Jump to content
Brasil Abaixo de Zero

Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation on 02/11/20 in all areas

  1. 15 points
    Ainda sobre a discussão BHxSP, temos algumas diferenças pontuais: 1 - São Paulo é maior e portanto, o solo é mais impermeabilizado Este fator faz com que precipitações menos intensas carreguem um volume maior de água ao leito dos rios. Em BH, por mais que hajam regiões altamente densas, a cidade como um todo possui muitos "buracos" onde a água pode penetrar pelo solo, ao contrário da maior parte de SP. 2 - O relevo de BH torna as enchentes mais violentas e consequentemente mais fatais Em São Paulo, o que estamos vendo no geral é a elevação do nível médio dos rios por um logo período de tempo, por se tratar de uma bacia. Os rios sobem, demoram a abaixar e deixam vários locais ilhados. Em Belo Horizonte, não temos rios, somente ribeirões, e o relevo faz a água "correr" o mais rápido possível rumo Rio das Velhas. Como as enchentes se formam mais rápido e a emergia cinética é muito alta, os danos pela enchente em si são muito maiores do que em SP, mas a água abaixa rápido, deixando somente os estragos visíveis. 3 - Acumulados em BH foram maiores, mas afetam menos pessoas do que em SP. BH teve 171 milímetros em 24 horas em sua estação oficial, contra 114 em São Paulo. Em outro dia, BH teve os mesmos 170 milímetros em apenas 3 horas de chuva na regional centro-sul. Entretanto, os danos em SP, devido ao fato de ser uma maior metrópole, prejudicam um número maior de habitantes e conseguem paralisar a cidade. Nem mesmo essa chuvarada descomunal em BH conseguiu impedir um dia de trabalho, o que se deve ao fato da água escoar rápido e da cidade ser menor.
  2. 12 points
    O problema de São Paulo é mais ou menos comum às grandes cidades brasileiras. Crescimento desordenado, forma errada de ocupação do solo, invasão indiscriminada das várzeas dos rios e córregos, ocupação de áreas de risco, etc, etc. Na verdade, em uns 90% da área urbana de São Paulo não acontece praticamente nada com uma chuva dessas. O problema é que a maioria das grandes vias de escoamento do tráfego e algumas linhas de trens ficam exatamente naqueles 5/10% problemáticos: várzeas, fundos de vale, proximidade de rios, sobre rios e córregos canalizados, etc. E aí a cidade pára. Isso além das áreas de várzea urbanizadas, claro. As pessoas que obrigatoriamente têm que passar por uma dessas áreas-problema, seja de carro, ônibus ou trem, têm seríssimas dificuldades pra chegar a seu destino, geralmente nem chegam. Agora, quem depende só do metrô ou metrô e linhas de ônibus de bairro que não passam em locais-problema, por exemplo, praticamente não foi afetado.
  3. 11 points
    Sensacional suas colocações e gostaria de deixar minha contribuição: Apesar de ambas cidades terem tido evento semelhante (chuvas acima de 100mm por grandes áreas), não acho que os danos são iguais ou parecidos. Em BH choveu mais (ou bem mais) e, por isso mesmo, os reflexos das enchentes foram muito mais severos. Tivemos dezenas de mortes na região metropolitana no período de 1 semana, com inúmeros deslizamentos e enchentes por quase toda a cidade, algo que nunca tinha visto, inclusive afetando gravemente bairros nobres. Tivemos sim cenas impressionantes de verdadeiros rios nas ruas da cidade, mas a maioria das ocorrências de vítimas foi por deslizamentos de terra. A cidade decretou situação de emergência, o presidente da República fez uma visita simbólica. Pra mim, está bem claro que não se trata de São Paulo ser uma cidade menos preparada, até porque os danos foram muito, mas muito mais suaves que aqui. Pra mim, os danos foram proporcionais à magnitude do evento. Para os próximos dias, muita chuva está prevista pro Rio e BH. Que verão pra região sudeste!
