Jump to content
Brasil Abaixo de Zero

Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation on 12/03/18 in all areas

  1. 5 points
    Novembro em Blumenau: sem extremos e pouco chuvoso, sem graça. Indaial/INMET: média: 22,4C (+0,4C)
  2. 4 points
  3. 2 points
  4. 2 points
    São Sebastião do Paraíso/MG - Novembro de 2018 Média em relação a 1981-2010. Média máxima: 27,6°C (-1,2) Média simples: 22,7°C Média mínima: 17,9°C (+0,3) Máxima absoluta: 31,9°C 30/11 Mínima absoluta: 14,9°C 29/11 Precipitação acumulada: 242,4 mm (+32,6 mm) Maior precipitação em 24hrs: 59,2 mm 21/11 Dias com precipitação 1>mm: 18 dias (+6)
  5. 2 points
    O mês aqui: Na região: Foi um mês acima da média na temperatura, e na chuva, que aconteceu de forma mais isolada.
  6. 2 points
  7. 1 point
    Pelo menos 22 pessoas ficaram feridas ontem. Ainda não foram iniciadas as pesquisas.
  8. 1 point
    Na minha opinião desenha-se um final de ano que não vimos há muitos anos, de muita chuva de MG pra cima, com possíveis GRANDES problemas de inundações. Esses volumes previstos pra Bacia do Rio Doce são de alerta, chega ate 300mm em 10 dias.
  9. 1 point
  10. 1 point
  11. 1 point
    Coutinho, o modelo conservador para mínimas, o Cosmo do Inmet, indicando frio novamente no próximo fim de semana em RS e SC.
  12. 1 point
    A estação de Mondaí receberá um local adequado nesse fim de ano. AGUARDEM...!!!
  13. 1 point
  14. 1 point
    ALGUNS RECORDES OU VALORES BEM PRÓXIMOS DE MÍNIMA PODEM ACONTECER EM SC.
  15. 1 point
    A PRIMEIRA QUINZENA NÃO TERÁS DO QUE RECLAMAR, AQUI TE GARANTO QUE 90% IRÁ RECLAMAR E MUITO
  16. 1 point
    Depois que vi onde era Mondaí, aí entendi porque é tão quente. Além da baixa altitude, fica num vale. E mesmo estando à beira do rio, o ar tropical vem de N antes de passar pela água e ainda sofre aquecimento adiabático. Lugar terrível na primavera e no verão.
  17. 1 point
    Mondaí aproximadamente 250m e Itapiranga 170m. Isso nos locais das estações. A estação de Mondaí é do @Felipe Backendorf. O local da estação de Itapiranga apresenta um certo micro-clima, é num local bem baixo rodeado por morros grandes, na beira do Rio Uruguai e do Rio Macaco Branco. Nos dias de nevoeiro (que são muitos, o ano inteiro), muitas vezes alí demora mais pra dissipar. Isso influencia bastante a dinâmica da temperatura. Desconfio que esse é isso. A de Itapiranga:
  18. 1 point
    Novembro no sertão da PB. Onde moro:
  19. 1 point
    Setembro e outubro/2018 em Matão: A maior temperatura de 2018 até o momento (e espero que pare por aí) ocorreu em setembro, com 37,5°C. Uma primavera bem suave, eu diria. Normalmente passa dos 37°C em outubro várias vezes. A máxima de 35,4°C em outubro foi a menor absoluta desde 2011 para o mês. Itajubá-MG (Unifei)
  20. 1 point
    TÓPICO CRIADO PARA POSTAGEM DE ANÁLISES DA PERFORMANCE DOS MODELOS DE PREVISÃO ============================================================================= MODELOS X REALIDADE: ONDA DE FRIO JUN/16 - MÍNIMAS EM SÃO PAULO Inaugurando o tópico, vou começar com uma análise em relação a performance dos modelos em relação a onda de frio que atingiu o Centro-Sul do Brasil, para a Cidade de São Paulo. A análise se incidirá sobre o valor das temperaturas mínimas sobre três olhares: A menor do CGE (geralmente registrada em Capela do Socorro ou Parelheiros), a registrada no IAG (Convencional no Jardim Zoológico), e no Mirante de Santana. O período em questão da análise será entre 10/6 (Sex) e 13/6 (Seg), tendo como base de previsão, a última saída dos modelos antes do período a ser analisado, isto é 12z-09/06, saída que teoricamente teria a melhor confiabilidade. Os modelos a serem analisados: GFS - ECMWF - CMC - ETA - COSMO/MBAR A Seguir, vejamos a saída 12z - 09/06 de cada modelo: GFS: ECMWF (YR): CMC: ETA: COSMO/MBAR: Na tabela abaixo, coloquei para cada dia analisado, a mínima aproximada estimada por cada modelo, juntamente com as mínimas verificadas em 5 estações do CGE (Parelheiros/Capela do Socorro/Riacho Grande/São Mateus/Sé-CGE), IAG, Aero de Congonhas e Mirante (Convencional): Análise Menor Temperatura do CGE: Na tabela abaixo, confrontei a menor temperatura registrada pelas estações do CGE em cada dia, com o que foi previsto pelos modelos. O intuito aqui era vê, qual modelo se aproximava mais da realidade. Com isso foram somadas todas as diferenças diárias (para mais ou para menos). Nesta variável, foi verificado