por favor, é o dia todo isso. Aposto que não sou o único incomodado. Flood é chato, não só no sentido literal. Feliz 2020 a todos. Desejo aos bazianos menos flood.
  16. Estação automática do INMET de Porto Alegre registrou 40,3°C as 19UTC.
  17. A ciclogênese já está ocorrendo entre a Argentina e o Uruguai, e a previsão é que o sistema se desloque para leste ao longo do dia de hoje e amanhã deve passar sobre o RS, com saída para o oceano bem na virada do ano. Por esse motivo, a virada deve ser de bastante vento no sul gaúcho e o primeiro dia de 2020 também em grande parte do RS e Uruguai. A formação dessa baixa favorecerá convergência de umidade em baixos níveis sobre o centro do país e região Sudeste entre os dias 2 e 7, e como consequência os acumulados sobre Minas Gerais, nordeste de São Paulo, Rio de Janeiro e sul do Espírito Santo podem ser bem altos neste período. Regiões propensas a deslizamentos de terra e inundações devem ter atenção especial, uma vez que os acumulados pontuais podem passar dos 200mm em menos de 5 dias na Zona da Mata e região central de MG, além da região serrana do RJ.
  18. E é bom ter cuidado com estes assuntos aqui, principalmente política, que é terminantemente proibido no BAZ.
  19. Já falamos aqui umas 58536 vezes que este dado é inconsistente, e é só bater o olho nas outras marcas em volta pra saber que o dado é fruto de erro, pelo amor de Deus.
  20. Não é porque estão registrados que devemos aceitar. Nenhuma estação naquela região chegou a valores próximos daquela marca, e num teste de consistência ele jamais passaria. A estação automática registrou 37,9°C. As duas estações não estão no mesmo local, mas tem pouca diferença na altitude: a automática está a 226m e a convencional a 246m. Não há complexidade suficiente no terreno para causar uma compressão adiabática, por exemplo, logo não há como considerar esse dado mesmo ele tendo sido registrado pelo INMET.
  21. Às 13UTC: 34,9°C Bagé 34,4°C Alegrete 34,3°C Dom Pedrito 34,2°C São Vicente do Sul 34,0°C São Borja
  22. Pelo que me consta, este dado é inconsistente.
  23. Sobre a onda de calor no RS, as últimas rodadas do modelo ICON, que é alemão e é meio que a mão do EUROREI (créditos a @Vitor V), apontam um calor absurdo para o dia 31 após seguir praticamente igual a hoje até dia 30. Diante da precisão do modelo, essa previsão para o dia 31 com valores de até 43-44°C no leste do RS não é tão outlier e não seria surpresa se valores próximos a isso fossem pontualmente atingidos no último dia do ano. Mas há uma variável importante a se considerar que é a nebulosidade. O modelo europeu já aponta bastante nebulosidade alta em especial para o setor oeste do RS no dia 30, com céu mais claro no centro e leste do estado. Em geral, nebulosidade alta não afetam o balanço de energia, a não ser que sejam cumuliformes. No tempo de sol em minutos (em 1 hora, para as 15h), os dois modelos apontam cenários parecidos para o dia 30, com maior tempo de brilho solar no setor leste: E dia 31, que só tem o ICON (ao lado, imagem do IR simulada do Euro): Os valores de temperatura máxima apontados pelos dois modelos: Outra variável que eu gostaria de destacar é a temperatura em 850hPa. Com a ciclogênese ocorrendo entre a Argentina e o Uruguai no dia 31, o aporte de ar quente em baixos níveis deve atingir seu pico neste dia. A solução do ICON é muito mais agressiva. No dia 31 deve haver uma elevação da temperatura muito mais brusca entre o amanhecer e o meio dia do que nos dias anteriores, provavelmente com locais batendo os 40 neste período. O heat dome no dia 29: A temperatura sobe tanto com o passar dos dias na presença de altas de bloqueio pois a convecção é quase suprimida devido aos movimentos subsidentes (de cima para baixo), e a convecção é um meio de transferir calor da superfície para níveis mais altos. Com convecção prejudicada, o calor fica retido próximo à superfície.
×

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.