  4. 11 points
    A foto abaixo é do rio Pinheiros antes da retificação e a piscina do Esporte Clube Pinheiros, final da década de 1920. Que tempos... a piscina usava água do rio. Fonte: Pinterest
  5. 10 points
    A verdade é que enchentes são recorrentes na cidade de São Paulo. A foto mais antiga conhecida de uma enchente em Sampa data de 1862. Abaixo, algumas imagens da histórica enchente de fevereiro de 1929. A avenida Cidade Jardim e a cheia do rio Pinheiros O vale do Anhangabaú Rua Rodolfo Miranda, no Bom Retiro, centro da cidade. Cheia do rio Tamanduateí, bairro da Luz, centro.
  6. 9 points
  7. 9 points
    Neste comecinho de semana a região serrana do Rio Grande do Sul desfruta de tempo bom com temperaturas amenas. Hoje eu invejei o clima suave e o tempo ensolarado mostrados nas imagens webcam de algumas localidades situadas não exatamente na Serra mas que dão uma amostra da situação geral por lá. Vacaria, uma bela cidade que eu tive a oportunidade de conhecer quando tinha 18 anos de idade e me aventurava pelo Sul em busca dos locais mais frios da Região. Antes do amanhecer ⬇ Começo da manhã com a lua descendo no horizonte Manhã ensolarada ⬇ Tarde com nuvens baixas, mas ainda com sol ⬇ Entardecer com céu quase sem nuvens e temperatura de 18°C ⬇
  8. 8 points
    ESTIMATIVA DE CHUVA ACUMULADA EM SÃO PAULO, ELABORADA POR RADAR METEORLÓGICO
  9. 7 points
    Tivemos mínima de 15.3° em Curitiba. Céu nublado agora e temperatura agradável.
  10. 7 points
    Segundo o CGE a cidade teve 154 pontos de alagamento hoje. Parece que esse é o maior número de pontos de alagamento em um único dia na história do órgão. Em 2010 e 2011 também houve uma chuva que causou mais de 120 pontos de alagamento. Mas essa de hoje deve ser a maior em termos de pontos de alagamento.
  11. 6 points
    Bom dia à todos.. Imagem deste amanhecer, mostrando nuvens carregadas principalmente sobre a área do estado do Rio de Janeiro e do Mato Grosso do Sul. Muita água precipitando nesses dois estados.
  12. 6 points
    Sobre o evento de chuva atingiu a Região Metropolitana de São Paulo hoje, além de vários municípios vizinhos e parte do interior do estado, muito já foi dito aqui hoje, uma cobertura bem completa, mas gostaria de acrescentar um ponto que até agora passou batido.. Em termos de impactos na rotina da população e extensão dos alagamentos (falando agora só da cidade de São Paulo), o único evento comparável neste século XXI foi claramente o de maio de 2005. Naquela ocasião, lembro que o volume de chuva entre os dias 24 e 25 (num período de 24 horas) superou os 100 mm em todas as zonas da cidade, com picos na casa dos 180 mm em alguns bairros, conforme foi divulgado na época pelo CGE. A chuvarada de maio de 2005 (mesmo evento do tornado em Indaiatuba) foi até um pouco mais generalizada que a de agora na capital paulista, já que o acumulado máximo em 24 horas nas áreas menos chuvosas foi maior em maio de 2005, mas por outro lado os volumes máximos (principalmente nos arredores de São Paulo, mas que em parte escoaram para rios que cruzam a capital) foram maiores hoje, e isto (junto com o fato de os rios já estarem normalmente mais elevados em janeiro/fevereiro que em maio, e o solo mais saturado no verão, por motivos óbvios) certamente explica porque em parte da cidade os alagamentos hoje foram até mais "disruptivos" que em 05/2005. Mas esta chuva de ontem para hoje não deixou de ser uma compensação, pois de acordo com as médias do CGE (de todos os pluviômetros da rede na cidade de São Paulo) o último mês a superar a média de chuva na capital paulista foi julho de 2019, pois em todos os 6 meses seguintes (de agosto/2019 até janeiro/2020) a chuva variou entre um pouco e muito abaixo da média