que o CMC foi o modelo com melhor performance nos dois primeiros dias, com diferença menor que 1 grau entre o previsto e o registrado, porém, o modelo estimou demais o frio entre o domingo e a segunda, errando entre 3,4 e 5,9ºC as suas previsões. Por conta desta diferença entre o 2º e o 4º dia, o CMC empatou em performance com o GFS no período analisado, tanto na média geral, quanto no acumulado de diferença. Sendo assim, o ETA (na média) foi o modelo que melhor previu as temperaturas nesta variável, pois teve diferença em torno de 1 grau em 3 dos 4 dias. Análise IAG: Seguindo as mesmas regras da análise do CGE, o modelo ETA novamente teve a melhor performance ao prever mínimas, levando como base a estação do IAG. A diferença nos 4 dias, variou entre 0,2 e 2,4ºC pelo modelo do CPTEC, enquanto que pelo CMC foi muito pequena no primeiro dia, mas piorando demais entre o 2º e o 3º dia. GFS e ECMWF na variável IAG tiveram boa performance, e ficaram relativamente próximo ao ETA. Análise Mirante: Seguindo as mesmas regras, a situação se inverte com o Mirante. Nesta variável, o modelo que teve melhor acerto foi o ECMWF (via YR), com diferença média de 1,1 grau nos 4 dias em relação ao registrado na estação convencional do INMET. Outro modelo que teve performance parecida com o ECMWF, foi o COSMO/MBAR. Um pouco mais atrás vem GFS e ETA, com o CMC longamente atrás. Em resumo, nesta forte incursão de frio, o ETA foi o modelo que na média, mais se aproximou das mínimas registradas pelo CGE (estações mais frias) e IAG. Enquanto que o Europeu, foi o que mais se aproximou para as mínimas registradas no Mirante de Santana.
  21. 1 point
    No dia 18/07/2017 o mapa de temperaturas da América do Sul do weather.com estava lindo.
  22. 1 point
    Quero dar os parabéns pela criação deste tópico! Aproveito para dar algumas sugestões: essa diferença toda detectada nos modelos em relação aos dados de superfície são devido aos microclimas que já foram citados, portanto seria interessante também fazer o comparativo das previsões para 850 hPa e a partir desses resultados, subtrairmos a diferença para identificar com mais facilidade o peso desses microclimas. Existem inúmeros estudos sobre a interferência da camada urbana, onde podemos citar as contribuições de Oke (Canadá) e Monteiro (Brasil): Os microclimas acontecem na camada urban canopy layer enquanto a urban boundary layer é mais susceptível a interferência dos sistemas atmosféricos, ou seja, na escala em que os modelos trabalham!
  23. 1 point
    Nem o CMC de 00Z 19/06 conseguiu prever a mínima de hoje em Soledade/Farroupilha com -4,1 :onthequiet: e também a de Santa Rosa com -3,3 baixada do bairro planalto. O CMC previa para Soledade e arredores de 0ºC a -2,0ºC.
  24. 1 point
    Pro sul do RS o CMC foi o que mais se aproximou nessa mp que estão se referindo e na de agora. o Europeu (foreca) tem se aproximado legal, apesar de ser conservador. GFS anda bem fora da casinha, sendo que na verdade costuma pegar relativamente bem. Para terem uma idéia no dia 13 fez 0,9ºC enquanto CMC dava 0ºC, Foreca 2ºC e GFS 3,7ºC. Para hoje CMC dava 1ºC, Foreca 3ºC e GFS 6,2ºC e quanto fez? 0,4ºC no campus e 1,7ºC na zona norte. Toda cidade ficou abaixo de 3ºC.
  25. 1 point
    Na verdade, quanto melhor a resolução dos modelos, melhor é a capacidade dele de prever temperatura em determinados pontos. O ETA por exemplo tem uma resolução de 15km, enquanto o GFS 25km e o CMC 24km. Logo o modelo brasileiro tem melhor capacidade de pegar nuances de temperatura dentro de uma cidade, do que em relação aos globais. Porém o olhar humano (Meteorologista/previsor) ainda conta muito. O intuito da análise, é mostrar o quanto é complexo usar modelos para prever mínimas numa cidade com tantos microclimas, como São Paulo. Tirando o fator resolução, o ETA apresentou uma estabilidade muito maior que qualquer outro modelo, sem sobressaltos de temperatura (para cima ou para baixo), sendo assim o modelo que mais chegou perto do que foi registrado nas estações do CGE. O CMC foi muito bem nos 2 primeiros dias, porém nos 2 últimos estimou demais o frio. Confesso que fiquei surpreso com a performance do ETA. Pela análise, neste exemplo especificamente, deu para vê também, que CMC e ETA são os modelos mais indicados para previsão de mínimas no extremo sul da cidade (Parelheiros-Capela), enquanto que GFS e ECMWF indicaram melhor as mínimas na mancha urbana (Mirante).
×