na cidade, então já estava na hora de um mês com chuva acima da média mesmo, o que certamente este evento de hoje já fez com fevereiro de 2020. Abaixo os acumulados mensais médios da cidade de São Paulo pelo CGE desde julho de 2019, e as médias 1995/2018 entre parênteses (lembrando que em julho de 2019 quase toda a chuva caiu em 24 horas): J: 96,3 mm (43,6 mm) A: 8,7 mm (26,9 mm) S: 63,6 mm (69,8 mm) O: 34,8 mm (108,9 mm) N: 115,6 mm (138 mm) D: 141,1 mm (187,3 mm) – Neste mês, uma chuva forte muito localizada fez o total do Mirante ficar muito acima da média da cidade J: 227,9 mm (258,7 mm) Voltando ao Rio de Janeiro, a chuva só chegou hoje na parte da tarde, com pancadas fortes em alguns bairros (destaque para a Ilha do Governador, com até 69 mm por hora) e grandes áreas de chuva moderada, que só perderam força a partir do meio da noite. Até agora não houve maiores consequências no Rio, além dos tradicionais pontos de alagamento/bolsões d’água em áreas com drenagem deficiente. O índice pluviométrico médio acumulado na cidade do Rio desde o meio da tarde até agora (22:20) é de 47,6 mm, o que eleva o acumulado mensal para 161,4 mm. Com isso, 2020 já tem o quinto fevereiro mais chuvoso desde 1997, atrás de 2019, 2018, 2016 e 1998. Mas este número ainda pode subir bastante, e a posição do mês corrente no ranking certamente vai mudar. O próximo alvo (quarto lugar) é 2016, com 184,4 mm. Não custa lembrar que o fevereiro mais chuvoso já registrado na capital fluminense, ao menos desde o início do século XX, foi o de 1988, com um acumulado médio na cidade facilmente acima dos 500 mm. Aqui em Niterói, a chuva também caiu com força no final da tarde, com totais da ordem dos 60/70 mm em vários bairros, e pico de 35/40 mm por hora (no momento de maior intensidade, várias ruas sofreram com o acúmulo de água, complicando o trânsito na volta para a casa). No momento temos chuva bem fraquinha e faz 24ºc no Ingá. Por aqui, as chuvas generosas do início de fevereiro, já tendo superado a média parcial do mês com folga ao final do décimo dia, também estão compensando um início de verão com volumes abaixo da média (em dezembro e janeiro, choveu em torno de 2/3 da média).
  13. 6 points
    Aproveitando, com o acumulado de quase 300mm neste primeiro decêndio deste mês, fiz uma comparação com alguns dos meses mais chuvosos da história do Mirante. Considerando o período entre os dias 1 e 10, e considerando apenas os meses de janeiro de 2010 e 2011, fevereiro de 1995, março de 2006, novembro de 1978 e dezembro de 2012(meses mais chuvosos da história), e comparando com os 299,6mm nos 10 primeiros dias, os valores abaixo: Fevereiro de 1995(o fevereiro mais chuvoso): 272mm Março de 2006(mês mais chuvoso da história do Mirante): 288,6mm Janeiro de 2010(segundo janeiro mais chuvoso): 147,5mm(o grosso da chuva daquele mês aconteceu depois do dia 10) Janeiro de 2011(o janeiro mais chuvoso e também o segundo mês mais chuvoso da história do Mirante): 185,2mm(idem janeiro de 2010) Novembro de 1978(o novembro mais chuvoso): 149,5mm(idem janeiro de 2010/2011) Dezembro de 2012(o dezembro mais chuvoso): 37,1mm(neste mês, a chuva caiu praticamente toda na segunda quinzena). Tem cheiro de recorde vindo... Fevereiro de 1995 e março de 2006 mostram o que pode acontecer neste mês. A chuva no período está correlacionada a deste mês até agora. Ainda sobre fevereiro de 1995: o acumulado só não foi ainda maior porque a última semana daquele mês foi sem chuva.
  14. 6 points
  15. 5 points
    Nuvens com topos muito frios sobre o leste do Mato Grosso do Sul:
  16. 5 points
    Sobre as chuvas no interior de SP: entre às 16:00 e 17:10 de hoje despencou 71mm em Marília (estação Realengo CEMADEN). Em 24hr já são 136,2mm.
  17. 4 points
    Resumo das chuvas em Bauru IPMet hoje 10/02 --> 111mm: Chove forte em Getulina próximo a Lins. Aqui só chuvisco e trovões altos, já que a tempestade decidiu desviar de novo . Essa chuvarada se formou sobre Pirajuí e ficou praticamente estacionária com fortes núcleos em atividade regular até 23:30. Depois começou a perder um pouco de força e ficou porção mais central que ainda mantém bastante convecção. Formou uma LI com cerca de 170km (02:00UTC)...............................
  18. 4 points
    Falando em "próximo alvo" no Mirante, o acumulado de 2019 foi 323,2mm(que aparentemente foi superado, se confirmado, fevereiro de 2020 foi mais chuvoso que o de 2019). Caso isso aconteça, o próximo alvo é 2004(335,6mm, existe a possibilidade de ser superado já amanhã). Caso seja superado o valor de 2004, será o mais chuvoso do século. Os próximos alvos até chegar a 1995 são 1999(369,8mm), 1998(394,2mm) e finalmente o de 1995(445,5mm). A última vez que fevereiro superou 300mm dois anos consecutivos antes de 2019-20 foi em 1998-1999.
  19. 4 points
    Pelas animações do radar de São Roque, novas áreas de chuva podem atingir a Grande SP à partir do final desta noite. Se isso acontece, esperamos que essa área não ganhe força ao encontrar com mais de 2000 km2 de concreto. Falando em radar de São Roque, uma reclamação que eu gostaria de fazer é que ele não está precisando a chuva na Grande SP. Em outras palavras, enquanto chove bem forte aqui (igual a essa madrugada), a área de chuva aparece apenas com fraca intensidade ou no máximo moderada intensidade. Não bastasse isso, temos aquele buraco seco no centro, que vai desde o oeste da Grande SP até mais ou menos Sorocaba. Até uns 2 anos atrás, havia o radar da USP, mas infelizmente eles restringiram o acesso. Havia também o da Climatempo, que infelizmente encerrou suas atividades. Desse jeito, ficamos praticamente às cegas.
  20. 4 points
    Alias, falando em sensação termica na leitura das 20:00hs do INMET, São José dos Ausentes/RS estava com sensação termica de 4º e o Morro da Igreja localidade que pertence ao municipio de Bom Jardim da Serra/SC estava com sensação de 1º. Eu queria ser militar só pra ser mandado para morar naquela base do CINDACTA que fica no morro da igreja.
  21. 4 points
    E São Paulo ainda tem pontos intransitáveis pelas marginais. Fato é que, choveu bastante, mas desde o fim da manhã ela é fraca. Então, a mim parece nítido o problema: assoreamento dos rios, retardando escoamento da água. Não só o assoreamento por terra, mas por resíduos, em especial plástico, que se acumula desde o extremo norte de São Paulo até município de Salto. Se a poluição, em especial por plástico, por si só já é inadmissível, a Prefeitura de São Paulo tem que parar de negligenciar com a questão, agora por mais esse motivo. É muito lixo no rio, e quem produz tem a responsabilidade de reciclar. Faltam medidas rígidas para impor essa obrigação a Prefeitura, que finge que não é dela ou com ela aquela chuva de garafas pets e outros plásticos que se tornam evidentes em cidades do interior.
  22. 3 points
    O Simepar informa que as 20:30hs tinhamos 16º de temperatura com umidade relativa do ar em 99% e ventos de 20km/h. Isso resultado em uma sensação térmica de 11º. http://www.ciram.sc.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1498&Itemid=661
  23. 3 points
    Belo e moral é tipo um meme pra algo que achamos belo/certo/bom no caso falei zuando. Realmente, nem sei qual deve ser a sensação térmica agora com esse vento.
  24. 3 points
    eu tb emitiria um alerta para Belo Horizonte - que deveria ficar em alerta até o fim do verão. Ambos GFS e Europeu projetam volumes expressivos pros próximos 3 dias. Um dos reservatórios tb esta completamente cheio.
  25. 3 points
    CPTEC E INMET EMITINDO ALERTA VERMELHO PARA CHUVAS FORTES NO ESTADO DO RIO ALERTA VALE PARA A NOITE/MADRUGADA E MANHÃ DA TERÇA-FEIRA.
×

Important Information

By using this site, you agree to our Guidelines.